Comportamento

A inveja é uma m... Mas dá para transformá-la em algo positivo!

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Heloísa Noronha

Colaboração para o UOL

16/06/2017 04h00

Todo mundo, em menor ou maior grau, já se incomodou ao ver um colega de trabalho ser promovido, a amiga comprar um carro incrível ou saber que um parente fez uma viagem dos sonhos nas férias. A sensação de injustiça, como se você fosse mais merecedor de coisas boas que a outra pessoa, vem à tona imediatamente. 

Mas é difícil quem admita que já sentiu o gosto amargo da inveja. Esse é um sentimento altamente condenável pela sociedade, tido como sinônimo de fracasso e maldade. 

No entanto, sentir inveja é normal. E o primeiro passo para que esse sentimento seja neutralizado, é trazê-lo à tona. Pode ser difícil, mas o resultado é recompensador. Veja quatro formas de fazer da sua inveja algo edificante para a sua vida!

1. Admitir a inveja ajuda a superá-la

Negar um sentimento nos torna mais vulneráveis a ele, porque vira algo mal resolvido dentro de nós e se transforma em uma mentira que toma proporções com as quais nem sempre conseguiremos lidar. Ao admitir que sente inveja, você pode pensar sobre o que vai fazer para superá-la. Que tal começar conversando com outras pessoas que também estão sentindo isso para saber como enfrentam a situação?

2. Dá para se conhecer melhor

Ao esquadrinhar a própria inveja, você vai mergulhar em um exercício intenso de autoconhecimento. Nem sempre aquilo que cobiçamos é o que, de fato, precisamos. Será que você quer mesmo ter um big apartamento como o da sua prima ou, na verdade, o que a incomoda é que ela tem um salário mais alto do que o seu?

Nesse caso, a inveja permite outro tipo de reflexão: você vem se esforçando o suficiente para alcançar seus objetivos? O que fez até agora que deu certo e em quais pontos pode melhorar? Não são raras as circunstâncias em que as pessoas alimentam a própria inveja olhando mais para as conquistas alheias do que prestando atenção em si mesmas. A inveja pode ser usada de uma forma produtiva, ajudando-a a entender o que gostaria de ter ou fazer que está invejando e, finalmente, traçar estratégias para correr atrás do que realmente deseja. Em vez de se perguntar “por que não eu?”, pergunte a si mesma “como posso eu…?”.

3. A inveja de alguém pode se transformar em admiração

Nem sempre a inveja é ruim; ruim é a maneira com que lidamos com ela. Em vez de desmerecer o que a outra pessoa tem de bom, por que não se espelhar nela? Independente se foi resultado de sorte ou esforço, tenha em mente que ela é merecedora - e que você também tem capacidade de conseguir o que quer. Esse sentimento tido como tóxico pode ser útil se, em vez de passar por cima dos outros ou tentar prejudicá-los, você aprender com o objeto da sua inveja. Isso não faz com que o sentimento de inveja seja positivo, é óbvio.

Ela continuará sendo algo negativo, a diferença é o que você faz com isso. Vale a pena tentar transformar a pessoa invejada numa espécie de modelo. Liste tudo aquilo que ela tem - desde bens materiais até traços positivos de conduta - que você gostaria de ter e, em seguida, tente descobrir como ela alcançou seus objetivos. Tome-a como um exemplo e siga seus passos.

4. Você passa a valorizar a si mesma e os outros

É fato: quem tem mania de achar que é alvo de inveja, no fundo está de olho no que é de terceiros. Para não admitir a própria cobiça, inconscientemente a projeta nos outros e assim se sente melhor. Outra artimanha comum é desqualificar qualidades e bens alheios para disfarçar o quanto, no fundo, deseja possuí-los. Como diz o velho ditado, quem desdenha quer comprar. Quem assume a própria inveja, porém, também passa a reconhecer as capacidades das outras pessoas. O sentido da crítica se perde e você se liberta para mirar olhar no que realmente importa: você mesma.

Fontes: Alexandre Bez, psicólogo e autor do livro "Inveja – O Inimigo Oculto" (Ed. Juruá); Marilena Bigoto, psicóloga e diretora ESEDES (Espaço Elaborado para o Desenvolvimento e Essência do Ser), de São Paulo (SP), e Yuri Busin, psicólogo e diretor do CASME (Centro de Atenção à Saúde Mental Equilíbrio), de São Paulo (SP)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
Comportamento
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
UOL Estilo
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Topo