Relacionamento

Igual ao "mozão"? Ciência lista 5 comportamentos típicos de relações longas

Do UOL, em São Paulo

09/02/2017 18h28

Ter um relacionamento amoroso de muitos anos pode mudar a maneira como você vê o mundo, e seu parceiro também muda um pouco você. Mais importante ainda: essa ligação pode trazer uma maneira inteiramente diferente de pensar e agir.

É o que diz o especialista em psiquiatria e psicologia Joshua Wolf Shenk, autor de "Power of Two: Finding the Essence of Innovation in Creative Pairs" (Poder de dois: Encontrando a Essência da Inovação em Pares Criativos, em tradução livre), que aposta até na existência de uma "mente compartilhada".

Como funciona esse conceito? O site Business Insider foi atrás de sinais que os especialistas observam em casais juntos há muito tempo. Será que você e seu parceiro estão em total sintonia?

Idioma próprio

Reprodução/Instagram/
Gracyanne Barbosa e Belo estão juntos desde 2007 Imagem: Reprodução/Instagram/

Essa linguagem "privilegiada" é um dos primeiros sinais de que os dois estão operando em sincronia, escreveu Shenk. De acordo com um estudo de Robert Hooper, professor de comunicação da Universidade do Texas, a comunicação secreta promove duas coisas: ajuda a aprofundar o vínculo - romântico ou platônico - e estabelece uma identidade única e compartilhada.

E a linguagem íntima pode incluir tudo, desde piadas internas até apelidos, É o que garante Carol Bruess, psicóloga da Universidade Estadual de Ohio, em seu estudo sobre casais românticos. A pesquisa sugere uma ligação entre a frequência com que os parceiros usam essas palavras entre si e a satisfação com o relacionamento: quanto mais frequente o uso de frases "secretas", mais felizes eram os casais.

Zero autocensura

João Miguel Júnior/Globo
Taís Araújo e Lázaro Ramos estão juntos há mais de 12 anos Imagem: João Miguel Júnior/Globo

A forma como a maioria de nós fala com estranhos, conhecidos e até amigos próximos é bem diferente do modo como nos comunicamos quando estamos sozinhos com o nosso parceiro. Isso porque, com os "outros", a maioria de nós possui um "autocensor".

Ou seja: tentamos agradar as pessoas ao redor, adaptando nosso comportamento para atender ao deles. Contudo, quando estamos ao lado de um parceiro íntimo, passamos a falar "fluída e naturalmente", escreveu Shenk.

Dessa forma, deixamos de pensar muito antes de falar, nos tornando mais francos e abertos. Muitos dos casais que Shenk fala em seu livro possuem esse tipo de relacionamento.

Mesmos movimentos

Reprodução/Instagram
Luciano Huck e Angélica Imagem: Reprodução/Instagram

Pesquisas sugerem que os casais são mais propensos a espelhar a linguagem corporal uns dos outros - o que por sua vez os faz parecer iguais - porque eles estão extraindo uma riqueza de conhecimento que apenas eles compartilham.

Essa "informação privilegiada" - todas as suas experiências e memórias - reflete em seus gestos e postura, além de palavras e frases que os dois só usam entre eles.

Um estudo de 2007, por exemplo, descobriu que as pessoas eram mais propensas a copiar o olhar do outro olho quando ambos ouviam a mesma informação em uma conversa com terceiros.

Discurso parecido

Reprodução/Instagram/@gio_ewbank
Bruno Gagliasso e Giovanna Ewbank estão juntos há mais de seis anos Imagem: Reprodução/Instagram/@gio_ewbank

Além de ter seu próprio vocabulário privado, casais de longo prazo, eventualmente, "começam a corresponder entre si nos ritmos básicos e estruturas sintáticas de seu discurso", escreve Shenk.

Parte disso é resultado de um fenômeno que os psicólogos chamam de "contágio emocional". Basicamente, quando duas pessoas passam bastante tempo juntas, elas começam a corresponder os padrões de fala. Nós imitamos tudo, desde o sotaque da outra pessoa até a quantidade e duração das pausas que ele ou ela coloca entre palavras e frases.

Há alguma evidência que sugere que esses padrões de comunicação podem até servir como um indicador de quanto tempo um casal pode ficar juntos. Parte de um estudo de 2010 sobre o uso da linguagem entre casais analisou suas mensagens de texto.

Eles descobriram, por exemplo, que quando duas pessoas "soavam" mais parecidas - em termos de palavras e estrutura de linguagem que utilizavam em suas conversas - era mais provável que estivessem juntas três meses mais tarde.

Parecem irmãos

Michael Loccisano/Getty Images
Tom Brady e Gisele Bündchen estão juntos há quase 12 anos Imagem: Michael Loccisano/Getty Images

Em seu influente estudo de 1987, o psicólogo Robert Zajonc descobriu que há uma razão muito óbvia sobre o fato dos casais começarem a "se parecer". Segundo ele, isso acontece porque ambos usam os mesmos músculos tantas vezes que, com o tempo, eles passam a se espelhar.

Esta coordenação do movimento não é acidental, diz Shenk. Em vez disso, ela "reflete o que os psicólogos chamam de" estrutura de coordenação compartilhada ", que inclui como harmonizamos nosso olhar e corpo, além dos pequenos maneirismos e idiossincrasias de como falamos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Comportamento
Redação
do UOL
Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
UOL Estilo
Comportamento
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo