Comportamento

Descubra os prós e os contras das brigas de casal

Getty Images
As discussões de casal são normais, mas quando se transformam em brigas sem controle ou com certa constância podem danificar a relação de modo irreversível Imagem: Getty Images

FERNANDA JUNQUEIRA
Colaboração para o UOL

01/06/2010 15h03

Brigar para mostrar o descontentamento frente a uma situação não é o melhor caminho, mas acontece com frequência entre os casais. No entanto, um pequeno atrito de vez em quanto é algo perfeitamente normal – há até quem crie confusão só para fazer as pazes na cama, depois. Os homens detestam discutir a relação, mas ela precisa ser revista sempre. Já existem vários estudos que mostram que para se falar com um homem não adianta colocá-lo sentado numa cadeira e conversa frente a frente. “O ideal, para que se possa passar o ‘recado’, é criar uma situação que não seja persecutória. Por exemplo, enquanto está se fazendo uma caminhada, arrumando a casa juntos, durante o jantar, indo para o shopping etc. Sempre em um tom de diálogo e não de discussão recheada de raiva”, sugere a sexóloga Carla Cecarello, de São Paulo, consultora da Rede Mel, empresa de venda direta de produtos eróticos e sensuais.

As discussões de relacionamento podem se transformar em brigas que, sem controle ou com certa constância, chegam a danificar de modo irreversível a relação. “Estamos vivendo uma época em que as pessoas estão com tantos conflitos pessoais que um assunto considerado em outra época inofensivo torna-se oportunidade para emoções turbulentas serem extravasadas”, comenta a psicoterapeuta Erica Brandt, de Porto Alegre (RS), especializada em psicologia transpessoal, área que focaliza os cuidados do ser em todos os níveis. Erica cita como temas relativamente inofensivos a distribuição das tarefas domésticas, a educação dos filhos e a indisposição para o sexo; já os tidos como perigosos são o ciúme doentio, a infidelidade, a intromissão da família na rotina do casal e a diferença na contribuição ao orçamento familiar.

Seja qual for o tempo de relação e o tema do conflito, é fundamental saber discutir. Uma briga com doses certeiras de respeito e palavras adequadas pode servir para homem e mulher evoluírem como casal, enquanto uma discussão com ataques pesados e frases equivocadas oferece o risco de ir minando a convivência aos poucos. Com a ajuda de especialistas, listamos sete prós e sete contras das brigas de casal. Veja só:

PRÓS

Respeito total. As brigas podem ser consideradas normais desde que a imagem que um tem do outro não seja alterada; ou seja, não há ofensas à pessoa, e sim comentários (ainda que nervosos) sobre o comportamento alheio. Como a integridade emocional do casal é respeitada e preservada, há maior chance de conciliação.

Verdade absoluta. Deixar acumular certos descontentamentos só gera sentimentos de raiva, amargura e ódio. O ideal é, conforme as coisas vão acontecendo, colocar para fora todo e qualquer sentimento que venha a surgir com isso. Esperar muito tempo para abrir o jogo pode acumular muitas dores e, assim, há o risco de que a relação seja afetada de modo irreversível. A verdade é o melhor caminho a qualquer tempo.

Troca e compreensão. Para a coaching de relacionamentos Roselake Leiros, de São Paulo, especialista em terapia de constelações sistêmicas, brigar é bem diferente de discutir – assim, se há discussão, há aspectos positivos. “Brigar é querer fazer valer a sua verdade, sendo que a verdade do outro também é verdadeira para ele e deve ser respeitada. Quando brigamos ninguém ganha, pois não há comunicação, não há troca. Respeitar não significa concordar, e sim dar ao outro o direito de ter sua percepção. Por isso discutir diferentes percepções sobre alguma coisa é saudável, é dar-se a oportunidade de aprender com o ponto de vista do outro. É ampliar sua visão, é ter mais compreensão sobre a questão”, explica.

Chance de conhecimento. As brigas – não frequentes, é claro – podem ser positivas para o casal, pois ampliam os horizontes e abrem a possibilidade de entendimentos mais profundos. O parceiro ganha a oportunidade de conhecer melhor a mulher – e seus anseios, desejos, necessidades, aborrecimentos. E vice-versa.

