Comportamento

Após turbante arrancado, ela questiona: “Só é racismo se chamam de macaca?”

Reprodução/Facebook
Dandara publicou uma foto mostrando como estava no dia do evento Imagem: Reprodução/Facebook

Vivian Ortiz e Denise de Almeida

Do UOL

26/04/2017 17h34

Após ter seu turbante arrancado por desconhecidos em uma festa de formatura no último sábado (22), a estudante Dandara Tonantzin Castro contou em entrevista ao UOL que teve dificuldade em relatar a queixa no 17º Batalhão da Polícia Militar de Uberlândia (MG). Segundo ela, os policiais não quiseram colocar no Boletim de Ocorrência que houve crime de racismo.

"Chegaram a me perguntar: ‘mas ele te falou alguma coisa para você achar que é racismo?’ Ué, só é racismo quando me chamam de macaca?", questiona Dandara.

A denúncia foi registrada, ao final, como "prática/induz/incita/preconceito de cor/diverso" no Boletim de Ocorrência, documento ao qual a reportagem teve acesso. "Também já denunciamos o caso na Ouvidoria Nacional de Igualdade Racial (Seppir) e ainda vamos acionar o Ministério Público Federal", explica a vítima.

Hugo Leonardo Marques de Jesus, delegado da Polícia Civil responsável pelo caso, informou nesta quarta-feira (26) ao UOL que aguarda um novo testemunho de Dandara. "Depois que ela der o depoimento, vamos ouvir as testemunhas e os supostos autores. Após todos esses procedimentos, vai para a Justiça e cabe ao Ministério Público oferecer a denúncia. Tem um prazo de 30 dias a partir da abertura do inquérito para finalizá-lo".

De acordo com Dandara, duas pessoas de fato a agrediram, entre um grupo de seis homens. No Boletim de Ocorrência, um dos agressores chegou a ser identificado pela vítima. "Meus amigos procuraram no Facebook e descobriram que o cara é irmão de um dos formandos", conta. O outro, ela explica, foi reconhecido por foto encaminhada pelo buffet Palácio de Cristal, local onde a festa foi realizada, mas ainda não teve o nome identificado.

A estudante contou que o dono do estabelecimento telefonou para ela e se colocou à disposição para ajudar no caso. "Ele tem as imagens de muita gente que estava na festa, mas o local em que a agressão aconteceu infelizmente não tem câmeras por ser uma área nova, recém-construída".

Em nota oficial divulgada pela imprensa, o buffet Palácio de Cristal afirma que "os seguranças (do local) agiram dentro dos limites legais e de acordo com seus treinamentos, sempre respeitando a todos os envolvidos, sem fazer distinção de qualquer natureza entre eles. A empresa reafirma que repudia veementemente todo e qualquer tipo de preconceito e/ou discriminação".

“Pensei que iria apanhar ali”

A estudante estava no evento para prestigiar a formatura de um amigo no curso de engenharia civil. Quando amanheceu, a festa, que começou no salão, continuou em uma área externa do buffet. Segundo Dandara, a proposta era que os convidados saíssem do baile e fossem para uma espécie de "feira de domingo", com direito a banca de pastel, cerveja e até trio elétrico.

"Por volta das 6h30, vi que o dono do trio elétrico era um conhecido meu. Ele me pediu que eu fizesse um vídeo mostrando o trabalho dele na festa", diz. Foi quando tudo aconteceu.

"Enquanto eu fazia essa filmagem, senti um puxão na minha cabeça. Quando olhei, logo falei: o que é isso? Me larga! E ele falou: você está parecendo uma gueixa!", conta. Dandara diz que saiu de perto e continuou gravando por cerca de um minuto, até entregar o celular de volta para o dono. Como acabou se perdendo dos amigos nessa hora, ela decidiu procurá-los pela festa e cruzou novamente com os agressores.

"Aí ele puxou mais forte, para arrancar mesmo, e comecei a gritar: não me toca, você não pode fazer isso, é o meu turbante", explica. Depois, segundo ela, esse mesmo rapaz fez um sinal para os amigos, que vieram e fizeram uma roda em volta.

"Fiquei com muito medo neste momento, a ponto de pensar que iria apanhar ali. Saí e, no que fui descer as escadas, o outro veio e puxou o meu turbante, jogando ele no chão. Comecei a debater com ele, que riu e debochou. Quando fui pegar meu turbante do chão, eles começaram a jogar cerveja em mim", conta.

Ela afirma que, no vídeo que gravava durante a primeira abordagem, é possível ouvir sua voz reclamando com o agressor. Dandara diz ainda que a câmera também capturou rapidamente o rosto de um deles, que debochava. "Eu só não divulguei ainda porque é uma prova. Pelo que fiquei sabendo, eles são de famílias ricas", explica.

O delegado responsável afirma que Dandara irá levar as imagens para a Polícia Civil investigar o caso. A equipe do 2º DP de Uberlândia também já falou com o proprietário do buffet. "Ele vai passar a relação de todos os profissionais que estavam trabalhando na festa e as imagens dos agressores", diz Hugo Leonardo.

Apoio e retaliação

Dandara explica que só optou tocar esse processo até o final pelo fato de muitas pessoas terem se solidarizado com a história e dado força a ela. "Também entendo que essa visibilidade do caso é importante para o processo de não naturalizar esse racismo do dia a dia, que muitas vezes machuca muito", diz.

No entanto, ela afirma ter se assustado com os vários comentários machistas, racistas e homofóbicos escritos nas reportagens sobre o caso, com frases do tipo "volta, chicote" e "'vou te colocar no tronco".

"Ao mesmo tempo, recebi muitos relatos de amor de pessoas que me procuraram para dizer que passaram por coisas semelhantes", conta a vítima. Fernanda Lima, Camila Pitanga, Leandra Leal, Letícia Sabatella e outras famosas usaram suas redes sociais para apoiar Dandara, postando #MexeuComUmaMexeuComTodas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
BBC
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Comportamento
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Topo