Comportamento

"Fiz terapia sexual e aprovei", conta paciente

Colaboração para o UOL

“Passei por um período muito ruim após perder o emprego. Demorei para achar trabalho e, quando finalmente arranjei um, aceitei uma proposta bem abaixo do que achava que merecia. Isso se refletiu na minha vida sexual e na autoestima. Fiz terapia e, com a ajuda de medicamentos e muita conversa, consegui recuperar o desejo. Aprovei.”
A.M., 35 anos, administrador de empresas

“Namorei um sujeito que, de vez em quando, gostava de falar palavrões na cama. Aquilo me intimidava de tal jeito que não conseguia relaxar – e muito menos gozar. Fui buscar ajuda com a terapia e cheguei à conclusão de que minha educação rígida não me permitia encarar o sexo de maneira lúdica. Aprendi, ainda, que o fato de ele se referir a mim com determinadas palavras era apenas um aditivo ao sexo, e não uma opinião consumada. Quando me livrei de certos fantasmas, relaxei e até passei a agir de modo mais selvagem na cama. A relação acabou não dando certo por outros motivos, mas vivemos bons momentos juntos.”
D.P.S., 24 anos, publicitária
(Heloísa Noronha)
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo