Comportamento

Mesmo sem denúncia, caso Mayer teve avanços para mulheres, diz especialista

Estevam Avellar/TV Globo
O ator José Mayer como o personagem Tião Bezerra, na novela "A Lei do Amor" Imagem: Estevam Avellar/TV Globo

Adriana Nogueira

Do UOL

28/04/2017 16h14

A figurinista Susllem Meneguzzi Tonani decidiu não levar adiante o inquérito contra José Mayer, após acusar o ator de assédio sexual nos bastidores da novela “A Lei do Amor” (Globo). “Mesmo sem a formalização, houve um ganho na direção de recriminar comportamentos como o do ator”, afirma a socióloga Fátima Pacheco Jordão.

Para a especialista, o fato de Susllem ter exposto a situação de violência e as consequências geradas para o ator –que reconheceu o erro e foi afastado do trabalho– são por si históricas. “É um episódio inédito na Globo, e é um progresso que vai tornar possível que outras denúncias ocorram em empresas grandes, como a emissora.”

Para a defensora pública Ana Rita Souza Prata, coordenadora do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher da Defensoria Pública de São Paulo, é provável que Susllem não tenha visto na via criminal a solução para a situação que viveu.

“O reconhecimento da violência por parte do ator pode ter sido o objetivo da denúncia, trouxe a paz que ela precisava. E é fato que o sistema prisional, tal como é hoje no Brasil, não iria fazer com que ele refletisse sobre seu comportamento machista.”

Ana Rita fala que, assim como Susllem, muitas mulheres não veem a detenção do agressor como objetivo final da denúncia. “E não é por isso que elas merecem menos proteção do que aquelas que formalizam a acusação e a levam adiante na Justiça. Temos de respeitar a autonomia da mulher.”

Fátima também diz que não se deve, de forma alguma, pôr em dúvida a conduta da mulher que não formaliza a denúncia. “Transferir a culpa para a vítima é uma reação cultural baseada no machismo. Ao fazer isso, a pessoa se coloca a favor do agressor”, fala a socióloga.

Não há como especular o que levou a figurinista a não seguir com a formalização da denúncia, mas ela não está só ao agir dessa maneira.

Segundo pesquisa da Secretaria de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, de 2015, 80% das mulheres que sofrem violência doméstica querem se ver livres da opressão, e não têm como objetivo final que o agressor vá preso.

“Inúmeras razões podem estar por trás disso: medo, vergonha, não acreditar no sistema prisional”, afirma a defensora pública.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Comportamento
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Topo