Relacionamento

Você acha que casados há 50 anos não fazem sexo? Engano seu

 Stuart Bradford/The New York Times
Estudo diz que casais juntos há muito tempo continuam transando imagem: Stuart Bradford/The New York Times

Jan Hoffman

The New York Times

Sim, existe sexo depois do casamento. Especialmente se voc $!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

 
"Uma vez por mês, talvez", diz Jennie B. que pediu para que seu último nome não fosse revelado para manter sua privacidade. "Eu não contava. Acontecia quando acontecia. O sexo não era tão importante quanto outras coisas, mas continuávamos a fazer."
 
Nesse retrato da pesquisa de adultos mais velhos, alguns não estavam fazendo sexo. E alguns faziam sexo todos os dias. Mas o estudo deu atenção principalmente às tendências.
 
O idoso médio que estava casado por um ano tinha 65% de chance de fazer sexo de duas a três vezes por mês ou mais. Aos 25 anos de casamento, a probabilidade dessa frequência caia para 40%. Se o casamento durava 50 anos, ia a 35%. Mas se o casamento –e a vida– de adultos mais velhos continuava, em 65 anos juntos, a chance de fazer sexo nessa frequência de duas a três vezes por mês era de 42%.
 
Stroope diz que pelo menos duas forças opostas estão em jogo quando o assunto é sexualidade em um casamento longo. A primeira é chamada "habituação", o afrouxamento dos sentidos sexuais, quando marido e mulher se acostumam um com o outro e ficam desgastados pelo cotidiano e as difíceis demandas da vida.
 
Mas quem passa muito tempo junto também acumula o que Stroope chama de "capital de relacionamento": em bons casamentos, ele diz, "você está construindo alguma coisa, acumulando experiência e conhecimento sobre seu parceiro íntimo ao longo do tempo".
 
Assim, quando os adultos ficam mais velhos, seu círculo social diminui, eles sabem que o tempo é limitado, olham em volta e veem o quê? Um ao outro.
 
"Eles colocam a intimidade como uma prioridade importante", afirma Pillemer, cujo recente livro "30 Lessons for Loving" ("30 Lições para o Amor", em tradução livre) foi escrito com base em entrevistas com 700 idosos. "Muitas pessoas me disseram que você não presta atenção nas diferenças físicas em um casamento longo. A pessoa ainda parece a mesma."
 
$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]
Algumas limitações: os pesquisadores originais do projeto de 2005/2006 entrevistaram indivíduos, não casais juntos. Essas novas descobertas não incluíam casais que viviam juntos sem ser casados, casais gays ou lésbicos. Ao definir atividade sexual, os entrevistadores disseram: "Por 'sexo' ou 'atividade sexual' queremos dizer uma atividade mútua e voluntária com outra pessoa que envolva o contato sexual, ocorrendo ou não intercurso e orgasmo".
 
Para Jennie B., o significado de intimidade e atividade sexual evoluiu e ficou mais profundo com o decorrer de seu longo casamento.
 
"Existe uma intimidade que vem lá na frente e é surpreendentemente magnífica. Você pode dar as mãos para essa pessoa que ama e adora, e de alguma maneira é tão apaixonante como fazer sexo numa idade mais jovem. Há um sentimento forte de conexão e intimidade que cresce em um relacionamento longo, e aquele toque carrega consigo o peso de várias memórias. E muitas são sexuais."
 
Na verdade, do que a viúva mais sente saudades é de dar as mãos. "E as pessoas dizem: 'Eu seguro sua mão'. Mas não é disso que estou falando."
Topo