Sexo

Mulheres têm dois tipos de orgasmo? Saiba o que é mito e o que é verdade sobre esse assunto

Thinkstock
A mulher não tem dois tipos de orgasmo, mas pode atingi-lo de duas maneiras Imagem: Thinkstock

Cléo Francisco

Do UOL, em São Paulo

21/06/2012 09h00

Mesmo com a liberdade sexual conseguida pelas mulheres nas últimas décadas, os caminhos para a conquista do prazer e do orgasmo continuam um mistério para muitos. Algumas ideias prevalecem, como a de que existem dois tipos de orgasmo e que um é melhor do que o outro. Foi Sigmund Freud o primeiro a fazer essa divisão, ao considerar que a mulher que se excitava com manipulação do clitóris na juventude deveria, com o amadurecimento, ter orgasmo vaginal. "Para ele, mulher que não tivesse o orgasmo obtido com penetração era considerada imatura", afirma a ginecologista e sexóloga Jaqueline Blender, de Porto Alegre.

Hoje, sabe-se que orgasmo é um só, como explica a ginecologista e sexóloga Glene Rodrigues. "Ele ocorre no cérebro e se manifesta através de contrações seguidas pelo relaxamento do corpo, com maior intensidade na região da pelve e extremidades como pés e mãos. A sensação é uma só, não há dois tipos de orgasmo. O que existe são locais diferentes que vão estimulá-lo", diz a especialista, explicando que se convencionou chamar de vaginal ou clitoriano o orgasmo atingido pelo estímulo de uma ou outra região. 

  • Thinkstock

    A maioria das mulheres atinge o orgasmo através da estimulação do clitóris, e não com a penetração


Como a diferença está em como chegar ao orgasmo, dizer que um é mais intenso ou prazeroso do que o outro é um mito. De acordo com Glene Rodrigues, tanto um quanto o outro podem ser leves ou intensos, dependendo do grau de excitação do momento. "Não depende do local de estímulo. Isso vale tanto para o vaginal quanto o clitoriano", afirma a médica. A dúvida é frequente porque a maioria das mulheres chega ao orgasmo pela estimulação do clitóris.

"Cerca de 30% das mulheres têm orgasmo vaginal. O clitoriano é o mais comum, por ser um órgão externo, com o qual elas têm contato desde a infância. A sensação é mais fácil de ser percebida", afirma Glene. "Cada mulher tem de saber como funciona sua sexualidade. Se ela tem o clitoriano, esse é o melhor orgasmo para aquela mulher, e o mesmo vale para o vaginal. Há as que só têm um dos dois e as que têm ambos", explica a médica. Então, seria essa uma mulher privilegiada, certo? A resposta é não, de novo. "Ser privilegiada não depende do tipo de orgasmo, mas de encontrar o parceiro que se adapte ao tipo de orgasmo que a mulher tem", diz Glene

A insistência no orgasmo vaginal
Por desconhecimento de como funciona a sexualidade feminina, muitos homens exigem que suas mulheres tenham o orgasmo vaginal. "A mulherada insiste nesse orgasmo quando o parceiro cobra porque quer agradá-lo", diz Glene Rodrigues. Mas apenas a penetração não é garantia de prazer. "Para eles, é difícil ouvir isso, mas penetração sozinha é um estímulo muito pobre. Para a maioria das mulheres, o clitóris é o personagem principal para dar prazer”, explica Cristina Romualdo, psicóloga, terapeuta sexual e autora do livro Masturbação (Expressão & Arte editora).

A função do clitóris

O clitóris só tem uma função no corpo feminino: ser fonte de prazer. "Considerando o corpo masculino e feminino, a região do clitóris é a mais ricamente enervada. Não existe nenhum outro órgão no homem que tenha o mesmo número de terminações nervosas", explica Jaqueline Blender.

De acordo com a psicóloga e sexóloga Ana Canosa, toda mulher está apta a ter orgasmo com a estimulação do clitóris. "Desde que ela não tenha nenhum problema anatômico nessa área nem questões psicológicas como de repressão, por exemplo, que bloqueie o prazer".

Descartados esses problemas, a questão é sentir-se à vontade para tocar o próprio corpo, descobrir o tipo de toque que dá prazer e guiar o parceiro. "Elas precisam pegar na mão dele e mostrar a intensidade, pressão, rapidez, como é a estimulação que a satisfaz", diz a terapeuta sexual Cristina Romualdo. E a mesma atitude serve para o sexo oral. "A mulher tem de falar como gosta, o que fazer e o que não curte", diz ela.


O orgasmo clitoriano pode ser confundido com o vaginal. "O que observamos é que, quando a mulher tem orgasmo com penetração, pode acontecer ao mesmo tempo a estimulação do clitóris pelo órgão masculino. Portanto, o clitóris é que foi estimulado", conta Ana Canosa. O orgasmo vaginal é aquele que não tem estímulo do clitóris.

"Ele é mais difícil porque essa região não tem tantas terminações nervosas quanto o clitóris. A maioria dessas terminações está no primeiro terço da vagina". O tão discutido ponto G estaria nessa região. Seria uma saliência atrás do osso púbico. "Ele favoreceria o orgasmo vaginal. Há estudiosos que defendem que ele seria a raiz do clitóris e que algumas mulheres o teriam mais proeminente, o que daria mais prazer. Mas essa ainda é uma questão muito controversa", afirma Ana Canosa.

Quer tentar?
Para as mulheres que queiram tentar o orgasmo vaginal talvez seja interessante a "manobra da ponte", que consiste, basicamente, em estimular o clitóris antes e durante o coito. “É melhor que a mulher faça isso porque o homem acaba concentrado na penetração. Quando ela perceber que está perto do orgasmo, tira a mão para perceber se consegue que apenas a penetração dispare orgasmo", diz Ana.

Mas lembre-se: o orgasmo vaginal não é imprescindível para a satisfação de nenhuma mulher. "Ele não torna nenhuma melhor que a outra. O que faz uma mulher boa de cama é a capacidade de dar e receber prazer", afirma Glene.

INFOGRÁFICO: CLIQUE NA IMAGEM E EXPLORE OS PONTOS ERÓGENOS

  • Arte/UOL

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Topo