Equilíbrio

Você não consegue esperar elevador sem olhar o celular? Pode ser microtédio

Getty Images
As esperas obrigatórias do dia a dia podem ser verdadeiras torturas, mas têm solução Imagem: Getty Images

Melissa Diniz

Do UOL

15/04/2017 04h00

Ninguém gosta de esperar, muito menos de perder tempo aguardando em um consultório, na fila do banco ou até no hall de elevador. Feitas a contragosto, essas pausas obrigatórias do dia a dia causam estresse, irritação, aborrecimento e são conhecidas como microtédio.

Autor de um artigo sobre o assunto, publicado em seu blog, o psicólogo Gabriel Cunha Nunes, do Rio de Janeiro, mestre em psicologia clínica pela PUC-Rio, afirma que ouviu o termo pela primeira vez entre 2007 e 2008, quando os smartphones começaram a se popularizar, tornando-se as ferramentas ideais para ocupar a mente em situações como essas.

“O ser humano tem muita dificuldade de lidar com o vazio, talvez porque o vazio máximo seja a morte. Essas pausas, nas quais nos sentimos improdutivos, são vistas como pequenas mortes diárias, o que gera uma sensação nada boa. Por outro lado, são também oportunidades de olhar para si mesmo, de refletir sobre a vida, mas algumas pessoas sentem dor ao fazer isso, principalmente aquelas que enfrentam grandes dramas ou problemas pessoais.”

O mais natural, nesses casos, afirma Nunes, é procurar o escapismo, algo que distraia a mente e afaste as preocupações, como navegar nas redes sociais ou fazer uso de jogos eletrônicos. “Não há nada de errado em querer se distrair para passar o tempo, mas essas pausas também podem ser aproveitadas de maneiras mais criativas”.

Saídas criativas

O especialista lembra o conceito de ócio criativo, elaborado pelo sociólogo italiano Domenico De Masi, que propõe utilizar o tempo com atividades que permitam trabalhar, estudar e se divertir simultaneamente. “O filósofo austríaco Ludwig Josef Johann Wittgenstein (1889-1951) tornou-se jardineiro para ter tempo de pensar e refletir enquanto trabalhava.”

Uma boa maneira de combater o microtédio, afirma Nunes, é recorrer a cursos rápidos. “Hoje, existem escolas de idiomas que oferecem aulas on-line de curta duração e que podem ser feitas em poucos minutos.”

Ocupar a mente aprendendo ou mesmo meditando, afirma o médico homeopata e psicólogo Roberto Debski, diretor da clínica Ser Integral, em Santos (SP), evita que sejamos tomados pelo estresse e pela irritação nos momentos de espera, a ponto de descontar a frustração nos outros. “Eu passo muitas horas no trânsito, o que é bastante estressante. Então comecei a comprar audiolivros em inglês e já ouvi mais de 200 em um ano. Esta é uma maneira de me atualizar na minha área e treinar outro idioma, de outra forma, não teria tempo para isso”, diz.

Pílulas de estudo

Arquivo pessoal
Camila Pereira usa o tempo livre para fazer cursos virtuais Imagem: Arquivo pessoal

Em busca de se aprimorar no trabalho e nos relacionamentos interpessoais, a jornalista Camila Oliveira Pereira, 32, de São Paulo, já fez diversos cursos on-line em uma plataforma de ensino virtual chamada Edusense.

No formato de apresentações em vídeo ou em Power Point, os cursos são focados em desenvolvimento pessoal e duram de 30 a 40 minutos. As aulas são interativas e terminam com uma avaliação. A assinatura mensal custa R$ 19,90 e dá acesso ilimitado.

“Já fiz quase todos os cursos disponíveis, mas o que mais me marcou foi um que ensinava como se relacionar com pessoas que a gente não gosta. Aprendi que elas podem ser nossos mestres, que podemos treinar habilidades, como a paciência, em vez de sentir raiva, e isso trouxe muita qualidade de vida para mim.”

Segundo Guilherme Cavalcante, responsável pelo marketing da Edusense, os maiores diferenciais dos cursos são a rapidez e o fato de democratizarem o aprendizado de liderança. “Os temas mais acessados são os que ensinam competências emocionais, como confiança e assertividade."

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
Redação
Redação
Redação
Agência Estado
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
BBC
Redação
Redação
BBC
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo