Comportamento

Papai Noel contra a parede: o que fazer quando as crianças questionam o presente?

Thinkstock
Explicar por que o Noel dá presentes caros para alguns enquanto outros ficam sem nada não é tarefa fácil Imagem: Thinkstock

ANDRESSA ROVANI

Colaboração para o UOL

20/12/2011 07h00

Mais cedo ou mais tarde, toda criança passa a desconfiar da extensa lista de habilidades do Papai Noel. Ou porque o vizinho ganhou um brinquedo muito mais caro que o dela, ou porque o velhinho não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo ou porque ela ficou a noite toda acordada e não viu ninguém entrando pela janela. Com a curiosidade à flor da pele, a criança geralmente dirige aos pais uma pergunta à queima-roupa: por que o fulano ganhou um presente melhor do que o meu?

Explicar para o filho por que o Papai Noel dá presentes caríssimos para algumas crianças enquanto outras ficam sem nada não é tarefa fácil. Mais do que isso: para especialistas em desenvolvimento infantil, o questionamento é sinal de que a figura do Papai Noel começou a desmoronar.

Papai Noel não existe?
“Quando a criança faz essa pergunta, no fundo, já desconfia de que ele não existe. É um sinal de que está na hora de começar a lidar com a realidade”, diz a psicanalista infantil Anne Lise Silveira Scapaticci. “Os pais devem encarar a pergunta do filho como uma oportunidade para lidar com a noção de frustração”, completa a Maria Thereza França, psiquiatra e psicanalista infantil da SBP-SP (Sociedade Brasileira de Psicanálise de São Paulo).

A lenda do bom velhinho

  • Quando a criança questiona a fantasia, está dando a dica de que já começa a identificar verdade e mentira


Quando a criança traz dados da realidade, questionando a fantasia, está dando a dica de que já começa a identificar verdade e mentira. “Ela percebe que o Papai Noel faz compras na mesma loja de brinquedo que seus pais ou que o papel de presente é o mesmo que tem em casa”, conta Denise Bandeira de Melo, psicóloga da divisão de creches da USP (Universidade de São Paulo). E não é preciso um grande confronto para que a verdade venha à tona. “Aos poucos, a criança vai indicando que não precisa mais da fantasia e, que, para ela, essa crença já não se sustenta.”

Por isso, a morte da fantasia do Papai Noel não deve ser vista pelos pais como um momento triste, mas sim como um sinal de maturidade infantil. O importante é que ele tenha vivido nesse mundo de imaginação. “A fantasia tem uma função psíquica muito importante no ser humano e, por isso, deve-se sustentá-la na infância”, diz Vera Zimmermann, coordenadora do Cria/Unifesp (Centro de Referência da Infância e Adolescência da Universidade Federal de São Paulo).

Como explicar a diferença entre os presentes?
Segundo Zimmermann, os pais devem esperar que a pergunta seja feita. Questionar o presente que o outro ganhou é natural. A forma como a questão é colocada –se convicta, desconfiada ou incrédula–  já indica o estágio de inserção da criança na realidade. A resposta, portanto, deve auxiliar a criança a entender o mundo em que vive, sem destruir a fantasia do Papai Noel. Se a família passa por dificuldades ou não quer dar um presente muito caro para os filhos, a criança precisa partilhar dessa realidade, mesmo que frustrante.

"Meu presente é pior"

  • Thinkstock

    Uma saída é explicar que é a família quem paga o Papai Noel, que escolhe os presentes dentro daquela faixa de preço


A psicanalista Anne Lise Scapaticci sugere que os pais não mintam e digam aos filhos que o vizinho tem mais condições de comprar o presente do que a família dele, se esse for o caso. “É preciso que a criança tolere. Os pais precisam dizer: ‘Na nossa família, é isso o que o Papai Noel pode dar’”, afirma. Se a criança insistir, aponta Scapaticci, uma saída é explicar que é a família quem paga o Papai Noel, que escolhe os presentes dentro daquela faixa de preço.

Às vezes, o questionamento não está ligado às diferenças sociais. “Houve um caso de um menino que pediu de Natal um jogo de tabuleiro e ganhou uma bicicleta. Apesar de mais caro, o presente foi frustrante para ele”, lembra Maria Thereza França, que alerta também para o cuidado em não trocar afeto por objetos materiais. “Há pais que têm dificuldade de se relacionar com a criança e tentam se aproximar por meio do presente caro ou fora de hora. Isso favorece um padrão, estimulando a voracidade do filho. No futuro, pode provocar dificuldades em lidar com a frustração ou levar ao deficit de atenção”, diz França.

O ideal é que o presente se encaixe no padrão da família e que a criança não seja instigada a recompensar de alguma forma o presente que ganhou. “Tem pais que se endividam para dar presente”, diz Anne Lise Scapaticci. “É preciso viver dentro do que se pode, e isso exige que os pais saibam negar um presente caro à criança.”

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
UOL Estilo
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Comportamento
BBC
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo