Equilíbrio

Nem tudo é TPM; saiba diferenciar sintomas de sentimentos

Getty Images
É comum confundir a proximidade da menstruação com outros problemas que chegaram antes Imagem: Getty Images

Yannik D'Elboux

Colaboração para o UOL, do Rio de Janeiro

05/08/2016 11h22

Toda mulher passa pela fase pré-menstrual, porém esse período não precisa estar automaticamente associado à TPM (tensão pré-menstrual). Os hormônios femininos produzem, de fato, alterações físicas e emocionais importantes, mas não são os únicos culpados por todos os rompantes de raiva, irritação e insatisfação.

Culturalmente, homens e mulheres se acostumaram a rotular qualquer problema de humor feminino como TPM. Com essa banalização, aquelas que realmente sofrem com os sintomas não buscam ajuda, por achar que o que sentem é normal, e quem enfrenta outras dificuldades não percebe que a menstruação está longe de ser a responsável.

“Continuamos a reduzir as mulheres à sua biologia e a concluir precipitadamente que qualquer dificuldade emocional deve ser causada pelos hormônios ao invés de pensar que elas podem estar sob muito estresse”, afirma a psiquiatra Sarah Romans, professora do departamento de Psicologia Médica da Universidade de Otago, na Nova Zelândia. Após revisar 47 estudos sobre humor e ciclo menstrual, Sarah observou que a maioria não foi capaz de provar com clareza a existência da TPM na população em geral. Apenas 15% das pesquisas encontraram uma associação entre problemas de humor e a fase pré-menstrual.

Segundo a professora, na análise dos registros médicos ficou evidente que as alterações de humor aconteciam durante todo o ciclo e grande parte não tinha relação com a menstruação. Se para a ciência a TPM não é a principal culpada, por que tantas mulheres sofrem com irritação, tristeza e cansaço? Para Sarah, essas emoções são resultantes do estilo de vida da mulher atual, com excesso de responsabilidades e pressão. “Queremos que as mulheres nunca fiquem bravas, sejam sempre doces e amorosas, mas, paradoxalmente, a sociedade permite a elas que se sintam irritadas por um curto período todo mês”, fala.

Também é comum confundir a proximidade da menstruação com outros problemas que chegaram antes. “Há uma exacerbação pré-menstrual das patologias já existentes. O diabetes, a ansiedade e várias doenças orgânicas e psíquicas pioram nessa fase”, explica o ginecologista Eliezer Berenstein, autor do livro “A Inteligência Hormonal da Mulher” (Editora Objetiva). Segundo o médico, a maioria das mulheres tem fluxos menstruais com sintomas leves, entretanto de 20 a 30% apresentam sintomas moderados e de 5 a 8% severos ou incapacitantes.

A servidora pública Andreia Chulvis, 41, de São Paulo, acostumada a observar o próprio corpo, percebe bem as influências do seu bem-estar físico e emocional no ciclo menstrual. Ela pode tanto não sentir nada, como ficar mais raivosa ou chorosa, dependendo do mês. “A TPM tem muito a ver com meu estado emocional também, quando não estou bem a TPM vem com força, potencializa meu estado emocional anterior”, diz. Sensível às mudanças, Andreia busca respeitar os sinais do seu corpo e se cuidar para evitar a tensão.

Pelo menos cinco sintomas

A TPM é uma das manifestações da síndrome pré-menstrual, caracterizada pela presença de cinco ou mais sintomas, como dor nas mamas, inchaço e irritabilidade, por dois ou mais ciclos menstruais consecutivos. Já foram descritos até 150 sintomas relacionados à síndrome, que desaparecem após a menstruação.

Para a ginecologista J.S., de Santa Catarina, autora da página Ginecologista Sincera no Facebook, que levantou recentemente a polêmica sobre o que não é TPM, uma maneira simples de perceber quando o problema não é menstrual consiste em observar se ele dura mais do que esse período. “É importante notar se tem algum sintoma físico junto com a irritabilidade, como dor de cabeça, nas pernas, edemas. Os sintomas associados e a repetição deles são o principal para saber se existe algo relacionado ao status hormonal ou é apenas estresse do dia a dia”, explica a ginecologista, que prefere ser identificada apenas com suas iniciais para poder continuar sendo sincera na rede social.

A síndrome pré-menstrual é desencadeada por um desequilíbrio nos hormônios sexuais femininos: estrogênio e progesterona, que regulam o ciclo reprodutivo. Não se sabe exatamente quais são todos os fatores responsáveis por essa alteração. Segundo o ginecologista Eliezer Berenstein, a principal causa é o estresse. “A TPM é uma doença tipicamente urbana e moderna, só foi descrita pela primeira vez em 1931 como uma tensão na fase pré-menstrual”, diz.

Mudanças naturais

Socialmente, a TPM e as mudanças hormonais são usadas como uma maneira de estigmatizar as mulheres como seres mais instáveis emocionalmente ou incapazes. Para Berenstein, falta aos homens e, até mesmo às mulheres, a capacidade de compreender todas as nuances de cada fase do ciclo reprodutivo. O médico explica que as duas fases do ciclo, do primeiro dia da menstruação até o 14º dia, quando geralmente ocorre a ovulação, e do 15º dia em diante, são bem distintas.

“Na primeira fase, a mulher tem mais características de conquistadora e há o domínio do estrogênio”, explica Berenstein. Nesse período, ela fica mais disposta, alegre, extrovertida, competitiva, atenta, além de estar com a pele macia, cabelos saudáveis, voz mais modulada, mais libido, pouca fome e com a vagina mais úmida.

“Já na segunda fase, a mulher tem mais características maternais e há o domínio da progesterona”, fala o ginecologista. Nessa fase, ela fica mais introspectiva, cansada, dócil, sensível, protetora, compreensiva, pode ter mais fome, dores de cabeça e agressividade, além de estar com a vagina mais seca.

Os homens não passam pelas mesmas alterações, pois estão sujeitos apenas aos efeitos da testosterona, único hormônio sexual masculino. 

O tratamento para a síndrome pré-menstrual é individualizado, porém reduzir carboidratos, laticínios, fazer atividade física e respeitar a necessidade de sono são cuidados que ajudam quem sofre com o problema.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Agência Estado
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo