Comportamento

Tornar irmão mais velho responsável pelo caçula é prejudicial para ambos

Getty Images
Caçulas cuidados por mais velhos passam a se colocar como dependentes, inclusive na maturidade Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Do UOL, em São Paulo

02/05/2014 08h05

Vivemos uma época marcada por novos modelos e configurações familiares. Nada mais natural, então, que mesmo nas famílias tidas como convencionais os papéis tradicionais de pai e mãe enfrentem mudanças em suas atitudes e necessidades. Essas transformações, obviamente, também atingem os filhos e a relação que mantêm entre si.

Existem crianças que antes mesmo de chegar à adolescência são "recrutadas" para cuidar dos irmãos menores. Esse tipo de comportamento é correto? Difícil rotular como “certo” ou “errado” uma situação que se mostra de maneira tão diferente em cada lar. Até porque, é uma dinâmica muito comum, já que não é sempre que os responsáveis têm condições de convocar alguém para cuidar dos filhos ou colocá-los em uma creche.

Na prática, famílias incapazes de cumprir suas funções emocionais e econômicas se omitem da função educadora e transferem aos filhos mais velhos deveres de adulto. “É uma situação que, para o primogênito, oferece ganhos questionáveis em termos de competência e responsabilidade. Por outro lado há perda da liberdade e do tempo livre. Já para os filhos mais novos, os benefícios se relacionam à socialização e companheirismo oferecidos pelos mais velhos”, explica a psicóloga cognitivo-comportamental Mara Lúcia Madureira. Mas pode-se também estabelecer uma relação de codependência com sequelas graves na idade adulta.

Há uma linha tênue que separa o limite entre um cuidado que pode ser positivo e o abuso que esse pedido pode trazer. Um bom exemplo é quando o irmão mais velho deixa de fazer algo que gosta porque precisa se ocupar do mais novo.

“É uma conduta que pode levar a um amadurecimento precoce, sem contar que o primogênito pode imaginar que se os pais não podem cuidar do filho menor, então, quem cuidou dele quando era pequeno? A imaginação infantil pode ir a mil”, explica Marcelo, psicanalista e terapeuta familiar Marcelo Lábaki Agostinho, do IP/USP (Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo)

Um ponto a ser observado é o quão constante é essa solicitação. “Uma coisa é uma mãe pedir para o filho mais velho ficar de olho no menor enquanto ela toma um banho; outra bem diferente é ela pedir que cuide dele durante horas”, diz Marcelo.

Papéis bem definidos

Independentemente da configuração familiar, é fundamental que os papéis estejam bem definidos. “Aos pais cabe cuidar, estabelecer e fazer cumprir regras de convívio familiar, oferecer suporte afetivo e transmitir valores que garantam a sobrevivência e adequação de seus membros na coletividade”, fala Mara Lúcia. Irmãos devem brincar entre si e aprender uns com os outros.

De acordo com os especialistas, o mais velho pode, sim, cuidar do caçula, desde que ele não se torne 100% responsável pelo outro – pois essa não é sua função. “Cuidar pode ser uma forma lúdica de estar com o irmão menor e até uma ação educativa, pois traz a ideia de que ele tem a capacidade de cuidar do outro”, diz Marcelo.

Para o psicólogo Ted Feder, da empresa Carevolution, de São Paulo (SP), o fato de pedir ajuda esporádica não exime os adultos de manter uma supervisão. “Cabe aos pais, quando solicitarem ao mais velho cuidar do menor, explicar bem o motivo e conversar. É preciso ouvir o primogênito e entender sua resistência, dúvidas e angústias. O mesmo deve ser feito com o menor, para que a situação contribua e não cause conflitos e sofrimento à família”, afirma.
 


Riscos e consequências

Pais que insistem em comportamentos displicentes e abusivos podem provocar, mesmo sem querer, consequências desastrosas para a vida dos filhos. Há o risco, por exemplo, de o irmão menor passar a sempre se colocar como dependente do mais velho, inclusive na maturidade. Outra possível situação é o mais velho, sem se dar conta, manter o menor como alguém que precisa sempre ser cuidado, dificultando o amadurecimento do mesmo. 

Na melhor das hipóteses, o caçula pode desenvolver afeição e identificação paternas em relação ao irmão e, na pior, aprender a pensar que todos da família estão no mundo para servi-lo permanentemente. Ou, ao se sentir um peso para o primogênito, ter dificuldades em determinadas situações sociais ao longo da vida.

Segundo Mara Lúcia, psicóloga cognitivo-comportamental, raiva, revolta, frustração e indignação contra irmãos mais novos e genitores são sentimentos frequentes entre filhos cuidadores que, não só deixam de receber cuidados e atenção, como têm de desenvolver amadurecimento precoce para dar conta das imposições da família e cuidados com filhos que não escolheram ter.

Pais mais sensíveis conseguem perceber a tempo o quanto estão prejudicando o relacionamento entre os filhos, mas muitas vezes a situação persiste por anos.  A mudança do quadro só vai acontecer quando o filho que se sentir mais incomodado decidir romper o padrão. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Opiniões Estilo
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
BBC
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Ísis
Redação
Blog da Morango
Redação
BBC
Topo