Comportamento

Sexo por obrigação? Talvez o problema não seja o seu relacionamento

Getty Images
Imagem: Getty Images

Helena Bertho

do UOL, em São Paulo

26/04/2017 04h00

Quando a rotina é cada vez mais corrida e as horas de sono têm se tornado algo extremamente precioso e valorizado, se ver na situação de transar, mesmo sem estar com vontade, apenas para satisfazer o parceiro ou parceira é algo cada vez mais comum.

"Apesar de não existirem muitas pesquisas sobre isso, eu observo no meu consultório que mais da metade dos casais de longa data fazem sexo por obrigação", diz a sexóloga e terapeuta de casal Lelah Monteiro.

No entanto, a falta de vontade que leva a isso pode não ser necessariamente um sintoma de que o relacionamento vai mal: muitos outros fatores podem estar por trás do que leva as pessoas a transar sem vontade. "Às vezes o cansaço é maior que a vontade. É falta de disponibilidade", defende a socióloga Mirian Goldenberg como um dos principais motivos por trás do tal sexo por obrigação.

Para elas, transar pode significar dormir menos

Esse é um problema que atinge muito mais as mulheres, devido ao acumulo de papéis e tarefas. Na pesquisa Mosaico Brasil 2.0, realizada pelo Prosex em 2016 e que analisou os hábitos sexuais dos brasileiros, foi levantado que para mulheres a qualidade do sono vem antes da vida sexual. Para os homens, a boa vida sexual seria quase tão importante quanto comer.

"Eu sou esposa, mãe, profissional, linda e magra. Nós não temos a escolha de não ser, nós queremos ser tudo isso. Existe uma pressão social enorme para as mulheres de cumprir todos os antigos e novos papéis", diz Mirian Goldenberg. "E como você vai conseguir curtir o prazer do sexo, com tudo isso te consumindo? É muita coisa", completa a pesquisadora, que defende que para muitas mulheres hoje o sexo pode significar apenas menos tempo de sono, e não prazer.

Some a isso o fato de que a excitação feminina não é automática -- é preciso desligar e relaxar. " O homem tem a sexualidade mais resolvida, é algo que ele faz para relaxar. Já a mulher não, tem muitos outros fatores emocionais e sociais que dificultam a excitação e o prazer", defende Lelah.

Nesse cenário, as duas acreditam que muitas mulheres se sentem na obrigação de transar para manter a relação. "Existe ainda uma cultura do 'se eu não fizer, outra vai fazer', porque o homem teria uma necessidade física de transar, que faz com que muitas mulheres se sintam no dever de fazê-lo", explica a sexóloga.

Para a esteticista A.S., 34, isso é comum em seu casamento. "A rotina de trabalho, casa e filho cansa. Então rola a situação de eu não querer deixar ele sem sexo, mesmo cansada, e fazer só para cumprir a obrigação. E eu só penso: 'termina logo com isso'".

Homens também transam por obrigação

Apesar de mulheres se sentirem mais pressionadas a transar quando estão sem desejo, homens também passam por isso. "Recentemente eu estava saindo com essa garota e ela fica o tempo todo no carinho, querendo. Eu estava mais tranquilo, mas é muito difícil falar que não, para parar, então eu acabava fazendo", conta B.C., 32.

Para as especialistas, a dificuldade dos homens em recusar o sexo está mais ligada a uma necessidade de provar a masculinidade. "Não que seja mais fácil, eles têm medo de broxar, se sentem cobrados, as esposas cobram", explica Mirian Goldenberg. Ao que Lelah complementa com o fato de que se espera que seja da natureza do homem estar sempre com vontade, o que também é uma pressão.

Informação reforçada pelos dados de um estudo de 2015, do instituto GFK, que apurou que 44% dos homens entre 41 e 50 anos usavam medicamentos para disfunção erétil em todas as relações. "As brasileiras são as maiores consumidoras de remédios para ansiedade e para dormir. Os brasileiros são os maiores consumidores de Viagra", diz Mirian, para diferenciar as pressões que cada gênero sofre.

Não é um fracasso individual ou do casal

A forma como essas pressões acontecem para levar tanto homens e mulheres a transar por obrigação mostra que não é um sintoma de fracasso da pessoa ou do casal. "Isso está ligado a uma cultura que multiplicou as escolhas e as obrigações  Se você considera isso um problema seu ou do relacionamento, aí complica. Você vai se sentir cada vez mais um fracasso ambulante", defende Mirian, que acredita que é importante encarar a questão de maneira consciente e ter diálogo com a outra pessoa.

Para Lelah Monteiro, é importante também que as pessoas entendam como se sentem e expressem isso para os parceiros. "E não pode faltar respeito, ouvir as necessidades e desejos do outro e respeitar". Ela diz, ainda, que começar o sexo sem muita vontade pode, para alguns casais, levar ao prazer conforme a estimulação acontece e isso pode reforçar os laços entre os dois e aumentar o desejo. Mas para outros casais isso pode não funcionar.

Quando a obrigação vira violência

É muito importante saber que quando uma das duas pessoas não quer transar e é forçada pelo outro, isso é estupro. No entanto, mesmo quando isso não ocorre, o sexo feito sem vontade e sem prazer pode ser violento.

"Eu transava para agradar meu parceiro, pois ele me falava 'como assim você não quer?', então eu fingia logo um orgasmo e me sentia impotente e violada. Hoje eu vejo que ele deveria ter respeitado quando eu não queria", conta A.B., 27.

Para Lelah Monteiro, "é importante a mulher ter algum tipo de prazer, em que haja o mínimo de excitação, lubrificação e relaxamento muscular. Senão causa culpa, conflito e pode até causar dor e machucar, levando a disfunções como o vaginismo, uma contração involuntária da vagina que dificulta o sexo".

Ela acredita que um deve respeitar as vontades do outro e também observar os sinais que a pessoa dá com o corpo. " Há sinais físicos, faciais e corporais da excitação e do prazer. E a pessoa que finge não consegue expressar o tempo todo, ela pode dar um gemido ou contrair o corpo algumas vezes, mas é perceptível se está preocupada", explica.

B.C. concorda com ela. Apesar de hoje estar na situação de não querer transar, ele já esteve do outro lado: "Às vezes, chega no desconforto de a pessoa não perceber que você não está a fim. Mas eu namorei muitos anos e eu sempre queria, ela nem sempre. Quando não rolava, eu ficava de cara feia, mal-humorado, estragava a noite. Um ano depois que a gente terminou ela veio me falar que às vezes fazia por causa da minha reação e que aquilo era muito violento para ela, incomodava".

O ideal, quando não se está a fim, é falar e respeitar. Mas a sexóloga reforça: mesmo se a pessoa não falou e você está percebendo que ela não quer, não force a barra. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Comportamento
Redação
do UOL
Redação
do UOL
Blog da Morango
Redação
Redação
Comportamento
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Blog do Fred Mattos
Comportamento
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Redação
Topo