Equilíbrio

Por que os machos existem? A ciência explica

Getty Images
A disputa pela fêmea melhora a saúde e a proteção contra a extinção Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

19/05/2015 18h39

A existência dos machos é um mero capricho da natureza? A resposta para a pergunta era incerta para os cientistas, mas uma nova pesquisa feita pela UEA (Universidade de East Anglia), no Reino Unido, encontrou uma razão. Segundo os pesquisadores, a seleção sexual --processo teorizado por Charles Darwin, no qual machos competem pela chance de se reproduzirem com uma fêmea-- desempenha papel fundamental na melhoria da saúde da população e na proteção contra a extinção.

O estudo, publicado na revista científica "Nature", buscou entender por que a maioria dos organismos multicelulares depende de sexo para se reproduzir. Sob condições controladas de laboratório, os pesquisadores estudaram 50 gerações de besouros, por um período de dez anos, e testaram o impacto da chamada seleção sexual.

"Quase todas as espécies multicelulares da Terra se reproduzem por meio de sexo, mas o fato não é fácil de explicar porque o sexo traz várias desvantagens. A mais óbvia é que apenas metade dos seus descendentes vão gerar novos filhos, no caso, as fêmeas", disse o pesquisador Matt Gage, professor da Escola de Ciências Biológicas da UEA, por meio de um comunicado, para a "Nature".

Getty Images

Os autores do estudo descobriram que, quando os besouros foram agrupados em casais monogâmicos --e não havia mais competição entre machos por fêmeas--, a saúde da população declinou rapidamente. O fato levou a concluir que os que disputavam fêmeas eram mais resistentes à extinção.

"Nossos resultados fornecem a ideia de que o sexo persiste como um modo dominante de reprodução, pois permite que a seleção sexual proporcione os benefícios genéticos", falou Gage à "Nature".

O estudo sugere que a competição pelo par sexual desempenha um papel crucial para remover mutações genéticas nocivas, pois a concorrência deixa as fêmeas menos propensas a acasalar com indivíduos geneticamente inferiores. Mesmo após 20 gerações, os pesquisadores constataram que as populações em que havia disputa de machos por fêmeas tinham aptidão superior e foram capazes de manter a saúde e evitar a extinção.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
NE10
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Topo