Relacionamento

É um erro manter uma relação por se sentir responsável pelo par

Luckabee/UOL
"Se existe alguém dependente na relação, também existe alguém que está promovendo essa dependência", explica a psicóloga Marilene Damaso de Oliveira Imagem: Luckabee/UOL

Yannik D'Elboux

Do UOL, no Rio de Janeiro

19/02/2015 07h16

O relacionamento vira uma prisão quando um dos parceiros não quer mais manter a união, mas sente-se responsável pelo outro e não consegue se separar. Por temer que a pessoa não seja capaz de andar com as próprias pernas, aquele que está insatisfeito, às vezes, permanece anos em um casamento infeliz. Porém, essa dificuldade de desfazer o laço nem sempre tem a ver apenas com a preocupação com o outro.

"É possível que exista uma dependência mútua", diz a psicóloga e professora Eliana Piccoli Zordan, coordenadora do Nepeconfam (Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Conjugalidades e Famílias), da URI (Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e Missões), em Erechim (RS).

Essa dependência pode envolver aspectos econômicos, familiares, emocionais e revelar, também, outros problemas, como dificuldade de tomar decisões, efetivar novos projetos de vida e fazer-se de vítima. "Pode ser uma desculpa [dizer-se responsável pela vida do outro] para justificar a sua dificuldade", afirma.

O senso de compromisso com o parceiro, em consideração a todos os momentos compartilhados, também faz com que uma relação insatisfatória perdure. Entretanto, esse fator não é o único que mantêm as pessoas unidas nessas situações.

A psicóloga Andrea Soutto Mayor, professora da UFF (Universidade Federal Fluminense), no Rio de Janeiro (RJ), fala que não existe um padrão de comportamento. Ela acredita que há muitas variáveis e diz que cada indivíduo tem suas particularidades e razões. Mas afirma que quando a separação não se realiza, geralmente, é porque os dois ainda estão ligados. "Às vezes, envolve uma tentativa de aliviar a própria culpa por não gostar mais do outro", exemplifica.

Em qualquer relacionamento, as pessoas assumem papéis complementares. Isso significa que a dinâmica da relação vem do posicionamento dos dois. Nunca a culpa pelo sucesso ou fracasso é de um só.

"Se existe alguém dependente na relação, também existe alguém que está promovendo essa dependência", explica a psicóloga Marilene Damaso de Oliveira, pesquisadora e psicoterapeuta do Proad (Programa de Orientação e Atendimento a Dependentes) da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), que oferece tratamento gratuito na área de dependência afetiva.

Cuidados excessivos

Diz o adágio popular: "Quem ama, cuida". A atitude é saudável e bem-vinda quando não há excesso. Nas relações em que um se responsabiliza demasiadamente pela vida do par, o amor ganha um contorno doentio. "Estamos falando de pessoas que negligenciam a si mesmas para cuidar do outro", afirma Marilene.

Nesse tipo de relacionamento, as frustrações costumam ser maiores, já que grande parte das expectativas são depositadas no outro e a própria vida fica em segundo plano. Mesmo que tenham intenção, nem sempre essas pessoas são capazes de mudar sua forma de agir sozinhas. "Você não é mais dono do seu comportamento, não consegue mais parar de cuidar excessivamente do outro", diz a psicoterapeuta do Proad.

Segundo Marilene Damaso, não se pode afirmar com precisão porque alguns indivíduos têm a tendência a se responsabilizarem demais pelos parceiros. "Supostamente, são pessoas que precisam disso para se sentir importantes, amadas. Fazem isso para ter em troca o amor do outro, mas muitas vezes não é isso que acontece", diz a psicóloga, que iniciou um trabalho de pesquisa e está investigando a dependência afetiva.

Decidir se separar, em qualquer circunstância, representa sempre um processo doloroso e difícil. Eliana Zordan explica que as pesquisas científicas mostram que o divórcio envolve picos de tensão em todas as etapas, do momento da decisão, durante os inúmeros arranjos depois da separação até a morte do cônjuge.

Apesar disso, é preciso fazer uma análise pessoal ou buscar terapia quando esse problema parecer intransponível. "Uma dificuldade exagerada em romper uma relação e um sentimento tão grande de responsabilidade por outra pessoa adulta revelam uma disfuncionalidade que precisa ser trabalhada", explica.

Era do desapego

A ideia excessiva de compromisso e responsabilidade pelo par é mais frequente em modelos mais antigos de casamento. Na época dos amores líquidos, em que os relacionamentos não costumam durar tanto, o problema já não se torna tão usual. "Estamos vivendo o oposto a isso nos tempos atuais. Ninguém quer mais se apegar, para não sofrer", constata Marilene Damaso.

Além disso, com o aumento da expectativa de vida, existe uma vontade maior de aproveitar melhor o tempo. "As pessoas estão vivendo mais, portanto, querem relacionamentos mais saudáveis. Com isso, as separações acabam acontecendo, mas isso não significa que a dor não exista", fala a professora da UFF Andrea Mayor.

Em qualquer situação, Marilene diz que é importante ter consideração pelo outro, sem que isso signifique assumir a vida do parceiro. "Quem quer sair pode ser muito cuidadoso com o outro, em respeito à pessoa com quem se relacionou por tanto tempo, mas não por responsabilidade pelo sofrimento”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
UOL Estilo
Comportamento
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo