Equilíbrio

Wanessa apoia Zilú: até filhos adultos escolhem lado na separação dos pais

Marcelo Brammer/Studio Brammer
Separar o casamento dos pais da instituição família é o primeiro passo para filhos lidarem melhor com separação dos pais Imagem: Marcelo Brammer/Studio Brammer

Do UOL

14/12/2016 06h03

O fim do casamento de Zezé Di Camargo e Zilú veio à tona em 2014, mas ainda hoje notícias sobre conflitos da filha mais velha do cantor, Wanessa, de 33 anos, com a atual namorada do artista, têm espaço na mídia. Por que, mesmo para filhos adultos, é difícil lidar com a separação dos pais?

Em seu consultório, a psicóloga Tatiana Leite, especializada em terapia de família pela PUC (Pontifícia Universidade Católica) de São Paulo, atende tanto crianças e adolescentes quanto adultos afetados pelo divórcio dos pais.

Tatiana fala que o conflito acontece porque o filho –movido por um sentimento de lealdade— vê-se impelido a escolher um lado, geralmente aquele que parece mais fragilizado, o que não “provocou” a separação. Ao contrário do que muitos imaginam, os adultos, apesar de terem mais repertório emocional do que as crianças, muitas vezes, têm mais inclinação a tomar partido de um dos lados.

“Mesmo que um dos pais tenha sido mais egoísta, o outro permitiu que acontecesse. Não há apenas uma vítima na separação. Ela é construída pelos dois”, afirma a psicoterapeuta de família Miriam Barros.

Tatiana Leite fala que os filhos adultos costumam alimentar a fantasia de que falharam e que poderiam ter ajudado o pai e a mãe, confundindo a vida deles como casal com a da família.

“É uma dificuldade de olhar para os pais e entender que, como qualquer pessoa, eles podem fazer escolhas que parecem erradas. Passam a desconfiar da identidade daquele pai ou mãe”, declara a terapeuta.

Segundo Tatiana, o primeiro passo na superação do conflito é separar o casamento dos pais da instituição família. “É sempre possível resgatar as relações, mesmo que demore um tempo. O filho vai ter de se reorganizar socialmente. Entender que não existe mais o almoço de domingo na casa dos pais, mas, sim, encontros na da mãe ou na do pai.”

Para Miriam, a forma como os filhos lidarão com a separação dos pais vem, em grande parte, de como esses conduzem a situação. “Eles têm de demonstrar mais maturidade, por mais feridos que estejam. Se encaram os problemas como sendo seus, se não se vitimizam, os filhos tendem a encarar de maneira mais tranquila.”

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Agência Estado
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo