Equilíbrio

Cultivar amizades é a melhor forma de driblar o medo de envelhecer só

Getty Images
Uma das soluções para enfrentar o medo de envelhecer sozinho é criar laços sociais Imagem: Getty Images

Rita Trevisan e Simone Cunha

Do UOL, em São Paulo

29/01/2015 07h08

A longevidade é uma conquista. Em 1991, a expectativa de vida dos brasileiros, ao nascer, era de 66 anos; em 2002, alcançou os 71 anos; em 2012, atingiu 74,6 anos. Os dados são do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). "O Brasil não acreditou que iria envelhecer e isso está acontecendo rápido", diz o médico Renato Veras, diretor da Universidade Aberta da Terceira Idade, extensão da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro).

O aumento da longevidade é uma boa notícia, mas a nova realidade também impõe desafios. Afinal, é comum que surjam limitações conforme a idade avança. "Até agora, o Brasil não tem políticas adequadas para dar suporte à velhice”, afirma Alexandre Kalache, médico e presidente do Centro Internacional de Longevidade.

Segundo Kalache, a maioria das pessoas não está preparada para lidar com o envelhecimento, muitos negam os efeitos do tempo em sua saúde e disposição e um dos maiores receios de quem ultrapassa a fase adulta é a solidão.

"Não ter com quem conversar, com quem sair, se sentir inútil, deixar de ser desejado, ter de lidar com o abandono... Tudo isso é muito difícil e essas percepções, se não forem enfrentadas, podem levar à depressão e até ao suicídio”, explica a doutora em Psicologia Clínica e mestre em Gerontologia Dorli Kamkhagi, do Grupo de Envelhecimento do Instituto de Psiquiatria do HCFMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

Para Veras, a sensação de abandono aumenta o risco de adoecer e de sofrer complicações mais sérias. “A solidão pode interferir no quadro clínico, colaborando para o agravamento de diversas doenças”, afirma.

Família e amigos como suporte

Em seu livro "A Bela Velhice" (Record), a antropóloga Mirian Goldenberg afirma que, no Brasil, o ideal da família como fonte de segurança e felicidade permanece forte. E, ainda hoje, um dos fatores que mais pesam para a decisão de ter filhos é a possibilidade de contar com amparo e companhia na velhice.

De acordo com a psicóloga Deusivania Falcão, professora da USP (Universidade de São Paulo) na área de psicologia do envelhecimento, não há garantia nenhuma de que os filhos efetivamente poderão se prestar a esse papel.

“Apesar de muitos pais terem zelado e cuidado de seus filhos ou netos, não há como prever se receberão de volta esse investimento quando alcançarem a velhice”, diz. A docente também destaca que, ao sentirem-se obrigados a exercer a função de cuidadores, muitos filhos acabam nutrindo sentimentos ambíguos em relação a seus pais, o que pode levar à agressão.

Para o médico Alexandre Kalache, quem tem filhos aumenta, de qualquer forma, a probabilidade de contar com um cuidador no futuro. “A questão é que, mesmo quando os filhos estão dispostos a ajudar, o apoio nem sempre é imediato”, diz.

Uma das soluções para enfrentar o medo de envelhecer sozinho é criar e cultivar laços sociais, dentro e fora da família. “Pesquisas apontam que as relações sociais eletivas, de amizades, têm até mais potencial de proteção para o bem-estar subjetivo e a saúde dos idosos do que as relações de família”, diz Deusivania.

Assim, frequentar cursos, grupos que reúnam pessoas com os mesmos interesses, centros de convivência, organizações não governamentais e templos religiosos pode ser uma maneira de se fortalecer. “Esses grupos servem como uma rede de apoio e estímulo. Muitas vezes, é por meio desses contatos que adquirimos a ajuda emocional para vencer o medo da solidão”, declara Dorli.

Outros aspectos exigem planejamento

No entanto, acima dos 50 anos, não necessitamos apenas de companhia. Nessa fase, garantir moradia, saúde e alimentação, por exemplo, é tão importante quanto nos períodos anteriores.

“Com o envelhecimento, não é a vida que piora, e, sim, o apoio que diminui”, diz Veras. O salário da aposentadoria pode não ser suficiente para garantir a manutenção do padrão considerado o ideal e, por isso, planejar a vida financeira, desde cedo, é essencial. “É imprescindível adotar a filosofia do envelhecimento ativo e, para que isso ocorra de forma espontânea, é essencial acumular quatro capitais: o vital, o financeiro, o social e o intelectual”, ensina Kalache.

Adotar um estilo de vida saudável, uma dieta equilibrada, combater o sedentarismo e não consumir drogas, como álcool e cigarro, é o que garante a reserva vital. “Essa reserva diminui com a idade e, para compensá-la, é preciso estar preparado. Os estragos causados por um estilo de vida desregrado aceleram o declínio e não adianta, posteriormente, culpar o envelhecimento”, alerta Kalache.

Investir em um plano de previdência, acumular economias e adquirir a casa própria são alternativas para aumentar a segurança na aposentadoria. “Nessa faixa etária, os cuidados com a saúde também aumentam e é importante colocar esses gastos extras na conta”, diz o médico. Portanto, um plano de saúde não é luxo e merece entrar no orçamento.

O aspecto social corresponde aos laços afetivos construídos e cultivados ao longo da vida e o intelectual tem a ver com a busca constante por novos conhecimentos. “Os idosos merecem oportunidades no mercado de trabalho. Esse novo olhar sobre a velhice, que a entende como um período ativo, é que vai nos ajudar a derrubar a discriminação”, afirma Kalache. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
NE10
Redação
BBC
Topo