Equilíbrio

Marcos pode ser preso após ser indiciado por agressão a Emilly no BBB17?

Reprodução/Gshow
Marcos foi indiciado por lesão corporal Imagem: Reprodução/Gshow

Thamires Andrade

Do UOL

20/04/2017 14h12

O ex-BBB Marcos Harter foi indiciado na quarta-feira (19) por lesão corporal com base na Lei Maria da Penha após agredir sua companheira Emilly Araújo dentro do BBB17. Agora, o caso segue para o Ministério Público. Mas, afinal, o que pode acontecer com o médico juridicamente? Ele pode ser preso pelo que aconteceu?

De acordo com as especialistas ouvidas pelo UOL, as chances de isso acontecer são mínimas por dois motivos: o MP pode não acatar a denúncia e, mesmo que ela seja acatada, a pena para o crime pelo qual ele foi indiciado [lesão corporal] é pequena.

"O artigo 129, parágrafo nono, do Código Penal, prevê como pena para quem ofende a integridade corporal do companheiro uma detenção de três meses a três anos", explica Teresa Cristina Cabral Santana Rodrigues dos Santos, integrante da Comesp (Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do Estado de São Paulo).

A advogada feminista Carmen Hein de Campos, que fez parte da comissão que elaborou o anteprojeto da Lei Maria da Penha, explica que dificilmente Marcos será preso. "A legislação da Maria da Penha não veda substituição de penas. Caso o médico não tenha nenhum outro processo, a pena pode ser substituída por serviços para a comunidade. Então, dificilmente haverá qualquer restrição de liberdade", diz.

Caso Marcos tivesse outros processos de agressão em sua ficha criminal, a pena não aumentaria, mas esses processos seriam levados em conta pelo juiz na hora de dar a sentença. “Poderia ser um agravante. Não aumentaria a pena, mas poderia ser levado em conta na hora de definir a pena e o regime, se será fechado, semiaberto ou aberto”, fala Teresa Cristina.

A prisão só seria uma possibilidade real, segundo Teresa Cristina, caso Emilly tivesse solicitado alguma medida protetiva e o ex-BBB a descumprisse. “Nesse caso, poderia ser decretada uma prisão preventiva para garantir a proteção da moça”, diz.

Responsabilização independe da prisão

Na opinião de Teresa Cristina, ainda que Marcos não vá preso, é importante que a responsabilização aconteça, pois ela é a única forma de prevenir outros crimes como esse. “Ainda mais em um caso que repercutiu tanto. As pessoas vão pensar: 'não pode bater em mulher por que vai ter determinado tipo de condenação ou consequência'”, diz.

Segundo a integrante da Comesp, só o fato de perder a primariedade já impacta a vida dos homens. “O crime consta na ficha de antecedentes. Quando ele for procurar um emprego vai estar lá. É importante pararmos de pensar que a única forma de punição é a prisão. Ele pode não estar restrito de liberdade, mas sofrerá as consequências dos atos de outra forma”, fala.

Suspensão das investigações

O advogado de Marcos, Roberto Flávio Cavalcanti, até tentou suspender as investigações, alegando que a Leia Maria da Penha deve ser aplicada em caso de violência doméstica, o que não aconteceu, já que o fato ocorreu dentro de um reality show.

Carmen diz que essa alegação não faz sentido, pois, por mais que o espaço doméstico seja uma das características da legislação, a outra é que exista uma relação de afeto, como a de Marcos e Emilly no BBB17. "Como eles eram namorados ou estavam ficando fica caracterizado sim como uma violência doméstica. A expressão doméstica não se limita ao espaço físico, mas também a relação", diz.

"Tanto é que casos de ex-namorados ou ex-maridos que agridem suas antigas companheiras em um espaço público entram na Lei Maria da Penha. A agressão não precisa ser cometida em um espaço doméstico, mas sim, por alguém que teve ou tem relação de afeto", completa Carmen.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
UOL Estilo
Redação
BBC
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Folha de S.Paulo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
NE10
Redação
BBC
Redação
Topo