Comportamento

Caso de Emilly é comum: dificuldade de enxergar que vive relação abusiva

Reprodução/Facebook
Emilly é consolada pelas colegas de confinamento, Ieda e Vivian, após a saída de Marcos, na segunda (10) Imagem: Reprodução/Facebook

Adriana Nogueira

Do UOL

11/04/2017 13h00

“Ele nunca teria a intenção de me machucar” foi a frase que Emilly usou para expressar sua contrariedade diante da expulsão de Marcos do “Big Brother Brasil”. Ao não se reconhecer como vítima de um relacionamento abusivo, a estudante reproduz um comportamento bastante comum, segundo a professora de psicologia Jaqueline Gomes de Jesus, coordenadora do curso de extensão Feministas nas Trincheiras da Resistência do Instituto Federal do Rio de Janeiro.

“A dificuldade acontece até com mulher que é ameaçada com faca, com arma de fogo. É comum se ouvir: ‘Ah, ele me ama, só estava irritado’. É uma distorção da realidade”, afirma a especialista.

Relacionar comportamentos como o de Marcos com violência também é difícil porque, em geral, começam gradativamente. “Vão acontecendo permissões sutis”, fala Jaqueline. Começa com pressão psicológica, gritos e ofensas, que viram empurrões, beliscões, até que formas mais graves de violência aconteçam.

Getty Images
 De acordo com a juíza Teresa Cristina Cabral Santana Rodrigues dos Santos, integrante da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do Estado de São Paulo, relacionamentos abusivos iniciam-se, em geral, com violência psicológica.

“Primeiro, o homem diz ‘você não pode isso ou aquilo’. E até a violência física começa aos poucos. Um dedo em riste, um chacoalhão, para depois chegar em chutes e socos”, declara Teresa Cristina.

O fato de Emilly encarar de forma “natural” o que aconteceu com ela tem explicações variadas. Há um componente pessoal que só se pode esclarecer ao se conversar com a pessoa sobre sua história de vida, mas há outros culturais.

“O primeiro ponto é que a sociedade atual banaliza a violência, por isso um apertão ou um chacoalhão podem não ser considerados agressões físicas. Esse tipo de percepção vem de homens e mulheres”, fala Jaqueline.

A cultura do “príncipe encantado” também colabora para essa “cegueira” em relação à violência, na opinião da professora. “Como existe a ideia de que a mulher só se completa em um relacionamento, a ideia de que ela tem de perdoar, de que o homem vai melhorar um dia, é reforçada.”
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

BBC
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
"Fui marmita de traficante"
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Blog do Fred Mattos
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Astrologia S/A
do UOL
Redação
Redação
Redação
BBC
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
do UOL
Topo