Comportamento

Educação e limite não traumatizam as crianças

Colaboração para o UOL

Muitos pais temem ser rígidos por medo de gerar algum trauma nos filhos. Mas o que, de fato, provoca um trauma em uma criança? “O que pode traumatizar é a falta de carinho e de atenção. Educação e limite são imprescindíveis na formação integral do indivíduo”, diz a psicóloga Maria Regina Domingues de Azevedo.

Pesquisas comprovam que autoridade é muito bom para os filhos. Entretanto há uma grande diferença entre autoridade e autoritarismo. “Este último não dá espaço para desejos, preferências e competências individuais. Regra é regra, sempre, sem conversas e sem respeito pelas diferenças individuais. Pais que foram criados desta forma tendem a criar os filhos da mesma maneira e assim traumatizam a criança no sentido de que os filhos tendem a ficar dependentes da opinião do outro, pois aprendem que suas opiniões não são boas o suficiente porque nunca foram consideradas pelos seus pais”, alerta Maria Luiza Cruvinel. O resultado? Tornam-se adultos com baixa autoestima, inseguros e indecisos diante da vida.

Abusos físicos e surras são extremamente traumatizantes. O castigo doloroso ou degradante é uma experiência muito traumática, tanto por conta do que ele significa diretamente quanto por colocar em perigo a crença da criança na benevolência do pai, que constitui a base mais firme de seu sentido de segurança. Ela pode se tornar um adulto inseguro porque na infância sua segurança dependeu de uma pessoa de quem se ressentia e que, em vez de protegê-la, agrediu-a.

A rigidez ou o autoritarismo por parte dos pais e educadores provocam na maioria das crianças o medo e a insegurança; já o exercício da autoridade acompanhada de afeto positivo costuma alcançar melhores resultados quando limites estão sendo solicitados e ensinados. “Geralmente os traumas acontecem quando as crianças sentem falta de amor e respeito por parte de quem as educa, vão desenvolvendo reações de acordo com a forma como são tratadas”, salienta a pediatra Miriam Ribeiro de Faria Silveira, presidente do Departamento de Saúde Mental da Sociedade de Pediatria de São Paulo. (Heloísa Noronha)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo