Comportamento

Segunda tentativa de suicídio é mais perigosa do que primeira, diz estudo

Paul Rogers/The New York Times
De três meses a um ano depois de uma tentativa de suicídio, é que se concentra a maior chance de uma segunda tentativa Imagem: Paul Rogers/The New York Times

Jane E. Brody

Do The New York Times

10/11/2016 18h01

Minha família entende muito a respeito de tentativas de suicídio e nós não somos os únicos. Duas situações que servem de exemplo:

Um sobrinho de 20 anos, depois de receber uma carta muito carinhosa de sua cunhada explicando porque ela não poderia ser sua amante, foi até o quarto e se matou com um tiro na cabeça.

Um tio querido pela família, e que havia resistido a anos de depressão profunda alternada com casos leves de mania, foi atendido em uma sexta-feira na clínica psiquiátrica de um importante hospital, onde foi orientado a retornar na segunda-feira. Em vez disso, ele tomou todos os comprimidos que encontrou pela casa e se deitou em quebra-mar de pedra, onde esperou pela morte. Por sorte, foi encontrado com vida pela polícia e depois de ser hospitalizado, foi corretamente diagnosticado com transtorno bipolar, tratado de acordo e viveu até os 80 e poucos anos de idade.

Mais pessoas morrem em decorrência de suicídios do que de homicídios nos Estados Unidos. A cada 13 minutos, alguém tira a própria vida, tornando o suicídio a décima principal causa de morte no país (42.773 mortes em 2015) e a segunda principal causa de morte entre pessoas de 15 a 34 anos. Entre crianças de dez a 14 anos, os índices de suicídio já equivalem ao de mortes no trânsito.

Um número muito superior –mais de um milhão de adultos e 8% de todos os estudantes secundaristas– tenta se matar todos os anos, de acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças. Entretanto, apenas uma minoria alarmante recebe o tipo de tratamento e atenção necessários para impedir que voltem a tentar o suicídio.

Uma crença comum é a de que pessoas que sobrevivem a tentativas de suicídio não tentam novamente, mas isso não é verdade. Na realidade, o que ocorre é justamente o contrário. De três meses a um ano depois de uma tentativa de suicídio é que se concentra a maior chance de uma segunda tentativa –e dessa vez, o pior pode acontecer.

Uma análise recente de estudos que examinam a morte por suicídio de pessoas que já haviam tentado se matar anteriormente revelou que uma a cada 25 pessoas conseguiu se matar até cinco anos depois da primeira tentativa.

Agora, um novo estudo revela o quanto as tentativas de suicídio são letais, como fator de risco entre pessoas que de fato acabam por se matar. O estudo, liderado por J. Michael Bostwick, psiquiatra da clínica Mayo, acompanhou todos os casos de primeira tentativa de suicídio em um condado de Minnesota, ocorridos entre janeiro de 1986 e dezembro de 2007, registrando todas as mortes por suicídio até 25 anos após a primeira tentativa.

Das 1.490 pessoas que haviam tentado se matar, 81 ou 5,4%, morreram por suicídio, 48% das quais na primeira tentativa. A descoberta foi publicada na revista científica "American Journal of Psychiatry".

Depois da contagem de todas as pessoas que haviam cometido suicídio, incluindo as que haviam morrido na primeira tentativa, a taxa de fatalidade entre pessoas que tentam suicídio mostrou ser quase 59% mais altas do que os dados anteriores.

"Ninguém havia incluído as pessoas que haviam de fato morrido na primeira tentativa de suicídio. É por isso que esse dado não constava na literatura médica", afirmou Bostwick em uma entrevista. "O fato de que quase dois terços dessas pessoas morrem na primeira tentativa é assolador. Precisamos repensar a maneira como observamos os dados e o fenômeno do suicídio. Precisamos saber mais e fazer mais pelas pessoas que vão tentar se matar antes mesmo de pedir qualquer tipo de ajuda."

O estudo também demonstrou que quando a tentativa envolve o uso de armas de fogo, as chances de morte aumentam 140 vezes. Bostwick afirmou que a maioria das tentativas de suicídio "são ações impulsivas, e é fundamental evitar o acesso a ferramentas que tornem essas tentativas tão mortais".

"As pessoas que tentam suicídio muitas vezes se questionam, mas quando há métodos eficientes como armas de fogo à disposição, não há oportunidade de repensar", afirmou.

No editorial "You seldom get a second chance with a gunshot" ("Você raramente tem uma segunda chance com armas de fogo", em tradução literal), a especialista em saúde mental Merete Nordentoft, de Copenhague, na Dinamarca, afirmou que "um ato suicida é resultado de um estado de espírito temporário".

Em vista da "alta mortalidade ligada às armas de fogo", a cientista e sua equipe afirmam que a disponibilidade de armas de fogo deveria ser limitadas por restrições legais à compra, períodos e espera, armazenamento seguro, análise de antecedentes e outras diretrizes de registro". Essas medidas estão ligadas a uma queda no número de suicídios por arma de fogo.

"A maioria das pessoas que tenta suicídio depois muda de ideia", afirmaram os pesquisadores, acrescentando que "com frequência, as armas de fogo não permitem uma mudança de ideia, nem que a ajuda médica chegue a tempo. Portanto, é alarmante que 21.175 pessoas que cometeram suicídio nos EUA, em 2013 (51% do total), tenham utilizado armas de fogo".

No estudo realizado em Minnesota revelou-se que os homens têm cinco vezes mais chances de morrer por suicídio do que as mulheres; eles também têm mais chances de utilizar armas de fogo na tentativa. Entretanto, mulheres que utilizam armas de fogo em tentativas de suicídio têm mais chances de morrer do que homem.

Outro ponto que talvez seja ainda mais importante para a prevenção do suicídio é a atenção aos sinais de comportamento suicida, acompanhada de ações para impedir que isso ocorra. Pessoas em depressão, viciadas em álcool ou drogas ilegais ou que estejam passando por graves dificuldades de relacionamento são consideradas de grande risco, afirmou Bostwick.

Ao chamar a atenção dos médicos para os sinais dados pelos suicidas, Catherine Goertemiller Carrigan e Denis J. Lynch escreveram na revista científica "Primary Care Companion Journal of Clinical Psychiatry" que "mais de 90% das pessoas que cometem suicídio têm doenças psiquiátricas diagnosticáveis no momento de suas mortes".

Os psiquiatras também devem prestar mais atenção a pessoas que enfrentam outros tipos de doença. "Até 50% dos pacientes com problemas psiquiátricos também têm algum tipo de condição médica não reconhecida, que contribui para a deterioração mental", ainda assim, menos de 20% dos psiquiatras realizam exames de rotina em seus pacientes.

Entretanto, com frequência, parentes e amigos são as pessoas em melhor posição para perceber tendências suicidas e agir para impedir que isso ocorra. Além de depressão e uso de drogas, os sinais incluem afirmações (verbais ou escritas) de que seria melhor estar morto; afastamento de família e amigos; sensação de desespero, raiva, inação, culpa excessiva e vergonha; perda de interesse na maioria das atividades; ações impulsivas ou irresponsáveis; notar que a pessoa está se desfazendo de bens importantes.

O principal é levar a pessoa e essa desconfiança a sério e buscar ajuda médica imediata, mesmo que a pessoa resista. A menos que você seja um profissional de saúde mental, não ache que uma simples conversa pode dissuadir alguém de se matar.

Para quem já tentou suicídio, as chances de uma segunda tentativa diminuem consideravelmente com uma ou mais visitas ao psiquiatra, afirmou Bostwick.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Redação
do UOL
Blog da Morango
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Blog do Fred Mattos
Comportamento
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
BBC
Redação
Beleza e maternidade
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Topo