Equilíbrio

Há 7 anos na Noruega, brasileira diz como vive no país mais feliz do mundo

Arquivo pessoal
Cristina vive em Oslo há 7 anos Imagem: Arquivo pessoal

Melissa Diniz

Do UOL

26/03/2017 04h00

O Relatório Mundial da Felicidade 2017, elaborado pela Rede de Soluções de Desenvolvimento Sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas) e divulgado na última segunda-feira (20), apontou a Noruega como o país mais feliz do mundo. Para elaborar a lista, que contempla 155 nações, a entidade levou em conta diversos fatores, como PIB (produto interno bruto) per capita, expectativa de vida, ausência de corrupção e generosidade dos habitantes.

Há sete anos no país, a cabeleireira brasileira Cristina Miranda-Christensen, 47, contou ao UOL as vantagens de se viver lá.

“Eu me mudei por amor”

Moro fora do Brasil há 17 anos, sete deles na Noruega. Antes, eu vivi em Miami, nos Estados Unidos, onde conheci meu ex-marido, que é norueguês. Ele foi passar férias lá e nos apaixonamos. Durante um ano, nos encontramos várias vezes, até que decidimos nos casar e então me mudei por amor para a capital, Oslo, cidade com cerca de 600 mil habitantes. Nós ficamos casados por cinco anos, mas acabamos nos separando. Hoje somos amigos.

Mudar para cá foi um renascer para mim. Não posso reclamar da vida que tinha no Brasil, mas aqui as pessoas respeitam as leis e uns aos outros. Acho que o brasileiro, hoje em dia, não sabe mais a diferença entre o que é certo e o que é errado.

“Aqui existe tradição de igualdade e senso de justiça”

Viver na Noruega é se sentir livre, protegido e seguro. Todas as pessoas com residência legal têm os mesmos direitos dos nativos. Não existe discriminação, todos são iguais. Os estrangeiros são tratados com respeito e os refugiados são muito bem recebidos.

A sociedade aqui caracteriza-se por uma forte tradição de igualdade e um senso de justiça muito grande. O mais importante é a legalização. Ninguém vive ilegal, todos precisam ter um visto que permita a residência.

Quem mora há mais de sete anos no país tem direito de pedir a cidadania, para isso, é necessário fazer aulas de norueguês, um curso de estudos sociais para aprender como funciona o país e a sua história. E providenciar documentos, como a certidão de nascimento traduzida para o inglês ou norueguês. Hoje em dia, já tenho cidadania norueguesa, o que facilita na questão de poder trabalhar e morar em outros países da Europa.

“Aprendi outra língua e um novo ofício”

Em Miami, eu trabalhava em uma companhia de seguro de saúde internacional que também tem escritório no Brasil. Quando me mudei para a Noruega, sabia que a língua seria uma barreira para poder trabalhar na mesma área, então, depois de estudar o norueguês, que é um idioma bem difícil e muito diferente do português, resolvi mudar de ramo e me tornei cabeleireira. Para isso, me formei na melhor escola da Europa, chamada “Adam og Eva Skolen”. Fiz um curso de seis meses, com aulas diárias, e um ano de estágio em um salão. Depois, abri meu próprio espaço de trabalho.

“Sinto falta do calor, inclusive o humano”

Tento ir ao Brasil uma vez por ano, geralmente no fim do ano, assim vejo a família, os amigos e saio um pouco do inverno. De dezembro a fevereiro, aqui faz muito frio. Já peguei 22 graus negativos. Mas faz calor também, julho é o mês mais quente. Em 2014, chegou a fazer 37 graus.

Eu tenho saudade do clima do Brasil e do mar, pois sou nascida e criada no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro. O calor humano também faz muita falta, as pessoas de países nórdicos tendem a ser um pouco mais contidas.

“Os dias curtos nos deixam sensíveis e vulneráveis”

Arquivo pessoal
Nas Festas, a saudade da família aumenta Imagem: Arquivo pessoal

Eu saí do Brasil no ano 2.000 e, no começo, foi muito difícil, ainda não tínhamos essas facilidades de hoje em dia, como o smartphone, que permite a comunicação e em tempo real com as pessoas. Viver longe da família e dos amigos é muito dolorido. Aqui, no inverno, temos dias curtos e longas noites e isso nos deixa mais sensíveis e vulneráveis.

