Comportamento

Ataques machistas a Titi Müller "amolam faca" de quem mata, diz antropóloga

Getty Images
Imagem: Getty Images

Denise de Almeida

Do UOL

28/03/2017 17h12

Após se manifestar contra as letras machistas de um dos DJs no Lollapalooza, a apresentadora Titi Müller recebeu apoio de seguidores e até do canal Bis, do Grupo Globosat, em que trabalha, mas também surgiram muitas críticas à atitude -- e até internautas dizendo que ela deveria ser demitida. Por que o discurso contra o machismo incomoda tanta gente?

A matéria publicada pelo UOL sobre o episódio de Titi recebeu comentários como “Se acha que lavar louça te faz menos mulher, então nasça homem”, “Quem paga seu salário somos nós, e não estamos nem um pouco interessados em ouvir seus chiliques feministas” e “Que mulherzinha ridícula!”.

Para Ana Paula Passarelli, coordenadora do curso Gênero na Publicidade na ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), mensagens machistas são tão comuns na música que muita gente nem percebe. "Quando alguém levanta a ponta do tapete e mostra que o machismo está sendo reproduzido, não só na música, mas em todo lugar, a primeira reação é sempre a negação, principalmente se você não tem conhecimento e repertório para entender aquilo", aponta.

Caroline Freitas, antropóloga e professora da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, concorda que o problema começa quando a sociedade enxerga como natural frases que tratam a mulher como ser inferior. "Tem várias coisas nesse episódio que são bastante reveladoras. O ponto mais importante é o quanto certas coisas são naturalizadas. As pessoas acham que é assim que é". 

Reprodução/Canal Bis
Imagem: Reprodução/Canal Bis

A antropóloga ainda faz a relação entre as mensagens atacando a apresentadora e a violência sofrida pelas mulheres no Brasil, onde a cada sete minutos uma mulher denuncia um episódio de agressão, segundo dados da Central de Atendimento à Mulher (Disque 180), colhidos em 2015, e uma mulher é estuprada no Brasil a cada 11 minutos, segundo estatística recolhida pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 

"As pessoas não percebem que esse tipo de discurso 'amola a faca' dos caras que matam. E os discursos de ódio são o que ensejam os assassinatos, porque eles legitimam esse tipo de postura e de conduta”.

"Os dados da violência contra mulher são assustadores. Não tem como ignorar isso ou achar que é algo normal. Anormal é você olhar para esse monte de dados estatísticos, que são coletados pela Pnad, pelo IBGE, e achar que isso não tem consequência na vida concreta das pessoas”, ressalta Caroline.

“Muita gente confunde machismo e feminismo como opostos”

O desconhecimento do que é o feminismo também é apontado pela antropóloga como motivo para o discurso de Titi ter incomodado tanta gente nas redes sociais. "Muita gente confunde o machismo e feminismo como sendo opostos, como se o feminismo dissesse que as mulheres são melhores, que mulheres tenham que mandar nos homens. E não é isso! O feminismo prega que se respeite todo mundo, que todo mundo tenha seus direitos reconhecidos e assegurados, que ninguém seja tratado como inferior".

Por ser um meio de se atingir muitas pessoas, a televisão deve ser usada para discutir não só o machismo, mas também outras questões importantes, na opinião de Caroline. "Tem que falar também da violência contra as mulheres negras e contra as mulheres transexuais. E quando é uma pessoa que nem a Titi, ainda mais na televisão, isso tem um outro impacto. A fala de uma mulher que é conhecida, admirada, respeitada e ainda considerada bonita acaba tendo muito peso para a sociedade. Ela significa muitas coisas e pode fazer as pessoas pensarem".

Para Ana Paula Passarelli, quem já entendeu o que é machismo precisa desempenhar um papel educacional. "Tem que tentar ajudar a explicar para essas pessoas que o machismo é errado, que deveria ser de outra forma. Que deveríamos ao menos questionar esse modelo. E é isso que a Titi está fazendo. Deveríamos ter cada vez mais pessoas questionando todas as representações que temos em todo o âmbito do entretenimento".

Ana Paula ressalta que será um longo debate. "Vai vir comentário machista, de pessoas que acham que o que estamos questionando é 'mimimi'. Mas entra também no papel da gente, enquanto pessoas que querem que a mudança aconteça, não rebater isso apenas brigando. Não é porque alguém reproduz uma mensagem machista que você não pode ir lá e conversar, explicar como é e como deveria ser. Senão ficamos apensa em uma disputa de egos, e não de opiniões".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
UOL Estilo
do UOL
Comportamento
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
UOL Especiais
Redação
Redação
Comportamento
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Comportamento
UOL Estilo
UOL Estilo
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
UOL Estilo
Blog da Morango
UOL Estilo
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo