Relacionamento

Você sente saudade ou tem obsessão pelo 'ex'? Entenda a diferença

Lumi Mae/UOL
Algumas pessoas não conseguem digerir a frustração amorosa, buscam uma reconciliação, vigiam as redes sociais do "ex" e começam até mesmo a persegui-lo Imagem: Lumi Mae/UOL

Heloísa Noronha

Do UOL, em São Paulo

02/01/2014 08h49

Há diferentes formas de encarar uma rejeição amorosa. Algumas pessoas, dotadas de boa autoestima e capacidade de resiliência, transformam o fim em recomeço. Em vez de guardar e alimentar rancor pela antiga paixão, filtram as lembranças e procuram guardar somente os momentos bons na memória.

Outras, no entanto, não conseguem digerir a frustração amorosa. Recusam-se a aceitar que a relação acabou, desenvolvem um sentimento de posse pelo "ex" ou pela "ex" e não conseguem e nem querem esquecê-lo.

Telefonemas e e-mails implorando por uma reconciliação, vigília nas redes sociais e até na porta de casa ou do trabalho são algumas atitudes típicas. Mesmo que o outro deixe bem claro que não há chance de volta, não tem jeito: a pessoa desenvolveu uma obsessão, comportamento que pode atrapalhar todas as esferas de sua vida.

Thinkstock

Motivos que levam à obsessão

De acordo com a psicóloga e terapeuta de casais Triana Portal, o perfil mais comum é o de quem sofreu várias perdas, decepções amorosas em série, traições, mas, principalmente, falta de amor dos pais na infância. "São indivíduos que apresentam uma estrutura emocional frágil, com baixa autoestima, carência e insegurança", afirma.

Segundo a psicóloga Raquel Fernandes Marques, as obsessões também estão relacionadas à ansiedade criada em resposta a uma situação muito estressante, esmagadora e dolorosa.

De acordo com ela, uma frustração amorosa, uma família desestruturada ou ambientes de trabalho nocivos podem causar excesso de ansiedade. "A pessoa pode ficar comprometida emocionalmente e tentar buscar uma saída para fugir dessa realidade. Sendo assim, a obsessão se associa a um desejo intenso e à necessidade de preenchimento dessa privação".

Para sobreviver ao fim da relação, há quem crie um mundo irreal, com fantasias que preencham esse vazio. Em vez de seguir em frente, a pessoa passa dias e noites pensando em seu "ex", fazendo perguntas aos amigos, ouvindo músicas ou lendo bilhetes de quando estavam juntos.

thinkstock

A obsessão costuma ser determinada pelo ciúme. É um amor que alterna entre momentos de prazer e de sofrimento e que empurra a pessoa para situações doentias, como perseguir o antigo parceiro ou parceira. Nada mais interessa.

A psicóloga e educadora sexual Ana Canosa explica que obsessão é uma ideia fixa que volta à mente o tempo todo e interfere na racionalidade. "Muitas vezes, a obsessão está acompanhada de estratégias para finalidades específicas, como fazer o 'ex' voltar a qualquer custo, acabar com sua nova relação ou simplesmente prejudicar sua vida. Mas, às vezes, nem existe de fato a intenção de reatar, o objetivo maior é destruir", afirma.

Obsessão x saudade

Sentir saudade de um relacionamento é natural e diferente da obsessão. É a memória de algo que aconteceu e que dificilmente voltará a acontecer da forma como foi. É a mistura dos sentimentos de perda, falta e amor.

"A saudade não abala a razão com facilidade. Você tem saudade da pessoa, das situações que viviam, da voz, do beijo, do abraço. É um sentimento que envolve carinho, ao contrário da obsessão, que se torna um aprisionamento", diz Ana Canosa. Segundo ela, quem tem saudade reconhece o outro como alguém com vontade própria. A pessoa obcecada, por sua vez, é codependente e ainda não amadureceu.

Como se livrar da obsessão?

Se não combatida, há o risco de que a obsessão se torne perigosa, com diversos sintomas físicos e psíquicos. Muitas pessoas se envergonham ou se culpam por determinadas atitudes, podendo sofrer de ataques de pânico, dificuldades de concentração, depressão ou distúrbios alimentares e de sono. O estresse constante gera irritação, acessos de raiva e agressividade. Nos casos mais extremos, também podem ocorrer pensamentos suicidas ou homicidas.

Se você se identificou com as características obsessivas e quer se livrar desse quadro, o primeiro passo é contar com o apoio de amigos e familiares. Obsessões e compulsões podem consumir a vida da pessoa até levá-la ao isolamento social. Ao envolver outras pessoas, você se protege contra retrocessos e mantém a motivação em alta.

Em segundo lugar, tenha em mente que o processo não será fácil, mas é algo possível. Trabalhe ativamente para eliminar os comportamentos compulsivos, desafio que exige compromisso e prática diária.

"Uma boa ideia é praticar técnicas de relaxamento, como yoga, meditação, alongamento e respiração profunda. Elas aliviam o estresse e podem ajudar a reduzir os sintomas da ansiedade provocada pela obsessão", diz a psicóloga Raquel Fernandes Marques.

As redes sociais ajudam a alimentar o comportamento obsessivo. Normalmente, as pessoas obcecadas não desenvolvem suas próprias relações, pois concentram todas as suas energias em vigiar a vida do "ex". Também não aceitam que o antigo parceiro desenvolva nenhuma atividade que fuja ao seu controle total e absoluto e por isso se tornam "stalkers" (perseguidores, em inglês). 

"A pessoa obcecada tem nas redes sociais combustível para sua obsessão. A cada foto ou post publicado ele é alimentado e, como em um vício, fica cada vez mais ansioso e preso. A pessoa busca incessantemente controlar o ex-parceiro, mesmo que virtualmente, para que ele não escape", diz Triana Portal.

É essencial, então, manter uma certa distância, se possível, ou evitar vasculhar a rotina do "ex". E é importante lembrar que, se o outro está tocando a própria vida, você deveria fazer o mesmo.

Buscar atividades prazerosas que amenizem a ansiedade e distraiam a mente e se valorizar, lembrando-se de realizações, capacidade e habilidades, também são formas de desviar a atenção do outro e tomá-la para si. "Toda vez que se sentir à beira de uma recaída, pensando em ligar para o 'ex' ou espionar a rotina dele, tente refletir sobre seu próprio valor, pensar na vida antes do relacionamento e vislumbrar um futuro mais feliz", diz Triana.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
UOL Estilo
Comportamento
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo