Comportamento

Fenômeno de vendas: por que a poesia de Rupi Kaur encanta tantas mulheres?

Natacha Cortêz

Do UOL

14/07/2017 04h00

Em tempos velozes, de informações instantâneas em fluxo torrencial, o que te faz parar? O que prende, de verdade, sua atenção? Se você é uma garota, talvez Rupi Kaur possa te fazer parar.

@rupikaur_
Imagem: @rupikaur_
Indiana radicada no Canadá, a poeta e artista visual de 24 anos já foi considerada “filha perfeita de seu tempo” e “voz de sua geração” graças à identificação que seu trabalho causa em jovens mulheres pelo mundo.

Mais de 1 milhão de exemplares vendidos

Seu primeiro livro, “Milk and honey”, lançado no Brasil como “Outros jeitos de usar a boca” pela editora Planeta, feito de poemas rápidos e sinceros que falam de perda, relacionamentos abusivos, racismo, dores e especialmente sobre ser mulher hoje, foi publicado de forma independente em 2014 e já ultrapassa um milhão de exemplares impressos só nos Estados Unidos. 

Traduzido em 8 idiomas (entre eles espanhol, chinês, alemão e italiano) permaneceu por mais de 40 semanas na lista dos mais vendidos do New York Times. Por aqui, o título está em sua 7ª edição e tem 30 mil cópias vendidas em menos de três meses. Se tratando de um livro de poesia contemporânea, “sem dúvidas esse número é um marco”, diz a assessoria da edição brasileira. 

Para o lançamento da coletânea de poemas no Brasil, as atrizes Luisa Arraes, Débora Nascimento, Mariana Xavier, Cris Vianna e Andreia Horta recitaram poemas de Rupi em um vídeo publicado na fanpage da Planeta - você pode assistir o vídeo no começo deste texto.

“Um pequeno vazamento”

Rupi Kaur/Instagram
Imagem: Rupi Kaur/Instagram

Como poeta, Rupi é um fenômeno de vendas. Como artista feminista, é voz e imagem para garotas que querem se ver além do espelho. Rupi representa muitas de nós e faz isso sem poupar ninguém, nem a si mesma. 

Divulgação
Poema de Rupi Kaur Imagem: Divulgação
Foi assim quando em 2015 publicou no Instagram uma foto sua, deitada de costas com a calça de pijama manchada de sangue de menstruação. Censurada, a imagem foi deletada pelo aplicativo. Como resposta, a artista postou novamente a foto e escreveu: “Não vou pedir desculpas por não alimentar o ego e o orgulho de uma sociedade misógina, que aceita meu corpo de calcinha e sutiã mas que não aceita um pequeno ‘vazamento'”.

A internet, seu palco potente juntamente com os livros, ajuda e muito a fazer de Rupi um sucesso que vai além das listas de mais vendidos na literatura. A autora alcança até quem diz não amar poesia. Jout Jout, por exemplo.

Mas por que Rupi toca tanto?

Ana Guadalupe, também poeta e tradutora da edição de “Outros jeitos de usar a boca” em português, explica: "Ela trata de temas e experiências que todas nós, mulheres, já vivemos. E faz isso de um jeito extremamente corajoso, sem afetação, sempre tomando as rédeas da própria narrativa de dor, prazer e descoberta”.

Divulgação
Poema de Rupi Kaur Imagem: Divulgação

Muita força nas redes sociais

A crítica especializada costuma colocar Rupi na gaveta dos InstaPoets, autores de poemas curtos, que se autopublicam em suas redes sociais e não esperam o selo de uma grande editora para serem validados. Na verdade, o fazem através de suas próprias audiências. 

Junto com Warsan Shire (poeta somali inglesa que Beyoncé usou em Lemonade), Rupi impulsiona um movimento poético que rompe em suas formas, conteúdos e plataformas com as estruturas tradicionais. São mulheres que estão usando a internet para conquistar um espaço que raramente é cedido a elas, especialmente quando não são brancas. "Não havia espaço para poesia sobre trauma, abuso, perda, amor e cura pelo olhar de uma mulher imigrante adepta do sikhismo (religião do sul da Ásia ainda cercada de tabus e preconceitos) ", disse Rupi ao The Guardian.

Reprodução/University of Waterloo
Imagem: Reprodução/University of Waterloo

O segundo livro

Rupi anunciou em seu Instagram que seu segundo livro, "The sun and her flowers", já tem data para o lançamento nos Estados Unidos, 3 de outubro. Rupi ainda disse que levou três anos para escrevê-lo, que "queria desesperadamente crescer como escritora" e, que no fim das contas, não desejava que a obra fosse uma continuação de "Outros jeitos de usar a boca". 

@rupikaur_
Imagem: @rupikaur_

Para conhecer mais sobre a autora, um vídeo que vale ser visto é a palestra da poeta no TED, bem aqui.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Redação
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
Blog do Fred Mattos
Comportamento
do UOL
Redação
Redação
Redação
Redação
Blog da Morango
Redação
BBC
Redação
do UOL
Redação
Redação
BBC
Redação
BBC
Redação
Beleza e maternidade
Redação
Redação
Redação
Redação
BBC
Redação
Redação
Redação
Comportamento
do UOL
do UOL
Redação
Redação
Redação
Comportamento
Redação
Redação
Topo