Comportamento

Rival em campo, feliz em casa: amor de pai supera até torcida por time inimigo

HELOÍSA NORONHA

Colaboração para o UOL


"A gente dá amor, paga os estudos, cuida com todo o carinho... Mas quando o filho não tem juízo, não tem jeito. O meu, por exemplo, virou corintiano. Quando quero irritá-lo, o chamo de maloqueiro", brinca Manuel Rodrigues Antunes Leal, 66 anos, de São Paulo, torcedor da Portuguesa. O cineasta Rodrigo José das Neves Duarte Leal, de 29 anos, justifica a paixão como sendo um caso de amor à primeira vista. Aos seis anos, ele participou de um churrasco em que todos eram corintianos e vibravam com a partida que passava na TV. Aquele fanatismo todo conquistou o menino.

O pai bem que tentou converter Rodrigo à Portuguesa, inclusive levando-o para ver jogos no Canindé, em São Paulo. "Gostava daqueles momentos, claro, mas as partidas não me entusiasmavam", conta o cineasta. Seus irmãos Roberto, 23 anos, e Rosa Maria, 31, também torcem pelo time do parque São Jorge. "Como sei que a Portuguesa dificilmente terá um desempenho exemplar, minha maior alegria hoje é ver o Corinthians perder", assume Manuel.

Pais palmeirenses,
filhos corintianos

  • Bob Donask/UOL

    José Antonio diz que a filha é "praticamente uma mana"

  • Bob Donask/UOL

    Venceslau reclama do mau humor do filho quando o Corinthians perde

Filha fanática

Mas ele não é o único pai desolado ao ver o filho se bandear para outro time. Por mais que se esforcem comprando uniformes e levando os filhos a estádios, muitos pais veem seus pequenos serem influenciados por amigos ou pelo sucesso de outros times. O administrador palmeirense José Antonio Kairalla, 60 anos, de São Paulo, diverte-se com o fanatismo quase obsessivo da filha mais nova, Priscila, de 23 anos, pelo Corinthians.

"Ela é praticamente uma ‘mana’. Não vai a estádios, com medo da violência, mas assiste aos jogos em bares, grita, xinga, discute". Mas Priscila não é a única na família a torcer por um rival. O irmão dela, André, 30 anos, também é corintiano e a irmã, Débora, 27, torce pelo São Paulo. "Imagina o quanto eu escuto?", brinca. "O André é tranquilo, até já vimos algumas partidas juntos ao vivo, mas a Priscila me provoca", conta José Antonio. Quando o Palmeiras passou, recentemente, por uma fase ruim, ele diz que preferia ficar quieto no canto dele após os jogos, porque a filha o atiçava.

Cara feia no trabalho

Dono de uma vidraçaria no bairro paulistano de Perdizes, o palmeirense José Venceslau Nogueira Naressi, de 65 anos, trabalha com o filho Júnior, 38, que é corintiano como a mãe. Ele diz não se importar tanto com as derrotas do time alviverde. "Não gosto, claro, mas isso não me afeta", diz. Com o filho, no entanto, é diferente. Segundo o pai, Júnior fica com cara feia quando o Corinthians vai mal. "O pior é que já está ensinando ao meu netinho de quatro anos a fazer o mesmo".

"Para mim, o futebol representa cumplicidade, união. As gozações e ironias nada mais são do que uma forma de interação entre pai e filho. No fundo, é divertido", diz o comerciante santista Alberto Takanori Sunahara, 59 anos, de Sorocaba (SP). Pai do palmeirense Enzo Rafael Motinaga Sunahara, 23, ele encara sem estresse as brincadeiras, mesmo porque a filha Erika, de 25 anos, é santista e ajuda o pai na torcida.

Enzo, que até 1996 nunca tinha ido a um estádio, lembra com alegria de um clássico entre os dois times naquele ano. A família estava reunida, quando Alberto e o sogro, santistas, começaram a provocar os palmeirenses. "A discussão acabou levando todos ao Palestra para ver o clássico", diz. Na entrada, o pai comprou uma camisa e avisou Enzo: "É a última camisa do Palmeiras que te dou, porque depois de hoje você vai virar santista. O Peixe vai golear". Realmente, foi uma goleada, mas para o Palmeiras: 5 a 0. "Meu pai teve de aguentar vários palmeirenses felizes comemorando", conta.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Topo