Vida no trabalho

7 frases que demonstram insegurança e devem ser evitadas no trabalho

Do UOL, em São Paulo

23/01/2017 09h46

Em tempos de instabilidade geral, o desemprego já chegou à casa dos 12 milhões de brasileiros. E quem não transmite segurança para lidar com os diferentes desafios que surgem no dia a dia de trabalho tem mais chances de engrossar essas estatísticas. A postura fica evidente em todas as comunicações, orais ou por escrito, e pode prejudicar a credibilidade diante de colegas e gestores. O UOL conversou com especialistas em carreira e listou as frases que demonstram vulnerabilidade. Se usadas em excesso, elas podem colocar sua posição em risco.

1 “Desculpe, mas preciso pedir...”

Desculpar-se antes de dizer algo demonstra grande necessidade de validação. Quem inicia uma conversa assim também pode passar a sensação de que há algo errado no conteúdo que virá a seguir, contribuindo para instalar um clima de desconfiança. De acordo com Larissa Meiglin, supervisora de Assessoria de Carreira da Catho, ir direto ao ponto e pedir logo o que necessita é a melhor saída. Para passar seriedade e confiança, formule algo como: “Pode fazer isso, por gentileza?”.

2 “Sei que a pergunta é boba, mas o que é...”
Não menospreze suas dúvidas. Afinal, se o próprio interlocutor considera irrelevante o que deseja saber, qual a razão de demandar tempo de outro profissional para esclarecer tal ponto? Seja qual for, seu questionamento deve ser feito no momento adequado e pode ser importante para confirmar ou alinhar uma decisão que impactará o futuro da empresa. De acordo com Alexandre Slivnik, diretor do IBEX (Institute for Business Excellence) e do IDEPRO (Instituto de Desenvolvimento Profissional), perguntar é, na verdade, uma ótima maneira de mostrar-se participativo. Para causar um impacto totalmente diferente, diga apenas: “Gostaria de confirmar com você...”.

3 “Pode ser que eu esteja errado, mas...”
A frase expressa dúvida e falta de preparo, o que imediatamente diminui a credibilidade diante do interlocutor. Segundo Meiglin, no mundo corporativo, as certezas são importantes: ou o profissional sabe ou não sabe. “Se ainda está estudando ou planejando, seja verdadeiro e diga que os dados devem passar por um estudo ou, então,  apresente os resultados parciais”, orienta a especialista. Nas demais situações, seja objetivo e exprima sua opinião sobre o assunto afirmando: “Minha percepção é...”.

4 “Tivemos um probleminha com...”
O uso do diminutivo ao explicar situações ou justificar resultados mostra que o profissional não se sente confortável com o dado informado e quer mascarar a realidade. “Conte o que aconteceu, ressalte que identificou o problema e, principalmente, diga qual é o plano de ação que aplicará para que isso não volte a acontecer”, aconselha Meiglin. Para demonstrar confiança e competência, inicie a conversa com a seguinte expressão: “Identifiquei um problema...”.

5 “Não sei se vou dar conta, mas...”
Se você está sendo escalado para desempenhar novas atividades é sinal de que seus gestores confiam na sua capacidade de assumir esses desafios. Porém, se você se mostrar receoso diante da investida poderá deixá-los em dúvida sobre a viabilidade da decisão tomada. Para não correr o risco de ficar sobrecarregado, mas ao mesmo tempo demonstrar potencial para executar as tarefas solicitadas, a orientação de Luis Fernando Martins, diretor da Hays Response, empresa de seleção de talentos, é se prontificar a assumi-las para, num segundo momento, mostrar ao seu gestor como estão as suas demandas. Por último, alinhe com ele as prioridades. Basta perguntar: “Qual tarefa devo priorizar nesse momento?”.

6 “Pelo que fiquei sabendo...”
Repassar informações que não são suas sem verificar se são verdadeiras pode prejudicar sua credibilidade, principalmente se o conteúdo da comunicação for relevante. É o alerta de Marcos Vono, gestor de recursos humanos da Oper Group, companhia que presta consultoria de desenvolvimento humano e organizacional. Se não for possível guardar a informação até confirmar se ela tem consistência ou não, ao menos diga que está verificando o que ouviu. Usar a frase: “Embora ainda esteja checando a veracidade dos fatos, ouvi algumas informações...” é muito mais apropriado.

7 “Eu acho...”
Se não tem certeza de algo, diga que não se sente confortável para falar sobre o assunto e que vai se informar a respeito antes de tomar partido. A expressão “eu acho” transmite insegurança e pode dar a entender que o profissional quer fugir da responsabilidade. “É como se a pessoa se ausentasse da culpa, caso algo dê errado”, diz Meiglin. Segundo Slivnik, a palavra “entendimento” é mais apropriada, pois demonstra embasamento conceitual e, por isso, passa credibilidade. Substitua a expressão por “No meu entendimento, ...”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Comportamento
BBC
Redação
BBC
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Redação
UOL Estilo
do UOL
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Plano de Carreira - Daniela Lago
Escolha Sua Vida
Redação
Topo