Comportamento

Especialistas dizem que é impossível passar um dia sem mentir, mas há casos normais e doentios

Jorge Araújo/Folhapress
Professora Maria Verônica Vieira, a megagrávida de Taubaté, fingiu que esperava quadrigêmeos Imagem: Jorge Araújo/Folhapress

Andrezza Alves

Do UOL, em São Paulo

06/02/2012 13h51

Ela ganhou berços e roupinhas de bebê com uma mentira tão grande quanto o tamanho da sua barriga, que era falsa. A pedagoga Maria Verônica Aparecida Santos, de 25 anos, fez com que muitos acreditassem que ela esperava quadrigêmeos. Depois de assumir a mentira, ela alega problemas psicológicos. "É possível que ela tenha a fantasia de ser mãe de muitos filhos", diz o psiquiatra de Porto Alegre Abelardo Ciulla, membro da ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria). "Se a mentira tem o caráter inicial de fazer mal ou levar a um ganho próprio, é uma sociopatia. Senão, é caracterizada como mitomania, a mentira patológica". Mas o que é mitomania? O UOL Comportamento conversou com especialistas para entender.

Mentiras sociais X prejudiciais
É impossível terminar o dia sem ter contado uma mentirinha. Ainda que seja dizer que a sua namorada não engordou, mesmo ela tendo ganhado uns quilinhos, ou que é incrível aquela tarefa insuportável que seu chefe te pediu. Essas são as chamadas mentiras sociais, sem maldade, que são essenciais para evitar conflitos. Já o mentiroso mau caráter está sempre à procura de algum benefício. "Esse tipo usa histórias inventadas para conseguir um ganho material ou emocional e não sente culpa se prejudicar outras pessoas", afirma a neuropsicóloga Andrea Bandeira, do Rio de Janeiro.

Mitomania
Quem sofre de mitomania não fantasia histórias visando o lucro. Segundo Andrea, a mitomania não faz parte da classificação de doenças mentais, ficando mais próxima de um transtorno que acomete pessoas com características de baixa autoestima e/ou que passaram por algum trauma.  “A pessoa se sente inferiorizada e tem a necessidade de 'pintar' as coisas com uma mentira que ela gostaria que fosse verdade”, diz Abelardo Ciulla. Para o psiquiatra Elie Cheniaux Júnior, professor adjunto na UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) e membro da ABP, o mitômano é sempre o protagonista de histórias heroicas. "Alguns autores dizem que ele sabe que conta uma mentira, outros dizem que ele acaba se convencendo de que aquilo é verdade."

O coitadinho
Há também quem conte grandes mentiras trágicas, assumindo o papel do coitadinho, de doente. “Isso se deve a uma necessidade de atenção, afeto e carinho”, afirma o psiquiatra Ciulla. “Ou a pessoa sempre foi carente ou passou por uma situação traumática na vida”. Para o psiquiatra Cheniaux Júnior, as mentiras negativas não fazem parte de um quadro de mitomania. “Pode ser diagnosticado como transtorno factício, no qual o indivíduo mente relatando que tem uma doença ou sintomas falsos."

Mentirinha de criança pode ser um sinal?
"A mentirinha começa na fase dos 5 ou 6 anos, quando a criança começa a criar histórias", diz o psiquiatra Abelardo Ciulla. Segundo ele, é possível identificar sinais da mitomania em uma criança, mas é preciso muito cuidado. “Ela pode mentir mais do que as outras apenas por ser mais criativa”, afirma ele. Para a neuropsicóloga Andrea Bandeira, a mentira comum da criança é inventada a partir de uma fantasia que ela cria. “Quando há um enredo com diversas pessoas, a mentira dura muito tempo e a criança se comporta como se aquilo fosse real, é bom ficar atento", diz ela.

Como ajudar um mitômano?
Como é possível que o mitômano realmente acredite nas mentiras que conta, o ideal é que ele mesmo procure ajuda –o que nem sempre acontece. Abelardo Ciulla tem pacientes que o procuraram ao perceber que a situação da mentira se torna insustentável. "Eles vêm com uma sensação de culpa ao se dar conta de que mentem em qualquer situação e depois precisam sustentar as mentiras”, afirma. Segundo ele, mais do que resolver o problema das mentiras, os pacientes o procuram para entender quais foram os traumas pelos quais passaram a ponto de impedi-los de encarar a realidade.

Tem tratamento?
Há tratamento para a mitomania, mas não específico. Como é um sintoma de outros problemas, é importante entender quais os motivos que levam a pessoa a mentir antes de ajudá-la. “Muitas vezes a mentira está associada a um quadro psiquiátrico de depressão, por exemplo, que leva a uma baixa autoestima”, diz Abelardo Ciulla. Por isso é necessário acompanhamento psiquiátrico e, se for necessário, com medicamentos para a doença que desencadeou o quadro. "Precisamos usar a técnica de confrontação da mentira, mas também trabalhar a fragilidade emocional que levou a pessoa a ter esse comportamento", diz Andrea Bandeira. Com um bom tratamento, acabam-se as mentiras –e os problemas trazidos por ela.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Opiniões Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
BBC
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Ísis
Redação
Blog da Morango
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Topo