Sexo

O que fazer para evitar ou reverter uma brochada? É difícil, mas tem jeito

Getty Images
Disfunção erétil em homens jovens é quase sempre de origem emocional Imagem: Getty Images

Yannik D´Elboux

Colaboração para o UOL

22/09/2016 07h20

Perder a ereção é uma das principais preocupações masculinas. Cedo ou tarde, homens e mulheres vão ter de lidar com uma brochada. O momento pode ser delicado, porém não é o fim do mundo e tem saída.

Para funcionar bem, o homem precisa estar relaxado. O estresse e o nervosismo liberam substâncias que preparam o corpo para correr e não para transar.

“O medo de falhar traz ansiedade, que aumenta a adrenalina e impossibilita a ereção”, explica o urologista Giuliano Amorim Aita, membro do Departamento de Andrologia e de Sexualidade Humana da SBU (Sociedade Brasileira de Urologia).

Depois que acontece a primeira vez, alguns tendem a testar novas parceiras para ver se o problema desaparece. “Isso só gera mais adrenalina”, diz o médico. Quando recorrente, a situação pode ter origens fisiológicas, como doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes, colesterol alto, tabagismo e alterações hormonais.

Getty Images

“Disfunção erétil em jovens é quase sempre de cunho emocional”, declara André Guilherme Cavalcanti, professor adjunto de urologia da Unirio (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro) e urologista do Hospital Federal Cardoso Fontes, ambos na cidade do Rio.

Cavalcanti acrescenta que o homem, muitas vezes, vai para a relação sexual com dois tipos de estresse: a preocupação em manter o pênis ereto e em satisfazer a parceira.

De fato, essas duas inquietações destacaram-se entre as maiores listadas pela pesquisa “Mosaico 2.0”, do Prosex (Programa de Estudos em Sexualidade), ligado ao Instituto de Psiquiatria da USP (Universidade de São Paulo), apontadas por 46,9% e 54,8% dos entrevistados, respectivamente.

Para evitar a brochada, é essencial conhecer bem o funcionamento do próprio corpo, não alimentar expectativas irreais, como a de que a ereção tem sempre a mesma intensidade do início ao fim do ato sexual, criar um bom clima de intimidade que permita relaxar e, sobretudo, avaliar se existe motivação e excitação suficientes, sem aquela obrigação de performance.

“Há um mito muito comum de que o homem estará sempre preparado para atividades sexuais com penetração, mesmo que seja sua primeira vez”, afirma o psicólogo e psicoterapeuta sexual Ítor Finotelli Júnior, presidente da Sbrash (Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana).

Esperar o tempo certo para a relação, na opinião de Finotelli, é uma ideia exclusivamente aplicada às mulheres que também ajudaria os homens.

É igual respirar

Um primeiro encontro costuma sempre provocar ansiedade, por essa razão não é incomum ter dificuldade de ereção nesse contexto.

“Se a brochada é com uma parceira nova na primeira vez não há porque se preocupar, mas se acontece com uma antiga pode ser indício de algum problema”, diz o urologista André Milanezi, membro titular da SBU.

No momento da falha, o mais importante é tentar manter a autoconfiança e tirar o foco do pênis, buscando se concentrar no momento e nas sensações. Quanto mais temor e ansiedade, maior será a carga de adrenalina e menor a chance de as substâncias vasodilatadoras agirem adequadamente para a rigidez do órgão. “É preciso confiar que a ereção está programada igual à respiração, não é preciso se preocupar com ela”, afirma Ítor Finotelli.

Medicamentos que tratam a disfunção erétil podem resolver temporariamente, mas se a origem for de ordem psicológica apenas levarão à dependência, provocando um ciclo vicioso.

É necessário também estar atento aos produtos para o ganho de massa muscular que afetam gravemente o desempenho masculino. “O uso de esteroides anabolizantes pode ser extremamente prejudicial e uma das causas da disfunção erétil”, diz Giuliano Aita.

Além dos cuidados gerais com a saúde, essenciais para uma boa vida sexual, não existe fórmula mágica para impedir uma brochada.

