Relacionamento

Casal que se ama, mas não se entende, deve terminar?

Orlando/UOL
Os opostos se atraem, mas as diferenças, no futuro, acabam gerando brigas Imagem: Orlando/UOL

Heloísa Noronha

Do UOL, em São Paulo

16/01/2014 07h37

Um ama praia, o outro prefere o campo; um adora se jogar na balada, o outro faz o estilo caseiro; um não abre mão de um bife mal passado, o outro vive à base de folhas; um ouve pagode, o outro sabe tudo de rock’n’roll... Apesar das diferenças, há casais que são completamente apaixonados e se entendem bem na cama.

O problema é que os gostos e os estilos distintos provocam desavenças, irritação e dúvidas: com tão pouca coisa em comum, essa relação tem futuro? Vale a pena continuar a batalhar para dar certo ou é mais prudente (e inteligente) romper antes que se magoem profundamente?

Segundo Juliana Bonetti, psicóloga especializada em sexualidade, essa é uma situação bem delicada e que precisa ser avaliada com cuidado. "Ter química sexual e sentir amor pelo parceiro são itens extremamente importantes para se manter uma relação, mas não são suficientes para fazer com que ela perdure", diz.

Ela explica que o que faz uma união se sustentar por muitos anos é um conjunto de fatores, entre os quais a admiração mútua, objetivos de vida em comum e, principalmente, afinidades, pois são elas que desarticulam brigas e discussões.

"Levar um relacionamento conflituoso até é possível, mas à custa de muito sofrimento. A partir do momento que é preciso batalhar para salvar um romance, é preciso questionar se ele ainda tem chances de se recuperar. Mesmo que a química sexual seja forte, tem prazo de validade se o casal não tiver boa comunicação e respeito pela relação", declara a psicóloga.


Na prática os opostos se atraem, mas na vida em comum as contradições se acirram e um passa, então, a tentar modificar o outro. "As diferenças deveriam diminuir com o convívio, mas isso não costuma acontecer por causa do medo de ver o encantamento amoroso desaparecer. Afinal de contas, os namorados se sentiram atraídos por serem pólos opostos. Se ficarem parecidos, não acabará o amor?”, pergunta a psicóloga Raquel Fernandes Marques. E aí os casais convivem por anos, sempre se desentendendo e procurando fazer do outro um semelhante. E só conseguem agravar as diferenças e piorar as brigas.

De acordo com Raquel, a principal causa do magnetismo entre opostos é a falta ou a diminuição da autoestima. “Quando não estou satisfeita com o meu modo de ser, procurarei alguém que seja completamente diferente de mim. Com o tempo, o que suscitava admiração se tornará fonte de irritação”.

No dia a dia, as diferenças desagradam, dificultam a vida, criam barreiras e resistências cada vez maiores. Os opostos se atraem, mas nem por isso combinam: pessoas muito diferentes vivem brigando e se irritando uma com as outras; temperamentos e gostos antagônicos dificultam a vida em comum, em especial quando o casal decide viver junto. Como encaminhar a educação dos filhos se os pontos de vista são tão diferentes? Como planejar a economia doméstica, a ordem dentro de casa, as viagens de férias? São fatores que devem ser ponderados.

Thinkstock

Conheça-se melhor

Mais do que amar muito o outro, é preciso se conhecer muito bem para driblar as diferenças. "Saber o que realmente lhe faz mal e o que só é um comportamento diferente do seu é o primeiro passo para fazer acordos em um relacionamento. Com autoconhecimento, você identifica o que quer e o que não quer para si e negocia a continuidade da relação, respeitando ambas as partes", diz Raquel Fernandes.

Para um relacionamento dar certo, é importante que você saiba até que ponto você ficará bem abrindo mão do que acredita. Antes de negociarem algo, é preciso que os dois entendam que até os mais parecidos têm suas diferenças. Mesmo que vocês entrem em um acordo, o outro continuará se sentindo de um jeito diferente, mas isso não deve interferir no respeito mútuo.

Entendido isso, outro passo para uma é nunca perder o controle ou se exaltar quando defender sua opinião. "Uma boa forma de fazer isso é desenvolvendo a capacidade de colocar limites, expressando o 'não' quando ele for necessário e sem sentir culpa", diz Raquel.

Para Cristiane Moraes Pertusi, psicóloga especialista em Desenvolvimento Humano pela USP (Universidade de São Paulo), outro passo importante nesse processo de autoconhecimento é compreender que todos nós levamos para os relacionamentos a bagagem emocional de questões não resolvidas de relações passadas. “Isso inclui, em especial, problemas pendentes com pais e irmãos", conta. Analisar o próprio histórico familiar ajuda muito a entender por que determinadas coisas irritam tanto no parceiro.

Diálogo

Muitos romances promissores chegam ao fim porque as pessoas não se esforçam para conversar. A principal atitude, logo que surge um problema, é fechar a cara e não querer papo. O orgulho toma conta das pessoas que, mesmo sofrendo, não dão o braço a torcer.

São comuns frases do tipo: "você sabe do que estou falando", "não preciso dizer o que você sabe que aconteceu", "não estou chateado, apenas não quero conversa". É necessário, portanto, partilhar sentimentos, dúvidas e desejos. E isso não se resume a casais que brigam constantemente.

“Os que vivem em harmonia também estão sujeitos a deixarem o amor escapar aos poucos pela falta de comunicação. Acham que tudo está tão bem que não é necessário conversar sobre si mesmos e sobre seus anseios. O que falta a muitos casais é habilidade para discutir as diferenças e resolvê-las", afirma a psicóloga Raquel. 

Semelhan

thinkstock

A abertura ao diálogo, o autoconhecimento e o exercício da flexibilidade, muitas vezes, não são o bastante para fazer a relação engrenar, mesmo que haja amor e desejo. Quando um não consegue se adaptar de jeito nenhum ao estilo de vida do outro, talvez seja a hora de partir para a outra.

"Tudo depende do que significa dar certo para cada um. Existem pessoas que permanecem em relacionamentos infelizes e acham que é isso quer dizer ‘dar certo’. Na minha opinião, estilos de vida muito diferentes ao ponto de um não se adaptar de jeito nenhum ao do outro não favorecem a relação", fala Julia Bonetti.

Para o psicólogo especializado em relacionamentos Alexandre Bez, o momento de romper surge quando há uma ação agressiva. "Quando um dos dois demonstra que pode ir muito além, é uma situação muito delicada. E relacionamentos em que a possessão e o ciúme estão por trás das brigas dificilmente têm final feliz", diz.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
"Fui marmita de traficante"
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Opiniões Estilo
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Topo