Relacionamento

Relações clandestinas: amantes contam como se preservam

Getty Images
Tomar cuidado para não deixar fios de cabelo no carro do outro e jogar fora notas fiscais de motel estão entre os cuidados Imagem: Getty Images

Maria Laura Albuquerque

Do UOL

18/11/2016 07h25

Mais do que anonimato, muitos outros cuidados são necessários para resguardar a intimidade e dar segurança a quem mantém relacionamentos sigilosos.

Os amantes se preocupam em não deixar rastros de nenhum tipo: um mero fio de cabelo perdido no banco do carro pode colocar o casamento do outro em risco, tal como uma nota fiscal.

Conheça alguns dos malabarismos feitos por quatro mulheres.

Helena*, 28, teve um caso durante um mês e meio

“Pelo fato de eu estar saindo com o namorado da minha melhor amiga, passei a evitar contato com ela. Não saia com ele aos finais de semana, e ninguém sabia que estávamos juntos, para evitar fofoca. Também não usava perfume quando estava com ele, porque minha amiga sabia qual era minha fragrância preferida. Tinha muito peso na consciência por estar tendo esse caso. Por isso, quando ia a algum bar beber com amigos, desligava o celular porque tinha medo de ficar bêbada e acabar ligando para ela e contar tudo. Outro cuidado que tomava era falar pouco e fazer as vezes de ouvinte quando ela me procurava para dizer que o relacionamento deles não estava bem. Não queria de modo algum incentivá-la a terminar para que ele ficasse comigo.”

Mikaela*, 41, casada, mantém um relacionamento extraconjugal  

“Tenho um relacionamento extraconjugal há mais de 20 anos e sou casada há mais de 15. Ele é um velho amigo, que já foi casado e hoje está separado. Moramos em cidades diferentes, então, só conseguimos nos ver quando viajamos, o que para mim é fácil, por causa do trabalho. Atualmente, para nos falarmos, o modo mais eficiente é o WhatsApp. O contato dele fica silenciado no meu aparelho, as fotos que me manda não são baixadas automaticamente, e as mensagens são guardadas no arquivo do aplicativo e deletadas de tempos em tempos. Também nos falamos por telefone: uso meu aparelho celular corporativo e ninguém mexe nele, nem meu marido nem meus filhos. Para ter uma segurança maior, mudo a senha com frequência. Não uso Facebook, porque pode ser que eu ou ele esqueçamos de desconectar a conta em uma máquina qualquer, deixando outras pessoas terem acesso aos nossos perfis. Apesar dos cuidados, nesse tempo todo, passei por inúmeros sustos. Certa vez, fui chamada no Facetime [software de chamada em vídeo] por ele e meu marido atendeu. Por sorte, o contato dele estava salvo com outro nome. Para fazer isso, peguei os dados de outra pessoa que realmente existe e tem o nome parecido com o dele. Quando viu a imagem do meu amigo no computador, meu marido não relacionou o nome à pessoa, mas ficou desconfiado porque apareceu uma pessoa sem camisa na tela me chamando… Nunca mais deixei todos os aparelhos e programas interligados e com login ativo.”

Luciana*, 26, tem um caso há mais de um ano

“Tenho um caso com meu colega de faculdade que está noivo. Estou livre, mas mesmo assim resolvemos tomar muitos cuidados para ninguém saber de nada, porque todos estudamos na mesma sala. Apesar de eu não ter muita amizade com a noiva dele, a situação é delicada. Para podermos sair e ficar juntos, é montado um esquema de guerra: ele mata aula com ela até certa hora, enquanto estou em sala normalmente. Depois que deixa a noiva em casa, ele me avisa por Whatsapp e vou embora da faculdade para encontrá-lo no caminho da casa dele. Para nos falarmos, usamos o Whatsapp, porque você pode excluir as mensagens e não há como recuperá-las depois. Pelo menos, é o que a gente acha. Como somos da mesma turma, tudo bem ele ter meu telefone e eu o dele. Ainda evito conversar sobre coisas da faculdade para que ele não se confunda e fale com ela sobre algo, que na verdade conversou comigo. E nunca entro no carro dele, jamais. Sempre uso o meu e, se for o caso, ele é quem entra no meu. Não quero nenhum fio de cabelo meu perdido no banco. Sou ruiva e tenho cabelo comprido, daria muita bandeira.”

Camila*, 31, casada, manteve um relacionamento paralelo por um mês

“Somos colegas de turma e sempre nos esforçamos para agir de modo que não parecesse que tínhamos algo a esconder dos outros, apesar de eu ser casada e ele estar namorando. Por conta disso, às vezes íamos à padaria tomar café e conversar e nada mais. Assim, se alguém nos visse, não teria do que desconfiar e, ao mesmo tempo, podíamos ficar um pouco juntos. Para saírmos à noite, ele dizia para a namorada que tinha de trabalhar até mais tarde. Eu não precisava dizer muita coisa para o meu marido, porque tenho várias atividades depois do expediente. Quando íamos para um motel, sempre checava se o secador de cabelo estava funcionando antes de lavar o cabelo. Não adianta nada só ver se o quarto tem o aparelho, pode estar quebrado. E nunca desligávamos o celular. Se por acaso no estabelecimento não tinha sinal telefônico, deixar a internet ligada era imprescindível para que nossos pares tivessem como falar com a gente e não desconfiassem da nossa ausência. Quando usávamos o Wi-Fi do motel, era fundamental apagar o nome da rede do celular na hora da saída. Geralmente, o nome é muito parecido com o do lugar. Também cuidava para jogar o canhoto do cartão de débito e a nota fiscal no lixo do próprio local, jamais guardava na carteira ou na bolsa.”

* Os nomes das entrevistadas foram trocados a pedido deles para manter o anonimato.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Fred Mattos
Redação
Redação
Redação
do UOL
Comportamento
Redação
do UOL
Blog do Fred Mattos
Comportamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
do UOL
Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Topo