“É sempre muito ruim qualquer estratégia relacionada ao desempenho sexual, é uma maquiagem, trata-se de um comportamento de antecipação do fracasso”, diz o presidente da Sbrash.

Já que não existe manual antibrochada, o UOL reuniu abaixo algumas dicas dos especialistas para, ao menos, diminuir as chances de ela acontecer.

1 - Menos masturbação e pornô
Vale reduzir um pouco a pornografia na internet para diminuir o condicionamento da atividade sexual e aumentar a sensibilidade. Masturbar-se menos, principalmente antes da relação, pode intensificar o desejo. “A sexualidade no casal é sempre mais complexa, evitar o excesso de pornô ajuda a não ficar tão preso a um padrão”, diz André Guilherme Cavalcanti.

2 - Preservativo dentro do clima
A hora de colocar a camisinha costuma ser um dos momentos mais brochantes do sexo. Se o homem já estiver nervoso, a tendência é perder a ereção nesse instante. “Coloque o preservativo como item do jogo sexual, não precisa parar tudo, tem de continuar o clima”, diz André Milanezi. Os estímulos da parceira ou do parceiro nessa hora também auxiliam a manter o clima.

3 - Evitar lugares inseguros
É uma boa ideia tentar evitar tudo o que possa gerar mais estresse no primeiro encontro, como um lugar inseguro, com pessoas conhecidas por perto ou sem privacidade. Um ambiente agradável, em que seja possível ficar à vontade, representa uma preocupação a menos.

4 - Cuidar com excesso de álcool e cigarro
Sem exageros, a bebida alcóolica contribui para o relaxamento e a excitação. Porém, se houver excesso, há grande chance de comprometer o desempenho sexual masculino. O cigarro também é nocivo para a ereção, já que afeta a boa circulação sanguínea. O urologista André Milanezi orienta a não fumar por duas horas antes do ato sexual.

5 - Não apressar a penetração
Quando a ereção não está completa, muitos homens buscam penetrar o mais rápido possível na tentativa de recuperar a rigidez. Esse é um erro que só aumenta a chance de brochar. “Pressa nessa hora não funciona, tem de trabalhar bem nas preliminares até conseguir uma rigidez plena antes da penetração”, diz André Guilherme Cavalcanti.

6 - Focar nas sensações e não no pênis
Ficar conferindo se o pênis está ereto o suficiente só aumenta a tensão e consequentemente a carga de adrenalina, dificultando ainda mais a ereção. O melhor a fazer é não pensar tanto no órgão sexual e desfrutar do prazer como um todo.

7 - Adiar se não estiver tão a fim
Se o cansaço e as preocupações estão falando mais alto do que o tesão, a melhor opção é deixar para depois. Também não tem razão de transar se não houver excitação suficiente, só para não deixar de comparecer. “O homem também tem de saber o momento adequado de ir para a relação, às vezes, é melhor remarcar”, fala Giuliano Aita.

8 - Sempre conversar
Se a brochada aconteceu, por mais que exista um clima constrangedor, o ideal sempre é conversar francamente sobre o assunto, para evitar traumas futuros e não atrapalhar os próximos encontros. Ajuda se a parceira ou o parceiro não fizer cobranças e estiver com disposição para criar novas possibilidades de prazer. Apenas dizer “isso acontece” não resolve.

9 - Desistir se não for relaxar
O bordão “sou brasileiro e não desisto nunca” não deve ser levado para a cama. Caso fique claro que não vai ser possível relaxar nesse momento, o mais indicado é dar um tempo, fazer atividades diferentes ou deixar para outra ocasião. “Desistir funciona às vezes como um rebote, o desconforto melhora e o indivíduo volta a funcionar”, diz Ítor Finotelli.

10 - Tentar novos estímulos
O pior que se pode fazer durante uma brochada é manter a fixação no pênis, buscar a todo custo uma ereção. Dedicar-se a novos estímulos, oferecendo e recebendo toques em outras partes do corpo, contribui mais para o prazer e muda a percepção do momento.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
comportamento
Redação
Redação
Opiniões Estilo
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Estilo
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Topo