Relacionamento

Sua família odeia seu par? Veja 6 formas de lidar com a situação

iStock
Imagem: iStock

Heloísa Noronha

Colaboração para UOL

Em novelas, seriados e filmes, a oposição da família a um romance acaba ajudando a fortalecer a relação em vez de neutralizá-la. Na vida real, a situação costuma ser um pouco menos romântica e mais problemática. Várias podem ser as razões por trás da antipatia pelo par: diferenças de padrão social, cultural, ou financeiro, valores afetivos e emocionais com julgamento moral inflexível, crenças religiosas distintas ou simplesmente uma aversão sem fundamento. Seja qual for o motivo, para o casal viver em paz é preciso ter jogo de cintura para lidar com a situação. Veja algumas dicas para minimizar esse problema:

1. Destaque os pontos bons da pessoa

Para a psicoterapeuta Maura de Albanesi, de São Paulo (SP), uma maneira inteligente de amenizar a birra é enaltecendo, nos ouvidos dos familiares, as qualidades do eleito. “Comente as coisas gostosas que vocês fazem, fale sobre como se divertem, aprendem e crescem juntos”, sugere. Em vez de usar somente adjetivos, tente ainda relatar as atitudes positivas da pessoa. Deu certo com a secretária Bia Resende, 32 anos, de Porto Alegre (RS). “Minha mãe implicou muito tempo com o Carlos. Até depois do casamento, ela criticava a maneira como ele conduzia a carreira. Ele é professor e gosta do que faz, mas minha mãe achava que podia ser mais ambicioso. Foi só depois que comecei a contar o quanto o trabalho dele fazia a diferença na rotina da escola e na vida dos alunos que ela passou a respeitá-lo. Acredito que quando você admira de verdade o parceiro, a família acaba aceitando”, conta Bia.

2. Equilibre as atenções

Deixar a família de lado para ficar 100% do tempo com o par e gerar menos conflitos não é a estratégia ideal. “Em muitos casos, os parentes se ressentem, sofrem com a sua ausência e acabam ficando ainda mais bravos. E você também não vai se sentir bem com esse afastamento”, diz Maura. O ideal é equilibrar as atenções e se esforçar para que todos convivam bem, sem ter de fugir de um lado ou de outro. Esconder o par da família não resolve nada e vice-versa. “O vínculo e o afeto não ocorre de uma hora para a outra”, acredita Pedro Victor Souza, 29 anos, advogado de Santo André (SP). “Meus pais são evangélicos e no início rechaçaram a minha namorada, que segue a doutrina espírita. Com o convívio, porém, puderam rever alguns preconceitos e hoje a aceitam e a respeitam”, explica.

3. Estimule as identificações

Em muitos casos, a birra ocorre porque a família não aceita determinada característica do par. Em vez de tentar forçar a aprovação, que tal buscar pontos de identificação e valorizá-los? “Propicie conversas de trocas, afinal, você conhece os dois mundos, o dele e o da sua família. Faça a ponte: quando estiverem juntos, aborde assuntos que você sabe que os dois lados gostam e se interessam”, aconselha Maura. É importante, ainda, principalmente em relacionamentos que acabaram de começar, falar para o par as coisas que a família não curte ou tem o pé atrás. A intenção não é criar uma postura artificial, mas sim tomar uma atitude preventiva diante de assuntos polêmicos ou tabus.

4. Não alimente as críticas

Evite falar mal do par para a sua família. Brigas são comuns em qualquer relacionamento; convivência gera discordância e, consequentemente, crescimento. Porém, se a família não vai com a cara da pessoa pode aumentar o peso das suas histórias e, claro, intensificar a birra. “Além do mais, certos comentários só abrem espaço para os parentes se acharem no direito de opinar na sua relação”, diz a psicóloga Sandra Samaritano, de São Paulo (SP). Portanto, filtre o que leva adiante. E também é desnecessário contar para o par, com todas as letras, as opiniões da sua família. Isso só gera mais insegurança e mágoa e pode dificultar ainda mais uma possível aproximação.

5. Dispense a rebeldia

Na opinião da psicóloga Rejane Sbrissa, da capital paulista, sair com o par às escondidas, manter a relação em segredo, deixar de ir a compromissos familiares ou colocar outras pessoas contra a opinião da família só piora a situação. “Não imponha sua decisão por meios agressivos, pois a família só vai repelir ainda mais o seu par. Além disso, atitudes drásticas, aos olhos alheios, podem passar a impressão de que a influência do par é nociva. Pense nisso”, orienta.

6. Banque sua decisão

Segundo a psicóloga Sandra Samaritano, é preciso investir no autoconhecimento para lidar com sua escolha, levantando os prós e os contras que isso implica. A maturidade emocional ajuda a dar vazão aos desejos e a viver com o ser amado o que sente, assumindo-o e respeitando-o. “Viver uma escolha só diz respeito a você e a seu par, então enfrente os obstáculos enquanto puder sendo feliz e se relacionando com quem ama”, afirma.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
EFE
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Comportamento
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo