Equilíbrio

Nova Globeleza vai mudar estereótipo da mulher brasileira, diz socióloga

Natália Eiras

Do UOL

09/01/2017 14h18

Desde 1991, a Globo elege uma mulher para ser a musa do Carnaval da emissora, a Globeleza. A personagem, sempre negra, aparecia sambando com pouquíssima ou nenhuma roupa, apenas coberta por pintura corporal. Porém, 26 anos depois de seu lançamento, o canal de TV resolveu mudar: vestiu a Globeleza. Além de mostrar casais de mestre-sala e porta-bandeira, de frevo e outras "variantes" do Carnaval brasileiro. "Ainda bem que isto aconteceu. É bom que eles [A Globo] estejam mostrando exatamente como é o Carnaval brasileiro", opina a doutora Rosana Schwartz, professora de sociologia e líder do Núcleo de Estudos de Gênero, Raça/Etnia da Universidade Presbiteriana Mackenzie, de São Paulo (SP).

A mudança na vinheta de Carnaval foi muito bem aceita por pessoas envolvidas na militância negra e dos direitos da mulher. Por quê? Segundo Schwartz, "você sabe os avanços da história pela representação do corpo". A especialista diz, no entanto, para não sermos moralistas: a nudez feminina não é proibida, mas quando é usada para fins comerciais, como a propaganda de uma programação de TV, transforma a mulher em um objeto. Sexual, no caso. "Você pode fazer o que quiser com o seu corpo, mas quando a mídia usa a nudez de uma mulher está reforçando o machismo e o sexismo", explica.

Além disso, é bastante importante a nova vinheta ter incluído homens e mulheres dançando outros ritmos, como o frevo, já que o Carnaval é muito ligado à identidade brasileira e há uma variedade de formas de ser festejado. "Tirando o corpo nu, a gente tira o estereótipo de que a brasileira é super-sexualizada", fala Schwartz. Esse tipo de visão, bastante forte no exterior, afeta principalmente as mulheres pardas. "Existe esta cultura que vem desde a época da escravidão de que a mulher de pele escura serve para satisfazer o prazer sexual dos homens, então ela é muito vulgarizada", pontua.

A nova Globeleza é, de acordo com Rosana, uma vitória da sociedade em geral. "Mostra que há um movimento geral para mudarmos os estereótipos de gênero e de raça e a Globo percebeu que tinha que acompanhar", fala a professora. E esta pequena alteração na vinheta pode mudar as coisas lá na frente, já que a especialista acredita que são as pequenas coisas cotidianas que fazem a diferença. "Daqui a dez ou 15 anos, vamos ser uma sociedade muito mais igualitária".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Agência Estado
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo