Comportamento

Especialistas indicam idade ideal para dar mais liberdade aos filhos

Thikstock
Antes de acrescentar atividades à rotina das crianças, leve em consideração o grau de maturidade delas Imagem: Thikstock

HELOÍSA NORONHA

Colaboração para o UOL

Quem convive com crianças e adolescentes sabe que cada grupo, de acordo com a sua faixa etária, possui necessidades, vontades e características específicas. Por isso, escolher o momento certo para dar mais liberdade aos jovens pode ser algo muito difícil para os pais.

Antes de definir quando acrescentar atividades à rotina, falar sobre assuntos delicados e permitir o uso de maquiagem ou idas à balada, é importante levar em consideração o grau de maturidade dos filhos.

Segundo a psicóloga e psicoterapeuta Triana Portal, de São Paulo (SP), jovens a partir de 15 anos já podem ir à escola sozinhos (a pé ou de ônibus), pois nessa idade têm mais consciência dos perigos.  “Se entrar no ônibus errado, por exemplo, saberá como parar em outro ponto e pegar a condução certa”, diz.  Já uma criança com menos de dez anos não deve nem atravessar a rua sozinha.

O transporte escolar pode ser uma alternativa para crianças com quatro anos ou mais, mas é importante analisar se o trajeto "casa-escola" é longo. “Grandes distâncias devem ser evitadas com menores de dez anos, pois a criança chega à escola estressada, cansada, irritada e pode ter seu desempenho e comportamento afetados”, explica a psicóloga.

Também por volta dos quatro anos a criança já consegue prestar atenção em filmes e desenhos por mais tempo, então ir ao cinema é um programa que pode fazer parte da rotina dos mais novos. “Vale lembrar que o ambiente escuro e o som alto podem deixá-los ansiosos, pedindo para sair da sala o tempo todo ou até mesmo para ir embora antes do término do filme”, alerta a Triana Portal.

Conversamos com alguns especialistas, que elaboraram uma lista que indica a idade ideal para iniciar dez hábitos ou atividades.
 

Ir ao teatro

Esse programa é mais dinâmico e interessante para as crianças do que ir ao cinema, pois os deixam mais tempo atentos. “Mas como envolve uma maior interação, é melhor levar o filho para assistir a uma peça a partir dos cinco anos, idade em que a criança já entende que não pode atrapalhar as outras pessoas”, ensina Tadeu Fernando Fernandes, vice-presidente do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP).

Aprender outro idioma

Quanto mais cedo a criança aprender outra língua, menos sotaque vai ter ao falar. “De um a quatro anos existe maior capacidade de assimilação e aprendizado simultâneo de mais de uma língua. As crianças aprendem com facilidade e tornam-se adultos capazes de mudar de assunto sem dificuldades”, assegura a psicóloga Triana Portal. A partir dos 12 anos fica mais difícil aprender e lidar com a fonética. Além disso, a pronúncia das palavras já não se apresenta de forma tão nítida.
  • Thinkstock

    Use o bom senso para decidir
    se seu filho pode ir à balada

Ir à balada

Vale o bom senso. Os pais devem levar em conta onde será a festa, quem são os frequentadores e se há adultos supervisionando o local. Se todos os amigos do seu filho costumam ir, deixá-lo de fora pode trazer frustração e problemas de identificação grupal. “Fique de olho, mas não proíba”, orienta Triana Portal.

Viajar com os amigos

“Pelo que acompanho das crianças, a vontade de dormir na casa de amigos surge por volta dos seis anos. E de viajar por volta dos nove”, conta a terapeuta infantil Daniella Freixo, de São Paulo (SP). A partir dos quatro anos, os pequenos já podem frequentar acampamentos na companhia de monitores e outras crianças (como irmãos e colegas de escola). Realizar viagens longas pode ser muito cansativo para os mais novos, então o ideal é esperar eles completarem 13 ou 14 anos. Antes de autorizar seu filho a viajar, é fundamental se informar sobre o destino, a estrutura do local e os amigos que o acompanharão no passeio.

Falar sobre sexo

Até os seis anos as crianças ainda não têm conceitos específicos sobre sexualidade, mas já fazem perguntas e são curiosas. Responda de forma simples e objetiva, sem rodeios e muitos detalhes. Quanto mais velha e madura a criança for, maior a capacidade de compreensão e, assim, pode-se aprofundar nas explicações. Mantenha o canal aberto para a comunicação e nunca deixe uma pergunta sem resposta. Caso seja pego de surpresa e não saiba o que dizer, seja honesto: diga que não sabe, mas que vai se informar a respeito e que lhe dará retorno.

Conversar sobre a morte

De acordo com a psicóloga Triana Portal, só a partir dos 12 anos a criança é capaz de entender conceitos subjetivos sobre o tema, mas a curiosidade vem antes disso. O adulto deve usar situações do cotidiano para explicar de forma concreta como a morte acontece. Evite explicações abstratas de cunho religioso ou fantasioso. A criança leva tudo ao pé da letra, e dizer coisas como “vovó foi viajar” ou “fulano está no hospital” pode confundi-la e levá-la a crer que todos aqueles que forem viajar nunca mais voltarão ou então que o seu cãozinho de estimação poderá voltar algum dia.

Aprender a tocar um instrumento

“É importante avaliar a motivação e a maturidade em primeiro lugar”, alerta Triana. Normalmente, espera-se que a criança esteja alfabetizada, mas existem métodos de ensino de piano e violino a partir dos três anos. Para grande parte dos instrumentos, o ensino começa a partir dos sete anos. Instrumentos de sopro, como a flauta, requerem maior capacidade pulmonar, enquanto que os de cordas, como o violão, exigem maior controle motor.
  • Thinkstock

    A maquiagem deve ser usada com cautela até a adolescência

Usar maquiagem

Garotinhas de quatro anos já são fascinadas por batom, gloss, sombras e blush. Para evitar exageros e danos à saúde, é importante verificar se o produto é hipoalergênico, se é usado de forma lúdica e se o uso é diário. “O segredo é o equilíbrio. Incentivar a brincadeira é positivo para o desenvolvimento, mas o excesso é prejudicial”, explica a psicóloga Triana Portal. O uso frequente só deve ser liberado no início da adolescência.

Usar salto alto

Segundo o pediatra Tadeu Fernandes, da Sociedade de Pediatria de São Paulo, o uso regular de salto na infância e até mesmo na adolescência é extremamente prejudicial, pois o corpo ainda está moldando a postura. “O hábito provoca o encurtamento dos músculos da parte de trás da perna, danos à coluna, dores no joelho, calosidades, joanetes e unhas encravadas, entre tantos outros possíveis problemas”, afirma. A regra, é bom ressaltar, se aplica à utilização constante. É claro que uma menina não estará submetida à “erotização precoce” porque usa um sapatinho de princesa de vez em quando.

Frequentar a academia

A natação é indicada até para bebês. Aos quatro anos, a criança adora atividades físicas grupais, por isso, é importante que os pais estimulem a prática de esportes para evitar que o filho se torne um adulto sedentário. Jogos com muitas regras são indicados para crianças com seis anos ou mais. Adolescentes devem evitar praticar musculação, pois o corpo ainda está em desenvolvimento.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Topo