Combustível sexual. Há quem brigue como “tempero” para o sexo – inclusive, indescritíveis. Vale a pena, mas é importante perceber que o relacionamento está desinteressante e criar opções diferentes de “temperos” para a relação.

Cumplicidade e diálogo. Muitas pessoas silenciam até que a grande briga ocorra, portanto haverá muitos conflitos pessoais que precisarão ser abordados. “Caso haja paciência, tolerância, reconhecimento das atitudes inadequadas e um desejo e compromisso em recuperar a boa relação, há possibilidade de a briga terminar em maior cumplicidade em que ambos cedem e passam a investir em mais diálogos que silêncios, possibilitando novos rumos mais saudáveis”, ressalta a psicoterapeuta Erica Brandt.

Aprendizado máximo. A vida de casal é a melhor escola para aprendermos a nos conhecer e a nos comunicar com maturidade. Um casal pode buscar ajuda quando não está conseguindo superar as dificuldades; a decisão de procurar um profissional deverá ser tomada em conjunto. Esta terceira pessoa (um terapeuta sexual), por não estar envolvida com a crise, auxilia na percepção e compreensão de como cada cônjuge contribui para as brigas e quais as competências pessoais que poderão desenvolver para uma boa convivência.

CONTRAS

Mau exemplo. “O primeiro modelo de homem e mulher que temos na vida é do nosso pai e da nossa mãe. Se a criança presencia discussões e brigas constantemente, isso pode deixar um registro de que relacionamento entre casais não é algo bom”, afirma a sexóloga Carla Cecarello. “Para os filhos, presenciar ou ouvir as brigas causam marcas profundas na alma que repercutem rapidamente nos estudos e nas relações sociais”, salienta a psicoterapeuta Erica Brandt. “Os pais são os pilares do mundo deles, as brigas são como se a sustentação de seu mundo rachasse. Simbolicamente diria que a dor dessas situações é como para nós, adultos, vivenciar a instabilidade de um prédio durante um terremoto. Não esquecemos nunca mais.”

Falsas ameaças. A coaching de relacionamentos Roselake Leiros aconselha evitar pronunciar determinadas frases de efeito, mesmo que ditas em um momento de extrema raiva, como “Você vai ver...”, “Nunca mais eu...” e “Se você fizer tal coisa, eu...”. “Não faça ameaças. Você pode não cumpri-las e cair no descrédito”, alerta a especialista.

Sinal vermelho. Brigar com uma determinada frequência sinaliza divergências que precisam ser avaliadas sinceramente. É um forte indício, ainda, que a relação está doente e precisa de “remédio”. Que não dá mais para disfarçar, ou querer tampar o sol com a peneira ou continuar a empurrar com a barriga.

Falta de respeito. Para a Erica Brandt, as brigas podem passar do limite considerado “saudável” quando têm início as agressões verbais. “Nesse ponto, deixa de existir o respeito entre o casal. A partir daí, os parceiros poderão perder o controle emocional e se tornarem cada vez mais agressivos”, justifica.

Pontos fracos. “Toda frase com carga emocional na qual você ‘congela’ o outro no tempo é extremamente prejudicial ao relacionamento”, pondera Erica Brandt, que cita como exemplos “Você sempre...”, “Você nunca...” e “Você é...” seguidas de adjetivos que denigrem a imagem do outro repetindo como um disco rachado a mesma coisa. “Infelizmente, num casal, cada um sabe qual é a ferida psíquica do outro. E esse ponto fraco é geralmente bombardeado, provocando o bate-boca que poderá desencadear atitudes violentas”, completa.

Rigidez e implicâncias. Um relacionamento estável dá oportunidade para descobrirmos que não somos iguais, que cada um tem sua individualidade, sua própria história de vida, valores e sonhos. E que podemos somar ao deixarmos de ser rígidos e inflexíveis, lembrando que o amor une; a crítica separa. Portanto, o excesso de implicâncias detona qualquer relação.

Alta frequência. As brigas constantes podem desgastar o casamento. Toda pessoa quer ser amada, quer ser especial. Quando os atritos são frequentes, o que se sente mais denegrido tenderá a sair da relação. Todo ser humano tem um limite de tolerância.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Redação
Redação
Redação
Beleza e maternidade
BBC
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Topo