Comportamento

Vitimizar-se não funciona no "BBB" nem fora dele

Frederico Rozário/TV Globo
Jakeline, eliminada do "BBB12" com 50,47% dos votos do público na terça-feira (24) imagem: Frederico Rozário/TV Globo

Vladimir Maluf

Do UOL, em São Paulo

Jakeline, a mais recente ex-BBB, não convenceu os colegas da 12ª edição do programa nem o público. A jovem de 22 anos teve várias crises de choro, motivadas, entre outras razões, pela saudade que dizia sentir de um galo de estimação e por não conseguir dormir sem o travesseiro que a acompanha desde o berço. Tanto choramingo resultou em uma indicação ao paredão por seus concorrentes e, consequentemente, em sua eliminação, com 50,47% dos votos do público –provando que se vitimizar incomodou participantes e telespectadores do "BBB12".

De acordo com Cecília Zylberstajn, psicodramatista e psicoterapeuta, tentar despertar o sentimento de pena pode, eventualmente, funcionar perante à família, e só. "As pessoas aprendem maneiras de agir que cabem dentro do sistema familiar. Em geral, copiam, sem perceber, o comportamento de algum parente que age assim. Em uma microcultura, de um grupo especifico, aquilo dá certo. Porém, fora de casa, as pessoas não estão acostumadas com isso e veem com maus olhos."

A psicóloga Marina Vasconcellos, também especializada em psicodrama, diz que, quase sempre, quem se faz de vítima desperta a raiva e a irritação nas pessoas, e não a compaixão. "O tiro sai pela culatra", diz. E ela afirma que essa característica costuma fazer parte de pessoas "inseguras, com baixa autoestima e que não conhecem o próprio potencial."


Autopiedade
O hábito de se fazer de coitadinho é comum, de acordo com Cecília. Na tentativa de conseguir o que desejam, essas pessoas colocam-se no papel de vítima. Mas a psicóloga enfatiza que esse comportamento não significa mau-caratismo, pois é inconsciente. "É sofrido ser assim. Nós somos felizes quando conseguimos as coisas pelo próprio esforço. Se conquistado através da pena alheia, há alegria por ter atingido o objetivo, mas tristeza pela forma como foi alcançado", diz ela.

Marina Vasconcellos concorda que algumas pessoas não percebem que se colocam no papel de vítima, mas afirma que não é uma regra. "Há algumas que fazem de propósito, sim. E, às vezes, encontram um parceiro para se relacionar que alimenta essa dinâmica, pois gosta de cuidar, tornando-se um complemento patológico para quem se vitimiza."

Marina explica que os "coitadinhos" têm dificuldade em todos os aspectos da vida, devido à postura imatura. "Ao agir dessa maneira, o indivíduo é visto como chato, de difícil convivência", afirma a psicóloga. "A autopiedade não é uma forma adulta e responsável de agir. Quem se sente uma vítima das circunstâncias não se responsabiliza pela própria vida e terá problemas nas relações profissionais, amorosas e com os amigos", afirma Cecília.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Topo