As piores épocas são as festivas, Páscoa, Natal, Ano Novo, aniversários. A vontade de estar junto deles chega a doer. Mas nunca perdi contato com meus amigos no Brasil, estamos sempre conversando por mensagens e pelas redes sociais.

“Temos diversos benefícios sociais”

Os benefícios sociais aqui são excelentes. As empresas são obrigadas a dar 40% das vagas para pessoas do sexo feminino e 75% das mulheres trabalham fora. Para o governo, isso representa maior atividade na economia e um número maior de pessoas pagando impostos, que são altos, mas muito bem utilizados. O custo de vida também é elevado, assim como os salários.

A Noruega prioriza gastos com educação, não há desigualdade, nem individualismo, todos prezam o bem comum.

É possível comprar as passagens mensais para os transportes públicos, podendo usar em todos os meios (ônibus, trem, bonde e metrô), sem limite de viagens.

As licenças maternidade e paternidade são outro diferencial. As mães têm o direito de ficar em casa durante nove meses após o bebê nascer e os pais podem ficar quatro meses, depois do término da licença da mãe. O governo também dá auxílio financeiro nos primeiros anos de vida dos filhos, asilo para os idosos com uma infraestrutura fenomenal. Pessoas desempregadas são ajudadas por um órgão governamental para que consigam se recolocar no mercado.

“Bebidas alcoólicas e cigarro custam caro”

Arquivo pessoal
Julho é o mês mais quente no país Imagem: Arquivo pessoal

Cigarro e bebidas alcoólicas custam caro e a lei não permite dirigir após consumir álcool. Além disso, durante a semana não é possível comprar bebidas no mercado após às 20h, aos sábados após às 18h e aos domingos em nenhum horário. Apenas é permitido beber nos bares, onde um copo de cerveja de 500 ml sai pelo equivalente a R$ 30.

O País tenta diminuir os índices de alcoolismo, afinal, no frio, aumenta o consumo. A bebida típica do frio é o “aquavit”, um destilado que é uma espécie de cachaça deles.

"Muitas diferenças culturais”

Os noruegueses são criados desde de pequenos a serem independentes, então, no primeiro contato, achamos que são mal-educados. Mas, na verdade, é só a cultura que é diferente. Eles não invadem a privacidade das pessoas, ninguém toma conta da vida de ninguém. Se você precisa de ajuda, tem que pedir, eles jamais vão se oferecer porque respeitam o espaço do outro. Nunca vão bater na sua porta sem ligar ou avisar, mas são divertidos quando você os conhece melhor, têm humor sarcástico.

Uma vez falei para meu ex-marido convidar o pai dele para jantar conosco depois do trabalho, ele ficou meio estressado e agitado porque não tínhamos avisado com antecedência. Tudo tem que estar no calendário, anotado e organizado.

“A educação é o maior diferencial do país”

Arquivo pessoal
Da esq. para a dir., os brasileiros Christian, Bianca, Elton, Cátia e Cristina, que se unem para afastar a saudade Imagem: Arquivo pessoal

A educação é de primeira qualidade, começam a estudar nas creches, a partir de um ano, e não param mais. As escolas são bem estruturadas e ninguém “passa de ano” por uma prova final, é um acúmulo de pontos que vai afetar toda a vida acadêmica, até a escolha da profissão. Por exemplo, quem quer fazer faculdade de medicina e não tem pontuação suficiente terá que escolher outro curso. 

A saúde também funciona bem, temos um médico de família (clínico geral) e esse vai mandar o paciente para um especialista se for necessário. Os medicamentos não são muito caros e, a partir de um certo valor, o remédio passa a ser responsabilidade do social.

É lógico que estamos falando de um país com 5 milhões de habitantes, o que facilita a organização e o controle monetário. A Noruega é uma monarquia com uma democracia parlamentar. Temos um primeiro ministro, que é o chefe de Estado, e junto com os parlamentares decidem o futuro do país.

“Bom lugar para se viver”

Os noruegueses têm uma ligação muito forte com a natureza, adoram praticar esportes em parques, bosques, amam esquiar, é como se fosse o futebol para nós, brasileiros. A gastronomia típica aqui é à base de salmão, bacalhau fresco, carne de alce e de carneiro.

A Noruega é um país muito bom de se viver, aqui a gente tem uma vida mais saudável e tranquila. Se as pessoas têm a cabeça aberta para entender a cultura e respeitam as leis podem ser muito felizes. Aqui não tem jeitinho.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Redação
Redação
Redação
Agência Estado
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo