Comportamento

Pompoarismo pode ajudar homens e mulheres a prolongar a transa

Getty Images
Imagem: Getty Images

Gabriela Guimarães e Marina Oliveira

Colaboração para o UOL

28/05/2017 04h00

Fazer sexo sem ter como único objetivo o orgasmo. Esse é o princípio defendido pelos que pregam a retenção orgástica, uma técnica que vem da filosofia Tantra e que promete aumentar a duração da transa, favorecer a intimidade entre o casal e, ainda, intensificar o prazer. Conversamos com especialistas para esclarecer dúvidas comuns sobre o tema. Confira, a seguir.

O que é a retenção orgástica?

É uma técnica que visa retardar ou evitar o orgasmo, de forma que o casal consiga curtir mais a transa. A intenção é tirar o foco do gozo, para que ambos percebam que o sexo como um todo pode ser prazeroso. A retenção também aumenta a conexão entre os dois, já que dificilmente um homem e uma mulher conseguem se excitar na mesma velocidade e com a mesma intensidade. E, sem a pressão pelo orgasmo, fica mais fácil alcançarem a mesma sintonia e permanecerem nela enquanto for agradável para os dois.

Ao segurar, o orgasmo vem mais intenso?

Sim. Os homens conseguem manter a ereção por mais tempo, assim como as mulheres permanecem lubrificadas por um período mais longo também. A retenção aumenta a sensibilidade de ambos, e, segundo os especialistas, é mais provável que orgasmos intensos e até múltiplos aconteçam.

Faz mal segurar orgasmo?

Não. O processo que leva ao orgasmo se desenvolve em etapas: a mulher é envolvida pelo cheiro do parceiro, pelo toque e só depois pelo contato no genital. Mas todas as fases são estimulantes. Já o homem se excita desde o primeiro contato físico e sente prazer enquanto houver toque, até chegar ao ápice dessa sensação. Mas apenas postergar esse pico não é prejudicial. Contudo, o homem pode sentir um desconforto no pênis se demorar muito para ejacular, porque a região genital recebe um fluxo maior de sangue durante o sexo, que só vai cessar com a ejaculação.

É difícil fazer?

É necessário ter controle da respiração, perceber cada reação do corpo e conhecer os próprios limites. O mais importante é saber, antes, quando o orgasmo está prestes a acontecer. Durante a transa, os especialistas indicam fechar os olhos, inspirar profundamente e concentrar-se, sempre que houver a intenção de segurar o clímax. Homens não devem arquear as costas, porque a postura propicia a perda de controle da ejaculação.

Quais os primeiros passos?

Para atingir o autocontrole durante a transa, é preciso treinar. Assim como não é possível sair do sedentarismo em um dia e encarar uma corrida de 10 quilômetros na manhã seguinte, é muito difícil postergar o orgasmo por horas logo de cara. Então, a orientação dos especialistas é ter paciência. Uma dica é iniciar a transa sem muita excitação. Ao perceber o tesão, a estratégia é respirar profundamente e controlar o ritmo dos movimentos que geram prazer. Se preciso, o pênis pode ser retirado da vagina. Contrair o ânus, segundo os especialistas, também ajuda a segurar o orgasmo. Na primeira semana, o casal pode tentar postergar o orgasmo por, aproximadamente, dez segundos. Na segunda semana, pode tentar vinte segundos e ir aumentando gradualmente. Será preciso perceber até quando é confortável e possível para os dois continuar curtindo a relação, sem gozar.

Há exercícios que ajudam?

Contrair os músculos pélvicos várias vezes ao dia, como se fosse segurar o xixi, favorece a retenção orgástica. Homens e mulheres também podem fazer exercícios de pompoarismo. Elas podem começar introduzindo um dedo no canal vaginal, apertando-o algumas vezes, para perceber a força que têm na região. Um exercício comum nas academias é recomendado para ambos: basta deitar com as costas em um colchonete, com as pernas dobradas e os pés apoiados no chão. Então, elevar o glúteo contraído, segurar dez segundos o quadril lá em cima e, só então, voltar para o apoio no chão. O movimento pode ser repetido de 15 a 30 vezes por dia.

Quem deu as informações: Alex Meller, urologista da Unifesp; Daniel Carletti, terapeuta corporal e massagista tântrico, Fabiane Berta, ginecologista mestre em menopausa e terapias hormonais pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e Ísis Ahava, pesquisadora de artes sensuais e coach de sexualidade e relacionamentos.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Casamento
Redação
Redação
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
UOL Estilo
Comportamento
BBC
Redação
comportamento
UOL Estilo
Redação
Redação
Topo