Comportamento

No aniversário de Hebe, veja cinco fatos feministas sobre a apresentadora

Francisco Cepeda/AgNews
Hebe Camargo apresentando o programa "Hebe", na Rede TV!, em 2012 Imagem: Francisco Cepeda/AgNews

Do UOL, em São Paulo

08/03/2017 18h32

Considerada a eterna rainha da TV brasileira, Hebe Camargo completaria 88 anos nesta quarta-feira, 8 de março. Aproveitando que a celebração aconteceria na mesma data do Dia Internacional da Mulher, mostramos algumas passagens de sua vida para comprovar o quanto ela já mostrou seu lado "girl power" desde sempre. Confira!

Marco na televisão

Reprodução
Hebe quando apresentava "O Mundo é das Mulheres" Imagem: Reprodução

Hebe teve a honra de comandar o primeiro programa feminino da TV brasileira, em 1955. A atração, intitulada "O Mundo é das Mulheres", era dirigida por Walter Foster e transmitida pela TV Paulista. Também foi apresentada por outras mulheres, como Vida Alves e Wilma Bentivegna.

Hebe comentou sobre o programa durante uma entrevista para a revista Imprensa, em 1998: "A gente trazia escritores, atores, políticos e era muito engraçado, porque todos contestavam:'Imagine se o mundo é das mulheres'. Vocês não sabem de nada, nós é que mandamos'...eles acabavam se entregando."

Ela ainda apresentou o "Hebe por Elas", já no SBT, anos mais tarde. Segundo a própria apresentadora, era um local no qual as mulheres tinham o direito de falar tudo o que queriam, comentar seus problemas. "Depois que fiquei independente, nunca dependi de homem... faço o que quero. Se quiser comprar alguma coisa, compro. Não pergunto...se devo", contou.

Sem a tradição

Ruy Costa - 13.jul.1974/Acervo UH/Folhapress
Hebe Camargo com seu noivo, Décio Capuano (1964) Imagem: Ruy Costa - 13.jul.1974/Acervo UH/Folhapress

Hebe estava com 35 anos quando se casou no civil e no religioso com o empresário Décio Capuano em julho de 1964. E nada do tradicional branco. Como já não era mais virgem, optou por um vestido rosa. No ano seguinte, deu à luz a seu único filho, Marcello.

Como seu marido era bastante ciumento, não aceitando sua carreira de sucesso, Hebe optou por largar tudo, deixando o programa "O Mundo é das Mulheres". "Casei, saí e falei: 'quero ser dona de casa, mãe de família'. Eu ganhava mil cruzeiros por mês. Era um salário formidável em 1965", contou na mesma entrevista para a revista Imprensa. Segundo ela, a condição para o casamento era deixar a televisão. "E eu, bobinha, saí", disse. 

Problemas no paraíso

José Nascimento - 20.out.65/Folhapress
Hebe com seu filho Marcello no dia em que ele completou um mês (1965) Imagem: José Nascimento - 20.out.65/Folhapress

A apresentadora, então, recebeu uma proposta para fazer um programa na Rádio Excelsior e topou voltar a trabalhar, pois montaram um pequeno estúdio em sua casa e ela pode continuar cuidando do filho. No entanto, a relação não aguentou o fato do marido a acusar de estar trabalhando demais. 

Sem medo das opiniões alheias, em 1971, Hebe saiu de casa levando o filho e o casal se divorciou no mesmo ano. Após esse período turbulento, ela conheceu o empresário Lélio Ravagnani, com quem se casou em 1973 e viveu junto por 29 anos, até a morte dele, em 2000.

Assumiu ter feito um aborto

Reprodução
Imagem: Reprodução

Hebe contou para a revista "Veja" que engravidou de seu primeiro namorado, aos 18 anos. Sem alternativas, e com medo de ser expulsa de casa por conta do vexame que os pais passariam ao terem uma filha sem marido e com filho, optou por fazer um aborto sem contar para ninguém, após ser abandonada pelo parceiro.

Corria o ano de 1947, quando procurou uma casa clandestina e passou pelo procedimento sem nenhum tipo de anestesia. "Sou católica, mas defendo o aborto em alguns casos. A filha de uma conhecida minha foi estuprada e a família não quis o aborto. Foi pior: o filho nasceu com a cara do estuprador. É um estigma para o resto da vida. Num caso desses, como a Igreja pode ser contra?",

Loira por quê?

Hebe contou para a revista Imprensa que era morena, com direito a cabelo na cintura. Então, certa vez, foi para os Estados Unidos e achou lindo aquele monte de mulheres loiras. "Quando voltei, comecei a oxigenar o cabelo. Mais tarde, clareei", contou. Quando se casou, decidiu voltar a ser morena, mas lembra não ter se adaptado, pois todas as suas roupas eram feitas para loiras. Clareou os fios de novo e assim ficou até o final.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
UOL Estilo
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
BBC
Redação
Blog da Morango
Topo