Comportamento

Quando casal está preparado, suingue fortalece a relação e melhora o sexo

Arquivo Pessoal
Marina e Marcio (nomes fictícios), casados há 15 anos, praticam suingue há dez Imagem: Arquivo Pessoal

Yannik D´Elboux

Colaboração para o UOL

05/11/2015 07h25

Para Marina* (nome fictício), 35, que mantém o blog “Swing Marina & Marcio”, no qual narra suas experiências, a prática –que envolve a troca de casais-- tornou a relação ainda melhor. “Ficamos mais cúmplices, unidos e sinceros”, diz ela, casada há 15 anos e praticante de suingue há dez. A percepção dela é confirmada por algumas pesquisas nacionais e internacionais.

Você já pensou em experimentar troca de casais?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Porém, para que isso aconteça, o casal precisa ter uma boa ligação afetiva e amadurecer bem a ideia antes de colocar a fantasia em prática.

Em um estudo com 704 homens e 319 mulheres adeptos, realizado pelos sociólogos Curtis Bergstrand e Jennifer Sinsk, nos Estados Unidos, 62% dos entrevistados consideraram que o casamento ficou mais feliz após a prática. Menos de 3% dos homens e das mulheres afirmaram que o relacionamento piorou por causa do suingue. E para 35% o grau de felicidade manteve-se igual.

A maior cumplicidade na cama, na opinião de Marina, também se reflete em outros aspectos. “Passamos a enxergar os problemas da vida como mais simples, já que passamos a dividir nossos mais íntimos desejos e fantasias”, conta.

Segundo a antropóloga Maria Silvério, investigadora do Cria (Centro em Rede de Investigação em Antropologia), do ISCTE-IUL (Instituto Universitário de Lisboa), em Portugal, autora do livro "Swing: Eu, Tu... Eles", a maioria das pesquisas sobre o suingue ressalta benefícios para a vida conjugal.

Maria, que entrevistou casais em 14 festas de suingue em Portugal e no Brasil, entre 2012 e 2014, diz que as alegações mais comuns são que esse estilo de vida fortalece o casamento, aproximando os casais, e eleva a percepção da qualidade da relação. “Também melhora a vida sexual, aumenta o desejo pelo parceiro e propicia uma comunicação mais aberta e honesta”, fala.

A psicóloga Andréa Oliveira, autora de uma tese de mestrado sobre a prática do suingue pela Unifor (Universidade de Fortaleza), chegou a conclusões semelhantes. Para os casais entrevistados em sua pesquisa qualitativa, a experiência acarretou maior união e fidelidade emocional. “O suingue costuma ser positivo quando é feito em consenso, em todos os seus aspectos, e quando o casal respeita os próprios limites”, declara.

Não salva relação

Apesar de parecer bom para o relacionamento, o suingue exige muita conversa antes de se tornar realidade. O maior erro é buscar a fantasia como forma de salvar a relação ou esquentar as coisas.

“Se a relação estiver fria, um terceiro ou quarto elemento não vai melhorar, irá deixá-la ainda mais fragilizada”, diz o psicólogo e professor Arnaldo Risman, integrante do Cepcos (Centro de Pesquisa do Comportamento e Sexualidade).

Segundo Risman, é fundamental amadurecer bastante a ideia. O psicólogo orienta sobre a importância de pensar, principalmente, sobre: como o casal irá lidar com o ciúme, vendo o parceiro se relacionar com outro; autoestima, avaliando como cada um vai reagir se o outro for mais bonito ou dotado que o cônjuge; e insegurança, se os dois estão prontos para ver o parceiro tendo prazer com outra pessoa.

Antes de viver a experiência, também devem ser combinados todos os limites, ou seja, o que vale ou não na hora do sexo. Mesmo assim, Andréa Oliveira lembra que no calor do momento um dos parceiros pode perder o controle. “Alguns casais relatam que nem todas as situações são previsíveis.”

Geralmente, segundo as pesquisas, os casais que fazem do suingue um estilo de vida possuem uma relação bastante forte e estabelecida. Além disso, ao contrário do que se pensa, ampliar o repertório sexual não diminui o ritmo do casal. “A prática faz com que a gente transe mais”, conta Marina, que se considera feliz no casamento em todos os aspectos.

Iniciativa masculina

Na maior parte das vezes, a proposta para experimentar a troca de casais parte dos homens. Com receio de perder o companheiro, algumas mulheres acabam cedendo. Porém, quando a fantasia não é compartilhada por ambos, a chance de acarretar problemas aumenta.

A variedade de experiências e parceiros está entre as razões mais comuns para o interesse pelo suingue. Alguns casais também recorrem à prática como forma de evitar a traição, o que não costuma ser a melhor motivação. “Se essa for a única razão, o casal não consegue se manter no suingue”, afirma Andréa Oliveira.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Comportamento
BBC
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Topo