Comportamento

É justo? Na maioria dos países com aborto legal, pai é ignorado na decisão

Getty Images
Para psiquiatra Alexandre Saadeh, excluir o pai da decisão de ter ou não o filho é violento Imagem: Getty Images

Adriana Nogueira

Do UOL

16/12/2016 06h01

A decisão da primeira turma do STF (Supremo Tribunal Federal) de que praticar aborto nos três primeiros meses de gestação não é crime reacendeu a discussão sobre o tema. Se o aborto fosse descriminalizado –o que ainda não aconteceu, embora tenha aberto precedentes para futuras decisões do gênero–, o pai poderia se colocar contra o aborto e impedi-lo? Nos países onde a prática é legalizada, a opção é pelo "não".

Segundo o advogado George Augusto Niaradi, presidente da Comissão de Relações Internacionais da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de São Paulo, em Portugal, na Alemanha e nos Estados Unidos, países em que o aborto é legal, o pai --seja casado ou não com a mulher-- não tem direito de impedir o procedimento.

Levantamento do Center for Reproductive Rights --ONG com sede em Nova York, nos Estadis Unidos, dedicada aos direitos reprodutivos--, dos 68 países que permitem o aborto sem restrição no mundo, apenas Japão, Taiwan e Turquia exigem autorização do cônjugue. De acordo com o mesmo documento, entre outras 157 nações em que o aborto pode ser feito sob algumas circunstâncias, só em 13 têm a mesma exigência.

Pai deveria ter direito? Especialistas divergem

Ainda que do ponto de vista legal, o tema seja tratado como uma questão sobre o direito individual da mulher, o psiquiatra Alexandre Saadeh, médico supervisor do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo), afirma que, quanto mais importante o vínculo entre o casal, mais o homem tem de ser ouvido na decisão.

O pai tem o direito de impedir a mulher de abortar?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

“Ainda mais se a possibilidade de ter filhos tiver sido aventada entre eles. Nesse caso, o filho é uma construção dos dois. Excluí-lo da decisão é uma coisa violenta”, diz Saadeh.

Em uma relação estável, a mulher não pode decidir sozinha o que fazer, de acordo com o especialista. “Tanto que, pela legislação, a criança é responsabilidade do casal”, fala o psiquiatra.

Mas, segundo Saadeh, não bastaria que o homem quisesse fazer valer sua vontade de ter um filho, ele teria de demonstrar para a mulher de que maneiras dividiria com ela as responsabilidades pela criança. “Dizer apenas ‘estamos juntos’ é lindo apenas em um filme da Sessão da Tarde.”

Para Saadeh, no entanto, se a gravidez for resultado de uma relação casual, a decisão sobre ter ou não a criança é muito mais da mulher do que do homem. “Se o homem some ou se apaixona por outra, todo o impacto do nascimento do filho recai sobre ela”.

O especialista também diz que as convicções religiosas do homem –não partilhadas pela mulher– também não podem ser determinantes para a decisão de não abortar.

Ainda que reconheça que deva haver um diálogo que preceda a decisão de abortar, no caso de relacionamentos estáveis, a psicóloga Vanessa Canabarro Dios, diretora-executiva da Anis Instituto de Bioética –organização não governamental feminista– diz que cabe à mulher a palavra final sobre o que fazer.

“É o corpo dela que vai engravidar, então, ela precisa estar bem com isso. Precisa ter o desejo de ser mãe”, declara Vanessa. Aos que levantam a possibilidade de a mulher manter a gestação e entregar o bebê para o pai criar, ela rebate em dois aspectos.

Para a psicóloga, estar grávida e não querer pode causar um intenso sofrimento mental para a mulher. “A ONU enviou um parecer para o STF [Supremo Tribunal Federal] que diz que negar o aborto legal a mulheres infectadas pelo vírus zika, e que desejam interromper a gravidez, pode ser uma forma de tortura. Sei que não estamos discutindo fetos possivelmente doentes, mas creio que o raciocínio também vale aqui.”

Vanessa Dios também propõe uma reflexão sobre o julgamento moral que a mulher pode sofrer se aceitar levar a gestação adiante.

“Ela passará a gestação sendo questionada sobre o sexo do bebê, de quanto tempo está... Quando nascer e entregar o bebê para o pai, certamente, será taxada de má, cruel”, fala a psicóloga.

O psiquiatra Saadeh concorda com Vanessa nesse ponto. “No nosso mundo preconceituoso, ela seria vista como uma megera e ele, como um fofo.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
"Fui marmita de traficante"
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Astrologia S/A
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo