Comportamento

Brincar na infância é mais importante do que atividades extras, dizem especialistas

e-Vision
Inglês, informática e natação são importantes para as crianças, desde que isso não as impeça de brincar Imagem: e-Vision

Simone Cunha

Do UOL, em São Paulo

23/02/2012 07h00

Se você acredita que a agenda do seu filho precisa ser recheada de atividades extracurriculares, cuidado. Na ânsia de oferecer o melhor, você pode estar exagerando na dose, afinal, criança precisa de tempo livre. “Brincar é tão importante para a criança quanto alimentar-se, dormir, ir à escola. As crianças adquirem experiência brincando e elaboram vários sentimentos. Brincando, as crianças dominam os impulsos e dão escoamento à angústia. Brincar favorece a espontaneidade, que a acompanhará por toda a vida”, afirma a psicóloga Cynthia Boscovich.

Para a psicopedagoga Silvia Amaral de Mello Pinto, conselheira e membro titular da Associação Brasileira de Psicopedagogia, na hora de escolher uma atividade extracurricular para a criança, os pais devem se preocupar com com a qualidade, não com a quantidade. "Avalie o bem-estar e o benefício que determinado curso pode oferecer. E observe se o seu filho aguenta tal responsabilidade", diz Silvia.

Outra dica importante é manter o diálogo com a criança. "Qualquer escolha tem de ser negociada. Hoje, cada vez mais cedo, elas conseguem se expressar. E se perceber que seu filho não está aproveitando, melhor adiar para outra oportunidade”, diz o psicólogo Fernando Elias José, mestre em Cognição Humana na PUC-RS. Antes de terminar de ler a reportagem, faça o teste* e avalie se o seu filho tem tarefas demais.

 

Estresse infantil

A sobrecarga pode atrapalhar o desempenho das crianças e comprometer a sua saúde. "Nem todas as crianças dizem o que não está bem ou percebem que estão sobrecarregadas, fator causador de estresse", afirma a psicóloga Cynthia Boscovich.

Portanto, é importante ficar atento a alguns sinais. Crianças irritadas, chorosas, deprimidas ou agressivas podem estar enfrentando uma estafa.

"Além disso, o estresse pode levá-las a desenvolver sintomas físicos: inflamações, infecções e problemas de pele”, conta a psicóloga.

Uma criança sobrecarregada pode não adquirir autonomia e criar dependência. Para corrigir o problema, basta aliviar a sua agenda. "Elimine as atividades extras e deixe-a com mais tempo livre. Isso sempre melhora o quadro de estresse", diz a psicopedagoga Maria Irene Maluf.


De acordo com a psicopedagoga Maria Irene Maluf, o pediatra também deve ser consultado. “O médico pode orientar se a atividade é adequada à idade da criança”, diz. Ela comenta que uma atividade complementar vai preparar o indivíduo para viver em sociedade, além de contribuir para o desenvolvimento físico e intelectual. “Mas é importante não preencher a agenda da criança com tantas regras. Ela precisa ter tempo para fazer a lição de casa, para brincar e até para não fazer nada”, avalia Maria Irene.

Participe mais
Com a correria diária, falta tempo aos pais para brincar mais com seus filhos. No entanto, isso é muito importante, pois transmite segurança às crianças. “A intermediação do adulto é indispensável. Não adianta diminuir as atividades extracurriculares e deixar a criança em frente à TV, computador ou videogame por horas”, diz Maria Irene. Conte histórias, mostre desenhos, assistam a um filme, brinquem... "Os pais que conseguem reservar um tempo para os filhos têm mais facilidade em descobrir seus talentos e encaminhá-los para atividades que o agradem."

Também não vale colocar seu filho em atividades que você gostaria de ter feito na infância. "Isso é perigoso, pois a criança pode não ter talento para tal aula e sentir-se segregada", afirma Silvia. Isso também pode ocorrer quando a criança não tem espírito competidor, por exemplo, e os pais o colocam em uma atividade esportiva coletiva. “Cuidado. Não exponha seu filho. Se ele não se adapta a um esporte coletivo, procure estimular sua habilidade individual".  E nada de exigir apenas os melhores resultados e fazer comparações entre crianças.

Não existe regra para escolher a atividade das crianças, pois cada ser é único. Portanto, na hora de decidir, observe-o e dialogue bastante, além de consultar seu pediatra e seu educador: dois profissionais que poderão te ajudar a fazer a melhor escolha. Para facilitar, veja essas dicas:

* O teste foi elaborado com consultoria da psicopedagoga Maria Irene Maluf e não tem valor científico.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Comportamento
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Topo