Comportamento

Por que Paolla Oliveira diz preferir igualdade em vez de feminismo?

Reprodução/Instagram
A atriz Paolla Oliveira, que está no ar na novela "A Força do Querer" (Globo) Imagem: Reprodução/Instagram

Adriana Nogueira

Do UOL

23/04/2017 17h19

Em entrevista ao jornal “Folha de S.Paulo” neste domingo (23), Paolla Oliveira disse preferir usar a palavra igualdade em vez de feminismo. Para a socióloga Fátima Pacheco Jordão, a carga negativa que ronda o movimento no Brasil é fruto do atraso do país nas discussões sobre desigualdade de gênero.

“No primeiro mundo, onde o feminismo está muito à frente do que no Brasil, autoproclamar-se feminista é um atributo de progresso, de vanguarda. Prova disso é que a primeira ministra britânica, Theresa May, que é conservadora, sente-se confortável em se assumir como tal [ela já foi inclusive fotografada com uma camiseta com a frase ‘é assim que uma feminista se parece’]”, afirma Fátima.

A socióloga diz que o feminismo hoje entende que homens e mulheres são diferentes biologicamente, mas devem ter os mesmos direitos. Ou seja, feminismo e igualdade são como sinônimos.

Recentemente, a também atriz Juliana Paes fez uma ressalva ao se definir feminista, dizendo que era "uma feminista de saia, sutiã, salto alto e batom vermelho". Esquecendo-se que a real discussão do feminismo atualmente é sobre a ditadura dos padrões de beleza e não sobre como cada um expressa a própria vaidade.

Getty Images
 

Segundo Fátima, o que dificulta esse entendimento e, por consequência, que mais e mais mulheres se sintam à vontade para se assumirem feministas, é o fato de o Brasil ainda estar travando batalhas muito básicas.

“O país é o quinto do mundo onde mais acontecem feminicídios [segundo relatório elaborado pela ONU Mulheres Brasil, por órgãos do governo brasileiro e pelo Escritório de Direitos Humanos das Nações Unidas]. Além disso, de todos os países da América Latina, só está à frente de Haiti, Belize e São Cristóvão quando se trata de representação feminina no parlamento [dados levantados por consultora do Senado, em 2016]”, declara a socióloga.

A doutora em comunicação e feminismo Vera Vieira, diretora da organização não governamental Associação Mulheres pela Paz, diz estranhar a fala da atriz e que a mesma não condiz com a postura de se engajar na campanha Mexeu com Uma, Mexeu com Todas”, em resposta a acusação de assédio sexual contra o ator José Mayer feita por uma figurinista.

“Tenho 62 anos, e as feministas da minha geração devem muito às de 30 e poucos, faixa etária da atriz. Por isso estranho ela ter dito isso. A postura dela é feminista, e ela não deveria ter medo de se assumir como tal.”

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
do UOL
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Da Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
UOL Estilo
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Topo