Vida no trabalho

Homem e mulher trocam de papéis e sexismo no trabalho fica bem claro

Fotos Reprodução/Twitter
Por duas semanas, Martin R. Schneider mandou e-mails de trabalho assinando como Nicole Pieri Imagem: Fotos Reprodução/Twitter

Do UOL

Martin R. Schneider e Nicole Pieri trabalhavam em uma pequena empresa de recolocação profissional na cidade de Filadélfia, nos Estados Unidos, na qual ele era supervisor dela. O chefe de ambos sempre reclamou que Nicole tinha dificuldade em lidar com os clientes, por isso Martin acabou por assumir a tarefa, acreditando que se saía melhor por ter mais experiência.

Um dia, acidentalmente, ele mandou um e-mail para um cliente assinado como Nicole, os dois compartilhavam o mesmo endereço, identificando as mensagens de um e de outro com uma assinatura.

O cliente respondeu rudemente, de uma maneira que nunca havia respondido. Intrigado, ele mandou novas mensagens e as respostas continuaram grosseiras ou de desprezo, quando ele quis fazer sugestões para resolver o assunto de que tratavam. Foi quando ele percebeu que havia mandado os e-mails assinando como Nicole. Ao perceber o equívoco, ele alterou a assinatura para o seu nome e, surpresa, a resposta do cliente foi completamente outra. Intrigado, Martin resolveu fazer um experimento, que ele relatou em sua conta no Twitter.

Durante duas semanas, Martin assinou os e-mails como Nicole e vice-versa. O supervisou contou que enquanto ela teve as semanas mais produtivas da carreira, ele teve suas sugestões ignoradas, recebeu respostas rudes e até foi questionado se era solteiro.

Embora ele tenha ficado em choque, Martin contou que Nicole sabia que era tratada diferente só por ser mulher e que, a todo momento, precisava provar que merecia respeito.

Depois do experimento, Martin e Nicole foram, enfim, conversar com o chefe de ambos, que, a despeito das evidências, recusou-se a reconhecer que o sexismo afetava o trabalho dela.

“Mesmo com todas as evidências gritando para ele. Mesmo quando o funcionário que é lucrativo para a empresa, mesmo quando o homem da equipe conta para ele. Ele se recusava a acreditar”, escreveu Nicole no site “Medium”, em que deu a sua visão da experiência.

Diante da recusa do chefe de compreender a situação, Nicole pediu demissão e decidiu trabalhar como freelance. “Em um escritório de uma pessoa só, pude, enfim, baixar minha guarda.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Comportamento
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Plano de Carreira - Daniela Lago
Escolha Sua Vida
Redação
Redação
BBC
Redação
Escolha Sua Vida
Comportamento
Redação
Redação
Redação
BBC
Comportamento
Glamurama
Comportamento
Comportamento
Plano de Carreira - Daniela Lago
Webmasters
Folha de S. Paulo
Glamurama
Redação
Escolha Sua Vida
BBC
Folha de S.Paulo
Folha de S.Paulo
Bloomberg
Escolha Sua Vida
Comportamento
Empregos e Carreiras - do UOL
UOL Economia
Redação
Redação
do UOL
Empregos e Carreiras - do UOL
Topo