Equilíbrio

Infeliz com o seu salário? O problema pode não ser o dinheiro

Getty Images
Nossa tendência é projetar todas as expectativas de melhora no dinheiro Imagem: Getty Images

Louise Vernier e Thaís Macena

Do UOL, em São Paulo

25/07/2014 07h27

Uma pesquisa sobre motivação profissional realizada pela 4hunter Consultoria, em 2012, mostrou que 55% dos 508 profissionais entrevistados não estavam felizes com seu trabalho. Entre as razões para a insatisfação, a remuneração foi, de longe, a mais citada: 29,6% disseram que o salário e os benefícios recebidos não estavam de acordo com a expectativa e as necessidades deles. Mas será que um aporte nos rendimentos resolveria, de fato, o descontentamento dessa parcela de profissionais?

De acordo com a psicóloga Angelita Corrêa Scardua, especializada nos estudos sobre a Felicidade e em Psicologia Social pela USP (Universidade de São Paulo), é mais provável que não. Ela garante que a felicidade está muito mais associada à qualidade das relações que estabelecemos com os outros e com nós mesmos do que com quanto temos no banco.

"O que acontece é que, geralmente, quando estamos insatisfeitos com o trabalho e/ou com a vida que levamos, nossa tendência é projetar todas as expectativas de melhora no dinheiro", afirma a especialista.

Isso porque ter uma renda mensal mais alta permite adquirir bens materiais que promovem conforto e segurança, o que alimenta a vaidade. As conquistas materiais ainda geram satisfação e alegria, que podem ser facilmente confundidas com a felicidade. No entanto, trata-se de um bem-estar que passa tão logo nós nos acostumamos com a nova posse. Por isso, os especialistas insistem em frisar que a felicidade está muito mais ligada ao ser do que ao ter.

Thinkstock

O salário justo

Contudo, há situações em que ganhar mais é uma necessidade real, quando o dinheiro que cai na conta, todo mês, não é suficiente para garantir o básico, para cobrir as despesas com moradia, alimentação, saúde e lazer.

"Se o salário consegue dar conta do essencial e ainda sobra uma quantia para poupar, o desejo de receber mais só terá sentido caso a pessoa saiba investir bem os excedentes", diz Anderson de Paula Borges, professor de filosofia da UFG (Universidade Federal de Goiás).

Caso contrário, a melhora da condição financeira levará ao aumento do consumo de bens supérfluos, levando a um círculo vicioso em que o desejo de comprar será cada vez maior, assim como a sensação de que a renda não é suficiente para adquirirmos tudo o que desejamos. "Muitas pessoas tendem a associar prosperidade com capacidade de consumo. Porém, nessa perspectiva, quanto maior for o salário, maiores serão os gastos", alerta Angelita.

Para Ana Maria Andolfato, especialista em finan

Thinkstock

Porém, para fazer isso, nem sempre é preciso ganhar mais. Por vezes, é apenas uma questão de organização financeira. "O ideal é que 70% da renda seja destinada para pagar contas e despesas em geral, 20% reservada para o lazer e 10% para poupanças e investimentos", declara a especialista. Lembrando que os gastos básicos incluem aluguel ou prestação do imóvel, condomínio, contas de energia, água e telefone, salários de empregados, alimentação, manutenção do automóvel ou despesas com transporte público, entre outros.

"Faça uma planilha e liste tudo o que entra e sai. Assim, é possível notar com o que se está gastando mais e planejar melhor o orçamento", diz Mauro Calil, educador financeiro especializado pela FIA-USP (Fundação Instituto de Administração da Universidade de São Paulo).

Dependendo do caso, também é válido pensar em alternativas para aumentar a renda, seja mudando de emprego ou dedicando-se a uma atividade profissional extra. Tudo isso, porém, sem se esquecer de que o dinheiro não é a solução para todos os problemas.

"O dinheiro não nos habilita a lidar melhor com os desafios dos relacionamentos, por exemplo, sejam afetivos, familiares ou profissionais. Da mesma forma, ele não nos prepara para enfrentar a morte ou as doenças. Ele serve para providenciar tratamento médico, por exemplo, mas não impede a enfermidade. Pode fazer uma mulher se sentir mais bonita, mas não mais amada. Em outras palavras, o dinheiro é um meio e não um fim", declara Angelita.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
NE10
Redação
BBC
Redação
Redação
Topo