Comportamento

Ao se masturbar, mulher conhece o próprio corpo e o caminho para o orgasmo

I Feel Myself/Divulgação
O site I Feel Myself mostra mulheres comuns (imagem cortesia de www.ifeelmyself.com) Imagem: I Feel Myself/Divulgação

Yannik D´Elboux

Colaboração para o UOL

22/10/2015 07h15

“A masturbação é importante para saber ter prazer, melhorar a autoestima e a saúde”, afirma o ginecologista Gustavo Maximiliano Dutra da Silva, professor de ginecologia e medicina sexual da Universidade São Francisco, em Bragança Paulista (SP). A opinião do especialista sobre a prática é compartilhada por outros tantos profissionais de saúde, mas a despeito disso somente de 10% a 15% das brasileiras têm como hábito ter prazer sozinhas.

Entre as que nunca se masturbaram, a porcentagem é alta: de 35% a 40%, conforme a idade, sequer experimentaram. Esses dados são da pesquisa sobre sexualidade “Mosaico Brasil”, de 2008, conduzida pela psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Prosex (Programa de Estudos em Sexualidade), ligado à USP (Universidade de São Paulo), que tem se dedicado a novos estudos acerca do tema. “Enquanto os homens que não se masturbam no Brasil não passam de 3% a 4%, por outro lado, é dez vezes maior a população de mulheres que nunca se masturbou”, declara Carmita.

Muitos são os fatores que ajudam a entender porque a masturbação feminina permanece como um terreno desconhecido para parte considerável da população, apesar da crescente liberdade sexual.

Historicamente, o sexo foi por muitos anos associado exclusivamente à reprodução, sobretudo para a mulher. “Sofremos os resquícios dessa repressão”, diz Maria Claudia Lordello, coordenadora de psicologia do Projeto Afrodite do Ambulatório de Sexualidade Feminina, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Existe também a influência do amor e do romantismo no comportamento das mulheres. Muitas só conseguem vislumbrar a satisfação sexual a dois. “A sexualidade está totalmente restrita à relação com o parceiro”, afirma Maria Claudia.

É bom e faz bem

A mulher que não se masturba tem mais dificuldade de sentir prazer e chegar ao orgasmo. “Esse é um dos fatores que faz com que as mulheres tenham algum tipo de disfunção sexual”, afirma Maria Claudia Lordello. Segundo a psicóloga, entre as pacientes que procuraram atendimento no Projeto Afrodite em 2014, para tratar algum problema sexual, 56,3% nunca se masturbaram.

Além dos benefícios para a vida sexual --como tornar mais fácil pedir ao parceiro o que funciona para estimulá-la--, Maria Claudia fala que a prática é essencial para despertar a atenção com os cuidados e a higiene da região íntima.

“Vemos muitas no dia a dia que não conhecem a anatomia da própria vagina, onde é o clitóris, por onde sai a urina, a menstruação”, conta o ginecologista Gustavo Maximiliano.

Mais estímulo na rede

Apesar das dificuldades que ainda existem, o tabu e a falta de conhecimento sobre a masturbação feminina vêm diminuindo, inclusive por influência da internet e de iniciativas cada vez mais frequentes que valorizam o prazer da mulher.

Alle Manzano/Divulgação
Imagem da fotógrafa Alle Manzano Imagem: Alle Manzano/Divulgação

Na rede, já é possível encontrar conteúdos que mostram o prazer feminino solitário por outros ângulos, além daqueles usualmente produzidos para agradar ao público masculino.

O site australiano de conteúdo adulto I Feel Myself, por exemplo, convida mulheres comuns a se masturbarem em frente às câmeras. A única exigência, explica Richard Lawrence, criador da plataforma que existe desde 2006, é que elas tenham um orgasmo como experimentam em casa.

Lawrence diz que a proposta do site consiste em mostrar a masturbação feminina de uma maneira natural, diferente do que se costuma ver no pornô voltado para a audiência masculina.

Segundo ele, 90% das participantes, que recebem pagamento pelo material, estão fazendo isso em vídeo pela primeira vez.

O australiano conta que as mulheres que veem o site gostam de descobrir que outras compartilham experiências semelhantes às suas. “E elas aprendem novas formas de se dar prazer”, diz.

A valorização da sexualidade feminina também é o foco do trabalho da fotógrafa Alle Manzano, de São Paulo. No ano passado, ela lançou a exposição “Lendo-me”, com imagens de 15 mulheres nuas, em momentos de intimidade, e poemas de Fábio Chap. “A intenção é fazer com que as mulheres se amem e se explorem. Elas têm de se conhecer primeiro para depois se renderem a alguém”, fala.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
UOL Estilo
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Comportamento
BBC
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo