Comportamento

Você sabia que adultos também têm TDAH? Conheça histórias

Arquivo pessoal
Carlos e a família durante as férias de 2015, quando ele ficou sem a medicação Imagem: Arquivo pessoal

Thais Carvalho Diniz

Do UOL, em São Paulo

05/05/2016 07h10

Foi lendo uma reportagem em uma revista que o advogado Carlos Biachin, 36, descobriu que tem TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade), uma desordem neurobiológica. Há dois anos, ele trata o problema -- reconhecido pela OMS (Organização Mundial da Saúde)-- com acompanhamento psicológico e psiquiátrico.

"Ao descrever os sintomas, parecia que o texto estava falando de mim. Desde criança, sempre tive muita dificuldade de concentração, a ponto de não conseguir ler um livro ou assistir a um filme continuamente. Na vida adulta, isso começou a afetar o meu trabalho, mas nunca imaginei que fosse TDAH, por ser algo que se fala mais relacionado à infância", afirma.

Biachin não está errado. Por ser diagnosticado com mais frequência em crianças, quando a hiperatividade e desatenção começam a ganhar destaque na fase da alfabetização, por volta dos sete anos, pouco se fala sobre o transtorno na idade adulta. Porém, carregá-lo sem tratamento pode prejudicar o indivíduo.

"Cheguei a entrar em crise porque comecei a acumular muita coisa e não me sentia capaz. Fui criando ferramentas, como planilhas, como ajuda porque não podia contar com a memória para me organizar. Mesmo assim, entrei em 'pane'. Tive um episódio depressivo e, então, no Carnaval de 2014, bem no ápice disso tudo, li a reportagem", conta o advogado.

A partir de então, ele conseguiu encontrar uma terapeuta, que fechou o diagnóstico psicológico e o encaminhou para um psiquiatra, que o auxiliou com a parte medicamentosa. "Sinto que só remédio não resolve para mim. Preciso da terapia para me ajudar a corrigir as coisas no dia a dia e a viver com mais tranquilidade."

E o advogado não é o único adulto a ter o problema ou descobri-lo tardiamente. Segundo Mario Peres, neurologista e coordenador do Centro de Cefaleia São Paulo, “os estudos mais recentes mostram que o TDAH pode afetar até 4% da população adulta mundial”. "O diagnóstico é clínico, baseado no histórico e nos sintomas que o paciente apresenta, tanto de desatenção quanto de hiperatividade --esta segunda, mais fácil de ser percebida em crianças. Na maioria dos casos, ao puxarmos a vida desde a infância, percebe-se que o problema vem desde então." 

De acordo com Carmen Sílvia Miguel, neuropsicóloga colaboradora no Prodath (Programa de Déficit de Atenção e Hiperatividade no Adulto) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, além da possível presença de hereditariedade, a depressão, ansiedade, transtorno de sono, etc também pode estar associada à assiduidade de TDAH no adulto.

"Falta de habilidade para se planejar, dificuldade de terminar projetos, tédio com tarefas que demandem muito esforço mental ou concentração, esquecimento de compromissos ou datas --importantes ou não-- e a dificuldade em manter relacionamentos --em função de irritabilidade e impaciência-- estão entre alguns dos prejuízos na vida social e profissional de quem tem o problema", declara Carmen.

Arquivo pessoal
A desatenção de Marcel já o fez esquecer o fogão ligado por 19 horas Imagem: Arquivo pessoal

Segundo Cleide Partel, terapeuta cognitivo-comportamental e criadora do site "Universo TDAH", apesar de vista com desconfiança, a medicação usada com acompanhamento médico é segura e não vicia, opinião compartilhada pelos outros especialistas ouvidos nesta reportagem.

"Pessoas que sofrem com TDAH têm mais chance de usar drogas e álcool como alento, além de maior probabilidade de sofrer acidentes e de se envolver em brigas. O remédio melhora a concentração e a impulsividade e diminui o risco de abusar de outras substâncias", afirma Cleide.

Biachin confirma a fala da especialista. “Tomo o remédio diariamente, mas já parei de usar durante as férias e passei muito bem. Sinto mais falta durante os intensos períodos de trabalho, quando a demanda de esforço intelectual é maior, mas também é comum não tomar nos finais de semana, por exemplo”, fala.

Há seis anos, o enfermeiro Marcel Brandão, 30, começou a perceber que tinha algo errado em seu comportamento. “Tinha problemas de desatenção com coisas primárias como a bagunça no quarto, quebrava objetos com frequência e, claro, tinha muita dificuldade de concentração no trabalho.”

Segundo ele, a falta de informação gera rótulos, principalmente nas crianças. “As pessoas me chamavam de atentado por conta da hiperatividade. E eu realmente era muito bagunceiro. Já quebrei mais de 20 ossos do corpo, nove só das mãos”, conta.

Diferentemente de Biachin, a primeira ação de Brandão foi procurar um neurologista, que o diagnosticou com TDAH. “Fomos acertando a medicação com o tempo e me sinto muito bem porque auxilia minha organização e impulsividade.” O estudante de medicina e criador da página TDAH – Brasil no Facebook dispensa terapia.

“Sou meu próprio terapeuta e direciono meus estudos para conhecer mais o problema e tentar ajudar ao máximo as pessoas com o transtorno. E um dia, se Deus permitir, vou me especializar em neurologia”, afirma Brandão.

De acordo com Carmen, o TDAH de forma geral está relacionado a um conjunto de alterações multifatoriais, que incluem fatores genéticos, ambientais e neurobiológicos. Sendo assim, a genética tem um papel importante na presença do problema, mas não explica sozinha sua existência. “Os critérios para diagnósticos atual do DSM-5 (Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Americana de Psiquiatria) apontam que os sintomas de desatenção e/ou hiperatividade/impulsividade devem estar presentes antes dos 12 anos", fala a neuropsicóloga Carmen.

Para Biachin, que tem um filho de seis anos, o sinal de alerta já acendeu. Ele fala que o garoto tem muita dificuldade de ficar parado e se concentrar. “Não quero que meu filho tenha os traumas pelos quais precisei passar. Ele já faz acompanhamento com psicóloga e também com uma psicopedagoga. Nenhuma das duas chegou a um diagnóstico ainda, mas eu e minha mulher, Ana Claudia, estamos atentos.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Comportamento
BBC
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Topo