Comportamento

Pessoas pegajosas são mais propensas a serem traídas e a trair

Getty Images
O pegajoso oprime o par, fazendo com que ele busque aventuras para "respirar" Imagem: Getty Images

Heloísa Noronha

Do UOL, em São Paulo

Os casais que fazem tudo juntos e que, mesmo longe fisicamente, sempre dão um jeito de estar em contato, com ligações e mensagens no Whatsapp, por exemplo, não estão blindados contra a traição. Pelo contrário, o excesso de grude pode fazer com que recorram a aventuras amorosas como uma válvula de escape. A conclusão é de uma pesquisa conduzida pela Universidade Estadual da Flórida, nos Estados Unidos, e publicada, no fim de 2014, na revista “Psychology Today”.

De acordo com o psicólogo clínico Roberto Rosas Fernandes, analista junguiano pela SBPA (Sociedade Brasileira de Psicologia Analítica), as pessoas pegajosas oprimem o parceiro e sufocam sua liberdade. “Elas fragilizam a relação, em vez de fortalecê-la, dando margem à insatisfação”, afirma.

Segundo Vanda Lucia Di Yorio Benedito, psicóloga pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo e autora do livro “Amor Conjugal e Terapia de Casal” (Summus Editorial), quem se sente carente e inseguro em um relacionamento pode se tornar uma pessoa exigente de amor e atenção.

“Esse comportamento provoca no outro um desejo de se ver mais livre, além da sensação de que, por mais que se faça, nunca será o bastante. A relação vai ficando cada vez mais pesada, o que pode levar o parceiro oprimido a buscar algo mais leve na vida”, diz Vanda.

Getty Images

Codependência

Para Rosas, a razão de algumas pessoas serem pegajosas é baixa autoestima. A insegurança é tamanha que só conseguem se sentir alguém por meio do olhar do outro.

De acordo com o psiquiatra e psicoterapeuta Eduardo Ferreira-Santos, doutor em ciências médicas pela Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) e autor dos livros “Ciúme – O Medo da Perda” (Ed. Claridade) e “Ciúme – O Lado Amargo do Amor” (Ed. Ágora), desenvolve-se uma espécie de codependência com o par.

A busca desesperada pela presença do outro indica forte grau de carência. “Essas pessoas acreditam que o outro pode lhes dar o que não conseguem retirar de si mesmas: força, entusiasmo, alegria e, principalmente, segurança”, fala a psicóloga Vanda Lucia.

Na maioria dos casos, o comportamento teve início na infância em crianças que não foram estimuladas a desenvolver o amor próprio e que se mantiveram fixadas na relação de dependência com a mãe ou o pai. A consequência é transportar esse vínculo simbiótico para os parceiros.

Afeto sugado

Uma pessoa pegajosa, de acordo com os especialistas, é uma espécie de “vampira” emocional, que se alimenta do amor alheio, tentando sugar tudo o que o outro pode oferecer. Por esse motivo, segundo Ferreira-Santos, é muito difícil suportar a solidão ou a necessidade do par de ter vida própria.

“Quando se sentem deixadas de lado pelo parceiro de algum modo, mesmo que isso aconteça somente na cabeça delas, tornam-se mais vulneráveis às tentações”, afirma o psiquiatra.

Getty Images


A propensão a trair de pessoas tidas como grudentas nos relacionamentos amorosos também foi um comportamento observado na pesquisa da Universidade da Flórida, citada na abertura desta reportagem. “Devido a uma busca infantil e ingênua por alguém perfeito, capaz de suprir todas suas faltas, podem se envolver com quem, pelo menos em um primeiro momento, acenem-lhe com essa possibilidade”, declara a psicóloga Vanda Lucia.

Para Rosas, o padrão só se rompe quando a pessoa com esse perfil se envolve com alguém mais sadio do que ela, que lhe imponha limites e ajude a encontrar outros interesses na vida.

O problema é que a conduta acaba estabelecendo um círculo vicioso entre alguns casais, em que o “sufocado” precisa do “grudento” para sobreviver. É fundamental que cada um questione se suas atitudes na relação estão sendo produtivas para o que eles querem retirar daquele vínculo e se desafiem para uma mudança. “Geralmente, cada um quer que o outro mude, mas só podemos mudar o que está em nós”, diz Vanda Lucia.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo