Comportamento

Saiba se o amor virtual pode ser considerado real

Getty Images/Thinkstock
Nesse terreno a possibilidade de ter um relacionamento é maior e falsamente segura, já que a imaginação toma conta: é como se a pessoa criasse, verdadeiramente, um conto de fadas Imagem: Getty Images/Thinkstock

RENATA RODE
Colaboração para o UOL

03/10/2010 00h01

O tema é tão polêmico que mobiliza muita gente. No Orkut, por exemplo, mais de 14 mil internautas participam da comunidade Amor Virtual e trocam confidências, desabafos e dicas sobre relacionamentos vividos pela net. Mas a grande pergunta que fica no ar é: “Amor virtual é real?”. Para Heleny Galati, autora do livro “Asif – Perdão”, da Editora NewBook, é complicado ter uma definição tão precisa sobre o assunto. “Definir amor é difícil. Homens e mulheres encaram esse sentimento de forma diferente. Entretanto, acredito que sim, é possível haver amor em um relacionamento virtual. Mas esse amor requer muito mais esforço, coragem e confiança dos envolvidos”, explica.

Essa crença veio após a escritora ter vivido um amor virtual, fato que a motivou a escrever o livro. Pelo desejo de descobrir coisas novas, ela aceitou no MSN um indiano e iniciou um relacionamento on-line. No início, as conversas eram sobre cultura e, aos poucos, foram se tornando pessoais. O rapaz contava como era difícil a vida em seu país, e ela também desabafava, pois se sentia infeliz e perdida depois de ter rompido um relacionamento sério.

Mesmo com a diferença de fuso horário de oito horas e meia, eles conversavam durante horas seguidas com a câmera ligada. “Todos os dias ele me acordava com um bom dia e perguntava como me sentia. E eu respondia que meu dia começava sempre bem quando suas palavras me alcançavam. Nesse processo, eu afirmo que me enamorei por mim. Comecei a me perdoar pela inércia, por ter me deixado abater pela opinião dos outros. Superei, acima de tudo, os complexos e medos. Enfim, passei a ser eu novamente”, revela Heleny, que vai lançar o segundo volume – “Asif – Superação” – para contar o desfecho da história. Para adiantar, ela não chegou a conhecer o indiano pessoalmente.

Romance virtual pode funcionar, sim! Acima de tudo, um relacionamento como esse pode lhe dar nova perspectiva sobre você. Pode ajudar a se curar. E, depois, a se abrir para o real novamente

Heleny Galati, escritora

No caso de Heleny, o resultado do amor virtual foi positivo, já que ela enxergou a dependência por outra pessoa no âmbito virtual e se libertou, transferindo o amor pelo outro para si. Mas nem sempre isso acontece. Paula Silva* que o diga. “Eu comia na frente do computador, dormia com o celular conectado e cheguei até a bater o carro ao correr demais porque tinha combinado de estar on-line com a pessoa em um determinado horário e ainda estava na rua. Só depois do acidente me dei conta da minha dependência”, conta a estudante que precisou de terapia para livrar-se dessa situação e retomar sua vida.

Para a psicóloga Sirley Santos M. Bittú, com a globalização, a correria do dia a dia e a evolução feminina, homens e mulheres estão confusos nos relacionamentos. Além disso, o ser humano tem medo de viver plenamente, seja pela violência, pelo medo de se envolver ou se magoar, e a internet parece uma possibilidade mais agradável do que a vida real. “É como uma mágica: parece que nesse terreno a possibilidade de ter um relacionamento é maior e falsamente segura, já que assim a imaginação toma conta, como se a própria pessoa criasse, verdadeiramente, um conto de fadas”, diz.

Para a terapeuta, é possível usar a internet para “ensaiar”, mas é essencial tentar ousar, vencer as dificuldades e a timidez, sempre olhando nos olhos do outro e sentindo seu toque. “O que falta nas relações virtuais é o mesmo que não existe nos chamados amores platônicos: olho no olho, fala com expressão corporal e toque como expressão de carinho e fonte de prazer. Isso, nenhum computador substitui”, declara.

Sirley não acredita que seja possível amar virtualmente porque amar implica conhecer o outro, com todas as suas qualidades e defeitos. “Pela internet conseguimos nos apaixonar pela fantasia que permeia os relacionamentos, mas amar é algo mais profundo”, diz.

A escritora Heleny Galati ensina alguns truques para evitar problemas no mundo virtual e, principalmente, no real:

  • Seja cuidadoso (a) no início, peça para ligar a câmera, cheque informações nos sites de relacionamento para saber com quem está falando.
  • Esteja atento (a) ao "tom" das conversas. Evasões podem significar mentiras.
  • Vá com calma, exatamente como faria com o cara ou a menina que acabou de conhecer na balada.
  • Grave os diálogos. Você poderá reler quando não estiver tão envolvido (a) e avaliar melhor o que está acontecendo.
  • Seja verdadeiro (a), mas nunca abra informações confidenciais ou pessoais, como endereços, telefone fixo ou algo que possa localizar você com facilidade.
  • Caso agendem um encontro, combine em um local público, de muito movimento.
  • Sexo é predominante nesses relacionamentos, então esteja preparado (o) para assédios desse tipo. Caso não queira, deixe claro e, se houver insistência, bloqueie a pessoa.
  • Ao abrir sua câmera para alguém, só o faça se o outro lado fizer também. Lembre-se de que o que estiverem fazendo na frente da câmera pode ser gravado e ir parar no Youtube. Por isso, cuidado!


*O nome foi trocado a pedido da entrevistada

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Comportamento
Topo