Comportamento

Conheça as reclamações das mulheres quando recebem sexo oral

Caio Borges/Arte UOL
O homem não deve ter vergonha de perguntar como a mulher prefere ser tocada Imagem: Caio Borges/Arte UOL

Priscila Rodrigues

Colaboração para o UOL, em São Paulo

11/04/2016 15h23

Modalidade que quando bem feita pode significar um orgasmo certeiro para as mulheres, o sexo oral ainda é cercado por tabus para muitos homens, que tendem a evitá-lo ou a cometer muitos erros ao praticá-lo. Para ajudar a desmistificar a prática, a educadora sexual Aline Castelo Branco, também pesquisadora do Nusex (Núcleo de Sexualidade) da Unesp (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho), criou um curso de sexo oral para homens.

O conteúdo do curso foi desenvolvido a partir de entrevistas com cem mulheres e 50 homens. Nessas conversas, Aline identificou três perfis de comportamento equivocados: o “homem lambida de vaca” --aquele que sobe e desce a língua com movimentos rápidos--, o “furadeira” --faz bico e balança a cabeça como se estivesse procurando um buraco–, e o “sugador”, que exagera na sucção do clitóris, causando desconforto.

Além dessas classificações, Aline ainda constatou a existência do homem que se limita a chupar os grandes lábios (o ideal é usar as mãos para massagear, causando uma maior sensação, enquanto acaricia o clitóris com a boca) e o sujeito que fica só com a boca na vagina, na entrada do canal, passando a língua com movimentos rápidos, causando pouca ou nenhuma sensação.

Com duração de três horas, o curso da pesquisadora do Nusex tem uma parte teórica para ajudar os alunos a conhecerem melhor o órgão genital feminino e os pontos erógenos e uma etapa prática. Nela, os homens aprendem exercícios musculares para soltar os lábios e a língua, para trabalhar o clitóris e toda a região genital de maneira correta.

Para quem quer dar prazer a uma mulher com sexo oral, o primeiro passo é conhecer o órgão genital da parceira. Cada mulher tem um corpo diferente e sente sensações também de maneira distinta.

“A falta de conhecimento sobre a anatomia feminina, principalmente em homens mais jovens e menos experientes, acaba prejudicando o desempenho”, declara Fernanda Pauliv, professora e palestrante de artes sensuais de Curitiba.

Fernanda diz que o homem não deve ter vergonha de perguntar à mulher onde ela sente mais prazer, de que forma prefere ser tocada e com que velocidade e pressão. “Aliás, essa dica vale também para quem está começando um novo relacionamento. O que a sua antiga parceira adorava, a nova pode detestar”, afirma.

Uma ação que costuma dar certo é endurecer a língua e brincar com ela na entrada da vagina e no clitóris com pequenos e leves golpes ritmados. Usar os dedos como aliados também é uma boa alternativa, principalmente se simularem penetração vaginal ou anal.

A afobação é a inimiga número um do sexo oral. A modalidade deve ser realizada com sutileza. Não adianta fazer apenas para satisfazer a mulher, pois a prática pode e deve ser fonte de prazer também para quem está fazendo.

“Os homens precisam entender que o clitóris é sensível. Estimular com muita força ou com movimentos repetitivos pode provocar uma sensação dolorosa na mulher”, afirma Fatimah Moura, “sensual coach” e palestrante de artes sensuais de São Paulo.

Aliás, Fatimah avisa que não se deve iniciar o sexo oral estimulando diretamente o clitóris. “As mulheres preferem ser acariciadas antes. Por isso, comece beijando ou tocando as zonas erógenas: seios, mamilos, parte interna da coxa, vulva. Deixe o clitóris para o fim”, diz a “sensual coach”, que recomenda ainda o uso de lubrificantes à base de água e/ou com sabor para incrementar a prática. “Quando a lubrificação é intensa, a língua e os dedos se deslocam mais facilmente e dão mais prazer.”

Para a terapeuta sexual Carla Cecarello, fundadora da ABS (Associação Brasileira de Sexualidade), querer fazer 69 sem avisar a parceira, conduzindo-a para a posição que se deseja pode ser desagradável para algumas mulheres, assim como beijá-las na boca assim que terminar a sessão de sexo oral. Muitas se incomodam com isso.

“Outra atitude chata é ficar perguntando a cada paradinha se está bom, se ela está gostando, em vez de se concentrar e se dedicar”, fala Carla.

Fernanda Pauliv sugere prestar atenção na parceira enquanto estiver fazendo sexo oral nela: nos gemidos, nas contrações do corpo, na respiração etc. “Isso dará pistas valiosas sobre como você está se saindo e poderá ajudá-lo a excitá-la cada vez mais. Afinal esse é o objetivo, não?”, diz a expert.

Saber a hora de parar também é a chave para um sexo oral bem feito. “Depois do orgasmo, o clitóris fica muito sensível e, para muitas mulheres, o toque diretamente nele fica bastante desconfortável, acabando com a sensação do prazer recém-vivido. Então se você quiser, e sentir que ela também quer gozar outra vez, procure reiniciar mais suavemente e literalmente ‘pelas beiradas’, até sentir que pode focar novamente no órgão”, fala Fernanda.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Beleza e maternidade
BBC
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo