Vida no trabalho

Mulher é discriminada em processo para vaga de emprego por ser mãe

Reprodução/Facebook
Sonia Tomiyoshi e os filhos, Lucas e Maria Imagem: Reprodução/Facebook

Anna Fagundes

Do UOL

06/02/2017 15h47

Sonia Tomiyoshi é especialista em planejamento financeiro, com duas graduações, uma pós-graduação e experiência na área de gerência. No entanto, isso tudo não foi suficiente para conseguir uma vaga em um processo seletivo para ser gerente financeira e de controladoria. O motivo? Sonia tem dois filhos --e a empresa acreditou que ela não seria capaz de se dedicar à função por causa das crianças. 

"Estava participando do processo há dois meses, estava tudo correndo perfeitamente. Tanto que a empresa disse que eu era uma das finalistas à vaga", explicou Sonia. "No entanto, eles me informaram que, apesar de eu ter ido bem no processo, eles iriam procurar outras pessoas com um perfil parecido com o meu. Achei estranho, mas participei novamente dos testes e entrevistas."

Sonia tinha informado no começo da seleção que era mãe de dois filhos --Lucas, com cinco anos, e Maria Lara, com um ano e oito meses-- e que havia estrutura familiar para cuidar das crianças. "Não sou nenhuma aventureira, tenho experiência em cargos de gestão. Mas, pelo telefone, uma representante do RH disse que, apesar de ter sido muito bem avaliada, a empresa achou melhor não me contratar porque, tendo filhos pequenos, eu não poderia me dedicar de maneira condizente à função."

Você já sofreu discriminação no trabalho por causa dos filhos?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Desabafo

Sonia postou um texto relatando sua história em um grupo de mães no Facebook "apenas para desabafar", segundo ela. "Estava entristecida pela situação como um todo." A reação ao texto, porém, trouxe uma surpresa: "Muitas outras mães começaram a relatar coisas parecidas." 

A discriminação em entrevistas de emprego por raça, gênero, idade ou número de filhos é proibida pela Constituição Federal, mas Sonia não pretende entrar com processo. Segundo ela, o objetivo de seu desabafo é promover uma discussão maior sobre o assunto.

"Se tenho um filho e estou no mercado de trabalho, não consigo desempenhar bem minhas tarefas. Se não tenho filhos, a sociedade cobra. E se espero que os filhos cresçam para voltar a trabalhar, fico desatualizada, 'velha' para o mercado. As empresas precisam pensar melhor em como lidar com as profissionais que são mães", diz.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Comportamento
BBC
Redação
BBC
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Redação
UOL Estilo
do UOL
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Plano de Carreira - Daniela Lago
Escolha Sua Vida
Redação
Redação
BBC
Redação
Escolha Sua Vida
Comportamento
Redação
Redação
Redação
BBC
Topo