Relacionamento

Casamento com um bissexual pode dar certo se houver amor

TV Globo/Raphael Dias
Com transparência, é possível ter relação saudável com um bissexual, segundo especialistas Imagem: TV Globo/Raphael Dias

Heloísa Noronha

Do UOL, em São Paulo

25/06/2013 07h10

Os telespectadores que acompanham "Amor à Vida" sabem o quanto é complicada a relação entre Edith (Bárbara Paz) e Félix (Mateus Solano), de quem ela sempre cobrou mais fogo e paixão, principalmente na cama. Apesar de o vilão ter confessado sua atração por homens, também mostrou que não queria perder a mulher quando ela ameaçou pedir o divórcio. O relacionamento, portanto, não se desfez por inúmeros motivos: manter as aparências, trocas de interesses, segredos de família, mas, também, carinho e cumplicidade.

Em alguns momentos da trama de Walcyr Carrasco, há a impressão de que Félix nutre algum tipo de sentimento sincero pela mulher. Seria ele bissexual? Ficção à parte, não é tão raro encontrar casais formados por um hétero e um bissexual que conseguem construir uma vida a dois.

Conforme observações clínicas da psicóloga Raquel Fernandes Marques, o desejo afetivo/sexual do bissexual tende mais para a heterossexualidade ou para a homossexualidade em determinadas fases da vida.

"Na adolescência e no início da fase adulta, os relacionamentos bissexuais são mais frequentes. Depois, surge o desejo de constituir família, ter filhos e então os casamentos heterossexuais são mais comuns". 

  • TV Globo / Estevam Avellar

    Em "Amor à Vida", Edith (Bárbara Paz) vive união complicada com Félix (Mateus Solano)

Nessa fase, é possível viver um casamento feliz, pois, em geral, o bissexual se sente realizado dentro de uma relação heterossexual. O desejo por pessoas de mesmo sexo aparece como secundário ou nem aparece, segundo ela.

"Logo, esse casamento pode dar certo, ou não, em função de vários outros fatores que não a bissexualidade -esta pode se transformar em um problema quando o desejo homossexual voltar à tona e a sua supressão começar a trazer sofrimento", declara Raquel.

Para a psicoterapeuta Carmen Cerqueira Cesar, uma relação entre um "bi" e um hétero é viável, sim, quando existe amor e, sobretudo, sinceridade. "Tem de haver transparência para dar certo. O parceiro hétero tem de saber de tudo, porque se descobrir a bissexualidade do outro depois do casamento se sentirá traído, e com razão", afirma.

Ela diz que alguns bissexuais escolhem a relação heterossexual por amor e optam por sublimar o outro lado –ou o vivem apenas na fantasia, por meio de filmes, da internet etc. "Mas há os que procuram parceiros fora do relacionamento. Se esse for o desejo, o ideal é jogar aberto e combinar antes para ver se o outro topa", declara.

Há casais que lidam com muita naturalidade com essas questões, pois a autoestima, a autoconfiança e o autoconhecimento de ambos e do que representa a relação proporcionam segurança e lealdade, permitindo que vivam felizes conforme regras próprias, claras e bem definidas.

"Casamentos, sejam de qual tipo forem, não se sustentam apenas pela sexualidade, mas por vários outros fatores", diz o psicólogo Klecius Borges, especialista em terapia afirmativa para gays, lésbicas, bissexuais e seus familiares e autor do recém-lançado "Muito Além do Arco-Íris – Amor, Sexo e Relacionamentos na Terapia Homoafetiva" (Edições GLS).

Segundo Klecius, as dificuldades encontradas por casais formados por um parceiro bissexual e o outro heterossexual costumam ser as mesmas dos pares convencionais: ciúme, insegurança, rotina, libido em baixa, autoestima frágil etc.

"São problemas que costumam ocorrer quando o bissexual não lida de forma saudável com sua orientação sexual, tentando escondê-la ou sentindo vergonha e culpa. Isso pode causar muito sofrimento ao parceiro e criar uma situação de desconfiança". 

 

 

Segundo a psicóloga Sandra Samaritano, os principais inimigos dessa relação são a ausência de diálogo e a falta de cumprimento da proposta individual de cada um. "Essas questões podem gerar fantasias que provocam ciúme, insegurança e, muitas vezes, infidelidade".

A terapeuta sexual Arlete Girello Gavranic alerta para o fato de que muitas pessoas –em grande parte, mulheres– embarcam nesse tipo de relacionamento a fim de encarar um desafio pessoal. "Elas querem exercer a autoafirmação do seu poder sensual ao tentar converter o marido à heterossexualidade", diz. Negar a realidade, seja qual for a situação, é o primeiro passo para condenar a união ao fracasso.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Comportamento
Redação
do UOL
Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
UOL Estilo
Comportamento
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo